RETRATOS DA LITUÂNIA

Por Claudia Liechavicius

Era uma vez um reino pagão fundado no século XIII pelo rei Mindaugas, o Grão-Ducado da Lituânia. O tal bastião, que tinha orgulho do seu paganismo se tornou um Estado forte no final do século XIV. Tão forte que se estendia desde o Mar Báltico até o Mar Negro. Foi nessa época que o grão-duque Jogaila se casou com uma polonesa e aceitou a entrada do cristianismo no reino Polonês-Lituano. Desde então, o cenário religioso e político mudou radicalmente. Foram promovidos batismos em massa e templos começaram a surgir em profusão. Mas, isso não foi assim tão simples. Houve muita revolta, incêndios, batalhas - como era o hábito nessa época - até que finalmente, entre os séculos XVII e XVIII os esforços para reergue-la da destruição resultaram nessa riqueza barroca que domina Vilnius. Agora, a quantidade de igrejas é o que mais impressiona na capital da Lituânia, um dos três Países Bálticos. Para onde quer que o olhar se dirija, ele avista alguma cúpula. Não é à toa que a Cidade Velha de Vilnius figura desde 1994 na lista dos Patrimônios Mundiais da UNESCO.


Igreja de Santa Ana.

A BELEZA GÓTICA DE SANTA ANA

A igreja de Santa Ana foi a que mais me encantou em Vilnius. E, não só a mim como também à Napoleão. Dizem que ele queria leva-la para Paris na palma da mão, tal sua beleza. Toda em tijolos vermelhos, Santa Ana serviu como quartel aos soldados de Napoleão, quando estavam a caminhos de Moscou. É muita sorte ela ter conseguido sobreviver às turbulências da época.

Praticamente colada a Santa Ana está a Igreja Bernardina. Ela foi construída em 1525 pelos franciscanos bernardinos. Mais tarde, serviu como quartel general para tropas russas e depois foi devolvida aos frades. Foi em frente à essa igreja que os lituanos se reuniram em 1987 para fazer a primeira manifestação pública contra a ocupação soviética e pelos direitos nacionais da Lituânia.

 Igreja de Santa Ana e Igreja Bernardina. 

A CATEDRAL DE VILNIUS

A catedral que hoje é católica foi construída no século XVII sobre um templo pagão do século XIII. Com suas colunatas, parece um templo grego. Tem uma fachada imponente que difere de todas as outras igrejas da cidade. Ela também foi fechada pelos russos, em 1950, e usada como oficina e garagem de caminhões. Mais tarde foi reaberta como uma galeria e finalmente, em 1989 voltou a ser uma igreja católica. Dá para perceber que as mudanças são muito recente na história do país. Os destaques da catedral são o altar-mor, a cripta e a Capela de São Casimiro.

Catedral de Vilnius.

São Casimiro era o segundo filho de um grão-duque que abriu mão do luxo da corte para se dedicar a vida religiosa. Ele morreu aos 25 anos de tuberculose e diziam que seu caixão tinha poder de cura. A capela dedicada à ele é decorada com mármore da Galícia.

A Capela de São Casimiro, dentro da catedral, foi projetada por arquitetos italianos no início do século XVII. Os afrescos coloridos são seu ponto alto.

A catedral fica numa praça exuberante. Num dos cantos da Praça da Catedral está o Campanário da Catedral de Vilnius que antigamente fazia parte das fortificações da cidade. Na praça também tem uma estátua do grão-duque Gediminas que pregava a diplomacia entre os povos e o Palácio Real (residência dos grão-duques conhecido como o Castelo de Baixo). 

Campanário da Catedral de Vilnius.

Estátua do grão-duque Gediminas, inaugurada em 1996, como símbolo da liberdade, em frente ao Castelo de Baixo.

CURIOSIDADE: na Praça da Catedral tem uma placa de pedra que diz "milagre". Ela está posicionada exatamente no local onde começou a "Corrente Báltica", em 1989, uma corrente humana feita através da Lituânia, Letônia e Estônia para chamar a atenção do mundo para uma história de grande sofrimento, comum aos três países, durante a política de russificação. Há uma lenda que diz que quem der três voltas ao redor da pedra terá seus desejos atendidos.

Praça da Catedral de Vilnius, com o Campanário em destaque.

Praça da Catedral, Castelo de Baixo e Campanário vistos do Castelo de Cima. 

A IGREJA ORTODOXA DE SÃO PARASKEVA

Essa igreja ortodoxa também foi construída no lugar de um antigo santuário pagão. Em meados do século XIV, o grão-duque Algirdes mandou que fosse construída uma igreja ortodoxa para sua mulher. O prédio atual data de 1865 e durante o período soviético funcionava como uma igreja ortodoxa russa. 

Igreja Ortodoxa de São Paraskeva.

A PEQUENINA IGREJA DA DIVINA MISERICÓRDIA

Pequena, mas cheia de significado para os lituanos. Ela funcionou como prisão na época da ocupação soviética, foi ortodoxa por um tempo e hoje é uma igreja católica. Recentemente, recebeu as bençãos do papa. Está sempre lotada de fiéis. A igreja fica numa estreita rua residencial, cercada de prédios baixos por todos os lados. 

Igreja da Divina Misericórdia de Vilnius.

A BARROCA SANTA TERESA E O PORTÃO DA ALVORADA

A igreja de Santa Teresa foi construída no século XVII quase em frente ao Portão da Alvorada. Esse portão é uma das entradas da cidade e é adornado por um oratório com uma imagem da Virgem Maria feito para abençoar os viajantes que partiam e afastar os inimigos. Santa Teresa também inspirou o surgimento das Carmelitas Descalças, na Espanha, uma ordem que valorizava a disciplina na oração. Dizem que como a igreja foi construída na mesma época da Catedral de Vilnius, teve grande contribuição dos artistas italianos que trabalhavam na cidade na época.

Igreja de Santa Teresa.

O Portão da Alvorada, uma das entradas para a Cidade Velha, guarda uma pintura da Virgem Maria que dizem ter poderes milagrosos.

IGREJA DE SÃO JOÃO BATISTA E SÃO JORGE EVANGELISTA

Essa simpática igreja fica no campus da universidade, a qual ocupa uma área bem central da Cidade Velha. Ela foi construída no século XV e refeita no século XVII. O campanário tem 68 metros de altura e serve como ponto de referência, pois é a edificação mais alta do centro antigo de Vilnius.

Campanário da Igreja de São João Batista e São Jorge Evangelista.

E, já que estamos falando da universidade vale a pena destacar que a Universidade de Vilnius é a mais antiga do Leste Europeu. Foi construída inicialmente, como um colégio jesuíta, em 1568 e se tornou uma escola de educação superior em 1579, quando nosso Brasil ainda estava engatinhando. A universidade tem 13 pátios internos que podem ser facilmente visitados. O que mais me surpreendeu foi a biblioteca. Ela é de uso exclusivo dos alunos, mas pedindo com jeitinho é possível visita-la. 

Biblioteca da Universidade de Vilnius.

A SANTÍSSIMA TRINDADE E A PORTA BASILIANA

A Porta Basiliana foi criada em 1761 por um dos mais influentes arquitetos barrocos de Vilnius, Jan Glaubitz. No topo, os relevos representam a Santíssima Trindade e indicam o que está por vir atrás da porta. A igreja da Santíssima Trindade fica num pátio fechado, que foi um mosteiro e depois prisão na época dos czares russos. O local ficou abandonado por um tempo e recentemente começou a ser restaurado. Um encanto.

Porta Basiliana.

Monastério da Santíssima Trindade.

A ELEGANTE SANTA MÃE DE DEUS

Uma imagem da Mãe de Deus foi levada para Vilnius pelo Czar Alexandre II que também doou dinheiro para a reconstrução da igreja. Por um longo tempo, ela abrigou salas de dissecação da Academia de Medicina e um quartel. Foi construída sobre um templo pagão que o grão-duque Algirdas costumava frequentar com sua esposa.

Igreja Ortodoxa Santa Mãe de Deus.

Essas são apenas algumas das tantas igrejas de Vilnius. Tem muitas outras. De todas as crenças. De todas as cores. Em vários estilos. Cada uma linda do seu jeito.

Igreja de São Casimiro. A coroa simboliza a origem real de São Casimiro.

Igreja de Santa Catarina. Ela fazia parte de um mosteiro beneditino no século XVII. Os russos incendiaram a igreja e ela foi refeita no século XVIII.

Igreja Ortodoxa de São Nicolau. Interessante observar a mistura de estilos na sua construção. A fachada é bizantina e o campanário barroco.

A CIDADE VISTA DO ALTO

E, para conectar tantas igrejas, ruas estreitas, praças arborizadas e pátios simpáticos convidam à caminhada. A cidade não é grande e pode ser percorrida a pé sem muito esforço. O fluxo de carros no centro antigo é relativamente pequeno e quando começa a esquentar as pessoas sentam nos cafés e restaurantes para brindar o sol. Melhor lugar não há do que o Castelo de Cima para ver o emaranhado de ruelas cheio de cúpulas barrocas. 

A torre oeste foi a única que ficou intacta no castelo que fazia a defesa da cidade. 
Ela é o símbolo da independência da Lituânia. 

Lá de cima, dá para ver os dois lados da cidade: o novo e o antigo. 


O MORRO DAS TRÊS CRUZES

Outro símbolo de Vilnius são as três cruzes brancas, no morro vizinho ao do Castelo de Cima. Dizem que nesse local havia três cruzes de madeira, que homenageavam três frades torturados e assassinados por um grupo de pagãos, num incidente que aconteceu quando a Lituânia resistia à entrada do catolicismo. Os soviéticos as destruíram quando invadiram o país e, mais tarde, no lugar delas foram colocadas três novas cruzes brancas. 

O Morro das Três Cruzes.

PELAS RUAS DE VILNIUS

Uma das ruas mais movimentadas em Vilnius é a Rua Pilies. É frequentada por lituanos e turistas que circulam em busca de souveniers e peças em âmbar, típicas do país. Bom mesmo é sentar num café e ver as pessoas passeando.

Rua Pilies. 

Pertinho dali, o gramado do Palácio Presidencial convida os universitários para um breve descanso entre as aulas. O prédio fica exatamente em frente à universidade. Desde 1997 é a casa da Presidência, mas no século XIV era a residência dos bispos do alto escalão. Napoleão Bonaparte e o czar Alexandre I frequentaram seus salões. 

Quando a bandeira do Palácio Presidencial está hasteada significa que o presidente está em Vilnius. 

Outro local bastante interessante é a Praça da Prefeitura. Antigamente, essa praça era o lugar da feira. Agora, é uma das áreas mais movimentadas da cidade, recebe uma feira anual de artesanato e seu principal prédio é o da Prefeitura cercado, claro, por algumas igrejas. 

Praça da Prefeitura de Vilnius.

E, além disso, a ordem é andar sem rumo, curtir as fachadas dos prédios e visitar os tantos museus que lembram o passado sofrido desse povo que passou muito tempo nas mãos dos poloneses e dos russos, e teve sua independência tão recentemente.







Espero que vocês tenham gostado desses Retratos da Lituânia, um país guerreiro que foi o primeiro a se tornar independente da União Soviética. 


 INDICAÇÃO DE HOTEL

STIKLIAI. Esse gracioso hotel cinco estrelas fica no centro histórico de Vilnius, pertinho de tudo e tem quartos que parecem casinha de boneca. Pertence ao grupo Relais & Chateaux. Diárias em torno de 200 euros. O hotel tem dois ótimos restaurantes. www.stikliaihotel.lt

Hotel Stikliai. 

DICAS ÚTEIS

O aeroporto é bem pequeno. A área do embarque fica num prédio e o desembarque em outro que parece uma casa.

Dos três Países Bálticos é o que tem pior wi-fi gratuito, mas tem.

Moeda: lita, 1 real vale 1,33 litas.

Idioma: lituano. Russo é bastante falado e inglês com pouca frequência. Difícil mesmo é se achar nos mapas que não tem muitas indicações em inglês.

Melhor visitar a Lituânia nos meses mais quentes, de maio à setembro. Os dias são mais longos e dá para aproveitar muito mais. O inverno é muito rigoroso.

Não é necessário visto para brasileiros que pretendem ficar até 90 dias no país.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Claudia, que post bacana!
    Fotos muito bonitas. Gostei especialmente da segunda foto, da Igreja de Santa Ana.
    Eu como sou uma catolica praticante ia certamente amar esse lugar com tantas igrejas lindas.
    Bjks

    ResponderExcluir
  2. Ana Paula,
    As igrejas são quase todas católicas, apenas uma minoria é ortodoxa ou outras religiões. Se você é católica você vai amar essa cidade. É realmente impressionante, um centro histórico pequeno com tantas igrejas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Fotos belíssimas, descrições e dicas à altura, melhor convite para conhecer a capital da Lituânia seria difícil.

    Como sempre, muitos parabéns por mais um artigo fantástico.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Turista,
    Muitíssimo obrigada. Consegui pegar dias cheios de sol, com um céu azul lindo. Isso ajuda muito nas fotos e no modo de ver a cidade. Mesmo estando frio, um azul dá outro colorido!!!
    Beijinho

    ResponderExcluir
  5. Fotos fantásticas! Meus parabéns!!!E, como sempre, seus relatos são preciosos! Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Excelente retrato da Lituânia, um país que muito gostamos de ter visitado e ao qual gostaríeis de voltar. Para além das suas belezas tem também uma gastronomia muito boa! Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Oi casal,
    Comi muito bem em Vilnius. Meu avo era lituano e me senti em casa. Comida de sabor conhecido para mim. Gosto de infância.
    Bj
    Claudia

    ResponderExcluir
  8. Adoro entrar aqui porque eu literalmente viajo junto com você, que delicia !!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Gabi,
    Então, vamos viajar muitooo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi Claudia! Que máquina fotográfica vc usa? Suas fotos são sempre fantásticas! Parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Oi Claudia! Que máquina fotográfica vc usa? Suas fotos são sempre fantásticas! Parabéns!

    ResponderExcluir
  12. Oi Patrícia,
    Uso uma Canon G12. Equipamento simples, pequeno e ótimo. Mas, o sol ajuda bastante. Adoro foto com cores fortes.
    Bj

    ResponderExcluir
  13. Claudia

    Que lindas,as igrejas!!A ideia que quem não conhece os paises balticos tem é que Tallin é a mais bonita,mas não há dúvida que cada uma das três tem o seu encanto!
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Margarida,
    Tallinn tem alma medieval. É interessante. Tem um forte apelo. Acho que é por isso. E, eles aproveitam muito bem essa imagem. As outras capitais são maiores e saem um pouco desse perfil, mesmo tendo os mesmos ares.
    Vale a pena conhecer as três: Tallinn medieval, Riga belle époque e Vilnius barroca.
    Recomendo.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bem resumido o estilo de cada capital. Todas lindas! Gostaria de visita-las novamente. Fui em junho e julho/2016.

      Excluir
  15. aldema ( www.correndomundo.blogspot.com )23 de maio de 2012 12:48

    Cláudia,
    senti um " certo remorso"...não dei o devido valor às igrejas de Vilnius.Encantei-me com as esculturas e os parques...Tenho, então, um motivo para retornar.
    Queria muito ver Trakai fotografado por ti....
    A postagem está belíssima - toda ela.Sou orguhosa de teu talento.
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Aldema,
    Orgulhosa fico eu de receber um elogio como esse de uma pessoa tão sensível, que conhece o mundo todo e ainda por cima é Linguista.
    Obrigada mesmo!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Querida Claudia,

    As fotos estão sensacionais e o post, como de costume, muito bem escrito e de fácil leitura.

    Passei 15 dias em Londres, Madrid e Barcelona e li todas as suas dicas. Era minha primeira viagem aos 3 lugares e ajudou muito.

    Londres é fantástica, fiquei encantada com a gentileza, a classe e educação das pessoas. Não fosse o frio (peguei um frio de lascar) eu moraria lá.

    A Espanha é muito interessante também, mas confesso que a crise está bem evidente e isso me desapontou um pouco.

    Eu sempre perguntava às pessoas se gostavam mais de Madrid ou Barcelona e agora vi que não tem como comparar uma com a outra. São totalmente diferentes, cada qual com sua beleza.

    Fiquei feliz em ver seu texto escolhido pela VnV.

    Beijos,
    Andressa

    ResponderExcluir
  18. Querida Claudia:

    Belo e completo retrato!
    Parabéns,
    Bj
    MT

    ResponderExcluir
  19. Andressa,

    Amo Londres e Barcelona. Madrid fica como a terceira cidade de minha preferência nessa lista. Será que estivemos por lá na mesma época? Estive em BCL há uns dias atrás e em Londres no mês passado. Como é bom andar por esse mundão!!!

    Vou começar a escreve novo post sobre Barcelona amanhã. Espero terminar até o final da semana.

    Um beijo!

    Claudia

    ResponderExcluir
  20. MT,
    Obrigada pela sua visita sempre tão bem-vinda.
    Bj

    ResponderExcluir
  21. Estou indo em junho para Tallinn, Riga e Vilnius. Imagina a ajuda que foi seus posts para mim. Obrigada.

    ResponderExcluir
  22. Beth.
    Que perfeito. Na mosca. Aproveita muito. Você vai adorar!!!!

    ResponderExcluir
  23. Claudia,

    Estivemos em Barcelona entre 9 e 14 de maio, será que foram os mesmos dias da sua estada?

    Ficamos hospedados no W. E você?

    Qual seu próximo destino?

    Semana que vem retornarei à Natal, mas a trabalho. Espero pegar um solzinho também, já que só chove aqui no sul.

    Beijos,

    Andressa

    Ps.: saiu uma reportagem sobre meu casamento no Tahiti na Viagem e Turismo de maio. Dá uma olhadinha!

    ResponderExcluir
  24. Andressa.

    Quase estivemos nos mesmos dias em Barcelona. Fiquei de 4 a 10, no El Palace. Ótimo hotel. Super bem localizado e com um serviço impecável.
    Vou procurar a revista para ler a matéria sobre o Tahiti. Já estou curiosa!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  25. Claudia
    Mais um lindo post teu.
    Senti falta de alguma informação sobre a sua procura por alguém da sua família Lituana, como vc contou alguns posts atrás.
    Encontrou alguém lá?
    obrigado
    abs
    MV

    ResponderExcluir
  26. É verdade.
    Meu avô era lituano. A família veio para o Brasil na Segunda Guerra Mundial. Depois disso, eles não tiveram mais contato com a família.
    Procurei na internet e achei muitas famílias com o meu sobrenome. Adorei conhecer o lugar de onde veio meu avô. Foi uma viagem muito especial, uma volta às raízes!
    Abs

    ResponderExcluir
  27. Marido ia ficar louco com tantas igrejas, especialmente a de Santa Ana...beijocas!

    ResponderExcluir
  28. Taia,
    Esse cantinho do mundo é maravilhoso!!!
    Vale a pena considerar uma viagem!!!
    Bj

    ResponderExcluir
  29. Oi, Cláudia. Tudo bem?
    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Beijos,
    Bóia

    ResponderExcluir
  30. Parabéns Cláudia, postagem primorosa, muita informação e lindas fotos.
    Meu sogro era lituano e planejamos ir ao país no ano que vem, com certeza usarei seu blog como referência.

    Abraços

    ResponderExcluir
  31. Inês,
    Que coincidência. Meu avô também era lituano.
    Gostei muito de conhecer o país. Mas, estando nos Bálticos, não deixe de ir também a Letônia e Estônia.
    Obrigada pela visita ao blog.

    ResponderExcluir
  32. Oi Cláudia! Adorei seu blog! Como vi pelo seu sobrenome e que você acabou confirmando no post anterior ,também sou neta de lituanos. Sempre tive vontade de conhecer este pais e gostaria de saber se falando somente inglês consigo me comunicar nos principais pontos turísticos .
    Abraços

    ResponderExcluir
  33. Olá Claudia, acabei de ver essas belíssimas fotos de Vilnius! Adoraria ver de perto tudo que você mostrou. Que maravilhoso trabalho você fez. Abraço ;)

    ResponderExcluir
  34. Claudia Liechavicius é realmente uma bela galeria de fotos da Lituânia, já estvemos, minha esposa e eu em vários destes lugares, em 2008 e 2011, faltou a igreja de São Casimiro. Senti saudades eo desejo de voltarm à Lituânia.

    ResponderExcluir
  35. A cidade de Vilnus e realmente linda. tudo limpinho e organizado. Sao exemplo de cidadania.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!