MANAUS, CORAÇÃO DA AMAZÔNIA


“O Brasil não conhece o Brasil, O Brasil nunca foi ao Brasil.” Impressionante perceber como os versos de Aldir Blanc continuam atuais. O estado do Amazonas é de uma força estupenda. Uma vastidão que mistura a exuberância da natureza, a sabedoria da vida na selva, uma culinária de sabores peculiares, uma cultura riquíssima e sabe quem são os turistas mais frequentes? Os estrangeiros. Pois é. Esse é um dos principais destinos turísticos do Brasil, mas é ainda pouco visitado pelos brasileiros. Quem ainda não conhece está perdendo uma viagem riquíssima.

Teatro Amazonas, o principal cartão-postal de Manaus

A capital do estado do Amazonas, Manaus, é uma das principais cidades do Norte do Brasil e uma das melhores portas de entrada para a imensidão da maior floresta tropical do mundo, a Floresta Amazônica. A cidade pode servir como base para os tantos passeios da região, pode ser o ponto de partida para uma experiência num hotel na floresta ou para um cruzeiro fluvial.

Barcos são o principal meio de transporte no Amazonas

COMO TUDO COMEÇOU

Manaus foi fundada em 1669 pelos portugueses tendo apenas o forte de São José do Rio Negro. Passou a se chamar Manaos em 1832, em homenagem aos índios manaós da região, cujo nome significa “Mãe dos Deuses”. Nessa época era apenas um vilarejo. Quando passou a ser considerada “cidade” ganhou o nome de Barra do Rio Negro. Mas, um nome desse tamanho não se manteve, logo voltou a ser chamada de Manaus. Sua fase áurea foi no início do século XX com o Ciclo da Borracha quando atraiu muitos investimentos estrangeiros, principalmente dos franceses, que deixaram fortes marcas na arquitetura.

 A riqueza arquitetônica do centro de Manaus é impressionante.

EXPLORANDO MANAUS

Comece a explorar Manaus pelo centro. O principal ponto de interesse é o belíssimo Teatro Amazonas, no largo de São Sebastião. Ele foi inaugurado em 1896, durante o Ciclo da Borracha. Os detalhes da sua cúpula merecem atenção. Para conhecer o interior do teatro programe uma visita guiada ou assista algum espetáculo. 

Teatro Amazonas.

A escadaria da frente do Teatro Amazonas desce exatamente no Largo de São Sebastião. Ali, o Monumento de Abertura dos Portos Amazônicos ganha o contorno de um calçamento feito em pedras brancas e pretas que faz referência ao Encontro das Águas dos rios Negro e Solimões, que não se misturam. O calçadão de Copacabana, no Rio de Janeiro, foi inspirado nesse desenho ondulado que reproduz os "banzeiros" dos rios. 

Largo de São Sebastião.

DICAS: Se bater a fome na saída do teatro experimente o Tacacá da Gisela, no quiosque que fica na frente do teatro. Para comprar artesanato recomendo a Galeria Amazônica em frente ao teatro. Para um sorvete com sabores da terra vá a Sorveteria Glacial na esquina da praça do teatro. 

Cestaria indígena, da Galeria Amazônica.

Ao lado do teatro observe a graciosa Igreja de São Sebastião que ao cair da noite ganha uma iluminação especial, e atrás do teatro fica o Palácio da Justiça. Essa região é a mais interessante da cidade com muitas construções históricas. 

 Igreja de São Sebastião.

Com uma mapa na mão, localize o belíssimo Mercado Municipal Adolpho Lisboa, e desça do teatro em direção ao rio Negro. Você vai passar pela Igreja Matriz Nossa S. Conceição, pelo Relógio Municipal e pelo antigo prédio da Alfândega antes de chegar ao mercado. Mas, tome muito cuidado. Assaltos tem sido uma constante na região. 

Mercado Municipal de Manaus e seus pavilhões de ferro.

Pirarucu salgado, o bacalhau da Amazônia, sendo vendido no Mercado Municipal.

ENCONTRO DAS ÁGUAS

Para ver o Encontro das Águas o modo mais fácil é ir até o Porto da Ceasa e pegar um barco. Em cinco minutos você estará vendo as águas dos rios Negro e Solimões correndo lado a lado sem se misturar. Esse fenômeno acontece pela diferença de viscosidade e temperatura das águas. Se tiver sorte, terá a presença dos botos acompanhando o barco. Eles são criaturas adoráveis. Se tiver interesse é possível agendar um passeio para nadar com os botos.

 Encontro das Águas.

MUSEUS

A cidade tem vários museus interessantes para quem tiver interesse em conhecer melhor a vida e os costumes dessa região tão interessante do Brasil. Indico o Museu do Seringal, o Museu Amazônico e o Centro Cultural Povos da Amazônia.

Acervo do Centro Cultural Povos da Amazônia

SOBREVOO ANAVILHANAS

Para encerrar com chave de ouro faça um sobrevoo de helicópotero ou hidroavião as Anavilhanas. Esse arquipélago espetacular é formado por mais de 400 ilhas fluviais e fica a apenas 100 quilômetros de Manaus, depois do município de Novo Airão, no Rio Negro. É um dos maiores arquipélagos de ilhas fluviais do mundo no meio da floresta virgem e forma um verdadeiro labirinto natural. Dependendo da época do ano, a variação do nível da água pode oscilar em até dez metros entre os períodos de vazante e enchente, sendo que o período de cheia vai de outubro a março e de seca vai de abril a setembro. No período mais seco, a descida das águas traz à tona inúmeras praias de areia branca e interessantes formações naturais  de raízes e troncos. É um passeio imperdível!


Arquipélago de Anavilhanas.

HOTÉIS NA FLORESTA

Há algumas opções interessantes para quem quer experimentar a vida na selva. O mais próximo da cidade é o Jungle Palace Lodge. Um hotel flutuante no qual se chega de barco. 


 Jungle Palace Lodge.

Já, o Ariaú Tower é o mais antigo da região. Já teve muita fama, mas ficou decadente e agora está sendo reformado. Tomara que volte a sua forma antiga, pois era muito legal. Numa região linda.

Ariaú Tower.

Anavilhanas Lodge é um dos mais elogiados no momento. Não cheguei a conhecer o interior, apenas sobrevoei o hotel. É o mais distante de Manaus. Fica numa região belíssima, no Arquipélago de Anavilhanas, como o próprio nome diz. 

Nos arredores do Anavilhanas Lodge há áreas repletas de vitória-régia.

Outro hotel na selva bem recomendado é o Mirante do Gavião

 MELHOR ÉPOCA PARA IR

Essa região é quente, úmida e abafada o ano todo, mas há basicamente duas estações distintas e bem definidas. Uma estação seca chamada de verão (abril a setembro) e uma chuvosa chamada de inverno (outubro a março). Depois de agosto, o nível das águas costuma estar bem baixo e as praias aparecem nas margens dos rios. Eles indicam como alta temporada os meses de junho e julho. 

COMO CHEGAR EM MANAUS E NA SELVA

O aeroporto de Manaus recebe voos regulares das principais capitais do Brasil. Do Rio para Manaus há voos diretos com 4 horas de duração. Do aeroporto para os hotéis da cidade há taxis com preços tabelados. Já, para os hotéis da selva é preciso combinar o transfer com antecedência. O acesso costuma ser de barco, helicóptero ou hidroavião.

ONDE FICAR EM MANAUS

A região mais interessante para circular pela cidade é o centro. Mas, há poucos hotéis interessantes por ali.

Acabou de inaugurar o Hotel Boutique Villa Amazônica, num prédio histórico a 70 metros do Teatro Amazonas, com 30 quartos. Ele é do mesmo grupo do Anavilhanas Jungle Lodge. Não cheguei a conhecer, mas amigos que ficaram hospedados nele falaram muito bem. Vale dar uma olhada.

Também no centro fica o Boutique Hotel Casa Teatro. Ele é simpático, novinho, tem poucos quartos, é bem localizado (quase em frente ao Teatro Amazonas) e muito simples. Os quartos são pequenos e um dos andares funciona como um hostel, com banheiro compartilhado e beliches nos quartos.

O hotel mais famoso de Manaus é o Tropical. Ele é enorme, tem até um mini zoológico. No entanto, fica em Ponta Negra, longe de tudo e está muito velho. De noite, para ir a um restaurante é contra-mão, o gasto com taxi para ir e vir é enorme, sem contar a perda de tempo.

Gostei muito do Caesar Business. A localização é excelente. Ao lado do melhor restaurante de comida regional da cidade, o Amazônico Peixaria e a alguns passos do Amazonas Shopping. Também fica perto da Cidade dos Carros. Para chegar de taxi, no centro, são apenas dez minutos.

BONS RESTAURANTES EM MANAUS

Meu favoritíssimo foi o Amazônico Peixaria Regional. Comece com um caldinho de peixe. A seguir prove o tambaqui na brasa e o pirarucu que é considerado o bacalhau da Amazônia. Av. Darcy Vargas, 226. Parque 10 de Novembro. Telefone (92) 3236.0546.

O Banzeiro é considerado um dos melhores restaurantes de comida regional de Manaus. O chef Felipe Schaedler ganhou muita projeção depois de participar do programa MasterChef Brasil. No entanto, não tive muita sorte. O serviço foi confuso, lento e a comida veio fria. Quem sabe você não tem mais sorte? Rua Libertador, 102. Adrianópolis. Telefone (92) 3234.1621.

Na Cidade dos Carros, uma boa opção é o Fish Maria. O lugar é simples, tem bons preços e vive cheio de manauaras.

O Choupana é outra boa opção para experimentar a culinária local. Av. Ypiranga, 790. Adrianópolis. Telefone (92) 3635.3878.

Já, o Alentejo é um restaurante de comida portuguesa para quem quer comer um bom bacalhau. Mas, sinceramente, com tantos peixes espetaculares de rio, se você tiver poucos dias na cidade, essa não deve ser sua primeira opção.

Na frente do Teatro Amazonas, prove o Tacacá no Quiosque da Gisela.

 No Mercado Municipal há várias barracas com peixes frescos feitos na hora. Vale experimentar.

O Mercado Municipal é uma festa para os olhos e para a alma.
Tem de castanha de caju a peixe frito.



AGRADECIMENTO

Retornei a Manaus depois de muitos anos, para participar do Amazônia Live, graças ao convite do empresário Roberto Medina, que teve a genialidade de montar um palco flutuante em pleno Rio Negro. O objetivo desse lindo projeto do Rock in Rio é a recuperação das áreas desmatadas da Floresta Amazônica com o plantio de mais de 5 milhões de árvores em parceria com diversas instituições. Aplaudo de pé a iniciativa e o lindo show dado por Plácido Domingo e Ivete Sangalo, acompanhados pela Orquestra Sinfônica de Manaus e Coral da Amazônia, por uma causa tão nobre.

Amazonia Live.

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Amei a matéria!As pessoas do país menosprezam a nossa cidade, todavia ela é realmente maravilhosa.
    Tenho orgulho do meu estado.

    ResponderExcluir
  2. Amei a matéria!As pessoas do país menosprezam a nossa cidade, todavia ela é realmente maravilhosa.
    Tenho orgulho do meu estado.

    ResponderExcluir
  3. que evento lindo!
    parabens Medina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Medina é um cara genial. Gente que faz a diferença.

      Sou muito fã.

      Excluir
  4. Gessica,

    Você realmente tem que se orgulhar muito do seu estado. Essa floresta é uma dádiva preciosa da mãe natureza. E Manaus é puro charme no meio dessa vastidão.

    Bj

    ResponderExcluir
  5. Que post lindo Claúdia , sempre sonhei em conhecer o Amazonas!
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Laise,

    O Amazonas é um dos cantinhos mais interessantes do Brasil. Daqueles que tem que conhecer.

    Bjs

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!