VOANDO NA CAPADÓCIA


Ainda escuro. Cinco horas da manhã foi quando o despertador chamou para a tão esperada aventura. Hora de fazer o passeio de balão pelo céu da Capadócia. A ansiedade era tão grande que em menos de meia hora estavam todos dentro do carro que levaria à sede da Kapadokya Balloons. De lá tomaríamos uma van para o local de onde sairiam os balões. Foi servido um café da manhã de boas-vindas, bem ao estilo turco. O percurso durou menos de 30 minutos e então, estava tudo pronto para o voo, coincidentemente na hora em que o sol nascia.

Algumas pessoas pareciam assustadas e inseguras. Outras sorriam ansiosas. Cada uma aguardando do seu modo, com o coração cheio de expectativas. Seguro ou perigoso, quando o balão começa a ser inflado, o medo todo desaparece e dá lugar a uma grande magia na terra de São Jorge.

Com os primeiros raios de sol os balões começam a ganhar vida para colorir o céu da Capadócia.

Chamas poderosas vão tirando os balões do chão. De repente, quase 100 balões coloridos tomam conta do horizonte. Sobem a mais de mil metros. A trilha sonora do voo é o silêncio profundo cortado apenas por algumas rajadas de vento. E, dentro das cestas, todos com o olhar estarrecido presenciando aquele momento tão especial quanto surreal.

Uma centena de balões ao sabor do vento.

A Capadócia é um dos melhores lugares do mundo para o balonismo por suas condições climáticas. Não tem clima desértico, mas tem pouca chuva. Mesmo no inverno e com neve, os balões riscam o céu. E, a região vista de cima é de tirar o fôlego. Um cenário quase lunar. Estranho. Especial. Ímpar. Serviu como fonte de inspiração para o filme Guerra nas Estrelas e mais recentemente para a novela Salve Jorge.

Rochas de cor avermelhada em alguns lugares, amarelada em outros. Mas, sempre de aspecto curioso e diferente de tudo que se está acostumado a ver em termos de natureza. Vales cheios de ondulações, fendas e cânions repletos de cones esculpidos pela ação do vento e da chuva.

A Capadócia tem um relevo muito peculiar.

O começo de tudo se deve a três vulcões, hoje extintos: Erciyes, Melendiz e Hasan. Eles derramaram muita lava há milhares de anos. Como resultado, se formou uma rocha porosa, a tufa. Lentamente, a erosão provocada pelo vento e pela chuva ajudou a esculpir um relevo absolutamente insólito. De jeitão apocalíptico.

Em alguns locais as rochas formam divertidas esculturas que lembram chaminés, cogumelos gigantes, formações fálicas e até mesmo animais. No Vale da Imaginação a rocha mais interessante lembra um camelo. E, em Pasabag, onde ficam as Chaminés de Fadas, a igreja de São Simão lembra um coelho. Espetacular!

No Vale da Imaginação a ordem é soltar a imaginação e se deixar levar pelos formatos das pedras.
O camelo recebeu até uma cerca de madeira.

Lugar único, Pasabag, Capadócia.
Esse coelho é uma igrejinha linda.

 As Chaminés de Fadas são impressionantes! Quem diria que a natureza foi capaz de esculpir essas formas incríveis sem a ajuda do homem. Tudo por conta da erosão. Os telhadinhos dos cones parecem ter sido colocados sobre as rochas

Essas formações rochosas não são difíceis de escavar. São pedras relativamente macias. Então, os primeiros habitantes passaram a incrustar suas casas, igrejas e monastérios nas pedras. E até hoje muitos desses locais ainda são utilizados.

Goreme encravada nas pedras vulcânicas vista do Vale dos Pombos.

Além de fazerem sua moradas nas pedras, para se refugiar dos inimigos, os habitantes fizeram centenas de cidades subterrâneas. Algumas com até 8 andares que abrigavam inclusive animais. Estima-se que tenha havido milhares de pessoas morando nessas cidades nos primeiros séculos depois de Cristo. Kaimakli está aberta à visitação e é Patrimônio Mundial da UNESCO. Sua profundidade é de 90 metros. Mas, aos visitantes é permitido ir até 25 metros. Ali chegaram a morar mais de 5 mil pessoas. Havia 1300 compartimentos muito bem organizados com quartos, local para fazer vinho, cozinha comunitária e abrigo para animais. Imagine o desespero de morar num lugar frio e escuro durante um longo período. Hoje é iluminado e ainda assim é assustador.

 Cidade subterrânea de Kaimakli.

Essa região central da Turquia foi por muito tempo área de passagem entre Ocidente e Oriente. Caravanas, mercadores e religiosos usavam as cidades de Goreme, Nevsehir e Kayseri para descansar de longas viagens. Sua localização privilegiada sempre despertou a cobiça de outros povos. Assim, já esteve nas mãos dos hititos,  persas, macedônios, romanos, bizantinos e otomanos. Haja história!

Os primeiros registros que se tem da Capadócia datam do século II a. C. No entanto, entre os séculos IV e XI os cristãos estiveram por lá e é deles a autoria das principais obras que podem ser visitadas como o Museu a Céu Aberto de Goreme. Nessa época, eles praticavam seus cultos religiosos escondido dos dominadores que proibiam que suas tradições fossem mantidas. O legado é impressionante. No interior das rochas há cerca de 30 igrejas e monastérios ocultos. A Igreja Escura - Igreja Karanlik - é uma das mais interessantes. Não recebe nenhuma luz do exterior e é repleta de afrescos bizantinos. Há várias outras abertas à visitação: a Çarikli com imagens dos quatro apóstolos do Novo Testamento (Mateus, Marcos, Lucas e João); a Santa Catarina onde São Jorge está representado; Yilanli com afrescos de São Jorge enfrentando uma serpente; a Santa Bárbara; Elmali e o Mosteiro de Kislar que chegou a abrigar 300 freiras.

 Museu a Céu Aberto de Goreme, Capadócia.

E, como diz nosso brasileiríssimo Jorge Benjor em seus versos "Jorge vem de lá da Capadócia montado em seu cavalo, na mão a sua lança..." Pois é. São Jorge é da Capadócia. Dizem que a Capadócia é o segundo berço do Cristianismo; que São Jorge é filho da terra (teria nascido no século III); que o principal divulgador da fé cristã no Império Romano - o apóstolo Paulo - teria morado e pregado na Capadócia por muitos anos; e, que Maria teria buscado refúgio nas cavernas subterrâneas da região depois da ressurreição de Cristo. Mito ou verdade, o fato é que a representação do santo está registrada na Capela de Santa Catarina, no Museu a Céu Aberto de Goreme e em vários outros locais.

Imagem de São Jorge na caverna do personagem Zyah na novela Salve Jorge

Outro fato interessante é que nas rochas pode-se observar a existência de vários pombais que hoje estão praticamente sem uso. Pequenos buracos eram escavados para servir como moradia aos pombos. Havia centenas e mais centenas deles. As fachadas tinham desenhos para atrair os animais que simbolizavam o espírito de Deus e a paz. Além disso, o adubo feito com os dejetos das pombas era vendido como excelente fertilizante. O Vale das Pombas e o Museu a Céu Aberto são dois lugares em que se pode ver os pombais.

Detalhe dos pombais na Capadócia. Acima no Museu a Céu Aberto e abaixo no Vale das Pombas.

À noite, vale a pena assistir a uma Dança dos Dervishes com suas coreografias rodopiantes no Sarihan. Os dervishes fazem parte uma corrente mística do Islã, os sufis. Rodopiar é a maneira que eles usam para entrar em transe.

Dança dos Dervishes.

Há várias pequenas cidades na região com características distintas. Vale a pena conhecer Avanos onde tem uma fábrica de cerâmica e um excelente restaurante de comida local, o Dayinin Yeri. Outra cidade pequenina e charmosa é Uçhisar onde fica o Museum hotel. Goreme é a mais importante por ter o Museu a Céu Aberto e as Chaminés de Fadas. Sobesos é um sítio arqueológico que pertenceu ao Império Bizantino, teve mais de 10 mil habitantes, foi descoberto ao acaso por um agricultor, tem mosaicos muito bem preservados com símbolos de suástica e uma enorme cruz de malta estilizada. Sinasos é uma pequenina e simpática cidade grega com pessoas muito simpáticas e um restaurante interessante chamado Mustafa Pasha atendido pela família. Tudo é muito pertinho. É fácil de circular, especialmente se tiver um motorista e guia local.

Avanos, Capadócia.

Uçhisar, Capadócia.

Goreme, Capadócia.

 Sobesos, antiga cidade bizantina na Capadócia.

 Sinasos, Capadócia.

Para finalizar, como estou sempre em busca do melhor lugar para curtir o por do sol sugiro o Vale Vermelho, o Vale das Pombas ou a piscina do Hotel Museum. O céu vai se tornando alaranjado e o dia termina num astral super romântico que combina com a alma tão cheia de vida da Capadócia. 

 Por do sol na Capadócia

PROGRAME-SE ANTECIPADAMENTE PARA
  • Fazer o imperdível passeio de balão. Mais romântico impossível!
  • Visitar Goreme, a cidade plantada no meio de formações rochosas.
  • Conhecer o Museu a Céu Aberto de Goreme, Patrimônio Mundial da UNESCO
  • Caminhar pelo Vale de São Simão entre as Chaminés de Fadas
  • Soltar a imaginação no Vale da Imaginação
  • Passear pela cidadela de Avanos e almoçar no restaurante Dayinin Yeri (simples, local, excelente)
  • Conhecer uma das tantas cidades subterrâneas. Visitei Kaymakli, Patrimônio da UNESCO desde 1985
  • Passear pela cidade de Sobesos que pertenceu ao Império Bizantino
  • Circular por Sinasos, uma cidade construída na época da dominação grega
  • Assistir a um show de Dança dos Dervishes
  • Ver o por do sol no Vale Vermelho ou no Vale das Pombas
  • E, para finalizar não deixe de pelo menos visitar uma fábrica de tapetes. A variedade é enorme. Tapetes lindos.

 Tapetes turcos.


RESTAURANTES

Dayinin Yeri, na cidade de Avanos. Cozinha local, simples e excelente. Esse foi meu restaurante favorito na Capadócia. www.dayinin.com.tr Tel: +90 384 511 6840

Mustafa Pasha, na cidade de cidade grega de Sinasos. Fica numa casa muito antiga e é atendido pela família.

Restaurante Mustafa Pasha.

COMO CHEGAR

Há dois aeroportos próximos à Capadócia: Kayseri e Nevsehir. Usei a Turkish Airlines para o trajeto Istambul - Nevsehir. A duração do voo é de aproximadamente uma hora. Também tem voos da Onur Air e Sun Express. O transfer do aeroporto ao hotel deve ser solicitado antecipadamente durante a reserva do hotel e leva 40 minutos.

ONDE FICAR

Museum Hotel foi a escolha perfeita para  uma viagem inesquecível. O hotel é um charme debruçado sobre uma encosta da cidadezinha de Uçhisar. Parte dele é feito na rocha. Sua decoração é repleta de objetos históricos. Os quartos são amplos, bem decorados, condizentes com o espírito da Capadócia e muito aconchegantes. O banheiro é enorme, com banheira e vista linda. A área externa é muito convidativa com visual incrível. De manhã os balões passam na frente do hotel e ao cair da tarde, o por do sol é maravilhoso. Outro ponto alto é o serviço. Guias e motoristas estão sempre à disposição para fazer o roteiro do modo que o hóspede escolher. E, mais um detalhe importante, o restaurante do hotel é um dos melhores da região.

Quarto do Museum Hotel.

Piscina com visual espetacular no Museum Hotel

QUANDO IR

O período mais agradável para visitar a Capadócia é de março a outubro (sendo que julho e agosto é bem quente e altíssima temporada). De novembro a fevereiro faz frio. A temperatura da região não costuma ser negativa. Porém, com a altitude do balão, pode-se atingir até 20 graus negativos. Os pés ficam muito gelados e não tem como aquecer nem sair do balão. A vantagem é que os preços caem nessa época e há muito menos turistas.

INDICAÇÃO DE GUIA

A Capadócia me foi muito bem apresentada pelo guia Emre Ardik. Super gentil, muito disponível e aberto às mudanças de planos. Para facilitar a vida, ele fala português, espanhol e inglês. O e-mail dele é emreguide@hotmail.com e o Instragram @emreguide

Goreme, Capadócia.

A Capadócia era um lugar que povoava constantemente meus pensamentos. Minha expectativa era enorme. Eu tinha até medo de chegar lá e me decepcionar por ter tanta vontade de conhecer. Mas, que nada. Passei três dias intensos. Fiz uma viagem inesquecível. Adorei cada cantinho. E, voltei muito feliz! Recomendo totalmente. A Turquia é espetacular. Vá sem medo.

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Cláudia,

    Revivi a viagem que fiz para a Turquia em 2013 na sua narração. A Capadócia realmente é tudo o que você falou. Mesmo que se tenha uma expectativa muito elevada e mística do local, quando se chega lá a expectativa é correspondida. O lugar é mágico. Reforço a sua dica em relação aos dervixes: a cerimônia no Saruhan em Avanos supera as que são feitas em Istambul. Mais tradicional, acredito que somente em Konya, onde esta tradição teve origem.

    ResponderExcluir
  2. Claudia, tô sumida daqui, mas acompanho suas peripécias no Instagram! Quantas novidades! É uma delícia rever lugares por onde passei vistos através de suas lentes! Suas fotos são fantásticas, sempre fico impressionada! E também adoro ler posts sobre lugares que não conheço e que entraram na minha lista de destinos de sonho por sua causa! Hoje vim parar aqui porque estou escrevendo um relato sobre Delhi e vim dar uma espiadinha no seu. Como sempre, é completíssimo! Adorei! Um super beijo da sua admiradora!

    ResponderExcluir
  3. Claudia, tô sumida daqui, mas acompanho suas peripécias no Instagram! Quantas novidades! É uma delícia rever lugares por onde passei vistos através de suas lentes! Suas fotos são fantásticas, sempre fico impressionada! E também adoro ler posts sobre lugares que não conheço e que entraram na minha lista de destinos de sonho por sua causa! Hoje vim parar aqui porque estou escrevendo um relato sobre Delhi e vim dar uma espiadinha no seu. Como sempre, é completíssimo! Adorei! Um super beijo da sua admiradora!

    ResponderExcluir
  4. Linda viagem, Claudia!
    Já voei de Balão, mas só aqui pelo Brasil mesmo, he he. A Capadócia é um sonho antigo. Mas sua fotos me deixaram ainda mais ansiosa agora! Conhecer de perto a cultura diversa de um lugar assim é algo que não tem comparação...Ah, e esses tapetes lindos coloridos??? Dá vontade de sentar num desses sair voando por aí, feito mágica!

    Beijos e bons ventos

    Bia

    ResponderExcluir
  5. Sandro,

    Obrigada pela dica de Konya. Quem sabe numa próxima... Estou sempre com a próxima na mira. Rs.

    ResponderExcluir
  6. Katia,

    Acompanhei pelo IG sua viagem à Índia. Vo o quanto você gostou. Eu sabia que era uma viagem que te deixaria doida. Tudo muito intenso, né? Eu quero muito voltar à Índia. Só fui a Delhi e Agra. Quero conhecer várias outras cidades.

    Quero ler seu post sobre Delhi. Acho que será parecido com o meu. Não é mesmo?

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Bia,

    A Capadócia ainda conserva um ar muito virgem. Isso foi o que mais gostei. Apesar do turismo forte na região, as tradições se mantém e a natureza não sofreu grande influência das mãos do homem. Vale muito a pena conhecer. Eu volto tantas outras vezes quanto a vida me levar. Ah! E, como volto. Feliz!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. to encantanda com as fotos claudinha! uma mais linda que a outra! arrasou como sempre! beijos Fabi do Loucos

    ResponderExcluir
  9. Super legal o blog! Vou seguir! Moro no México e também tenho um blog sobre nossa vida aqui...
    www.viviendoenelmexicomagico.blogspot.com
    Felicidades!

    :)

    ResponderExcluir
  10. Fabi,

    Esse país é demais!!!!! Fiquei muito feliz em conseguir finalmente conhecer a Capadócia.

    As fotos ficam realmente incríveis, pois o lugar é incrível!!!!

    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Melissa,

    Obrigada pela visita ao blog. Vou lá conhecer o seu blog também. Amo o México. Vou quantas vezes a vida me levar e com o maior prazer!

    Bj

    ResponderExcluir
  12. Vejamos se nossa viagem para a Capadócia sai no próximo ano, o roteiro está pronto há pelo menos três anos, mas sempre acontece algo, e acabamos mudando. O bom é que acabamos colocando mais um país, o Líbano, vamos ver como as coisas se desenrolam naquela região, até o próximo ano. Beijos ;-)

    ResponderExcluir
  13. Taia,

    A Turquia é incrível. Mas, o Líbano ainda não conheço. As coisas lá são sempre imprevisíveis. Dizem que o país é lindo.

    Espero que dê tudo certo para vocês irem aos dois países.

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Silvia Vasconcelos10 de agosto de 2014 19:29

    Claudia, sempre sigo suas dicas, apesar de nunca ter postado um comentario. Em que epoca do ano voce foi para a Turquia? Estou estudando ir no carnaval e estou com medo do inverno atrapalhar a viagem. Vi sua observacao sobre o passeio de balao, teve alguma outra dificuldade?

    ResponderExcluir
  15. Ola Claudia acompanho seu blog e lhe parabenizo pelo belo trabalho! Meu nome é Simone, sou brasileira e trabalho com turismo receptivo na Capadócia – Turquia, há quatro anos.
    Planejo o roteiro dos seus sonhos, com serviços de qualidade e principalmente a preços justos!
    Os guias com os quais trabalho são oficiais, licenciados em diversos idiomas como, português, espanhol, inglês e outros.
    Combino Turquia com Grécia - outro destino fascinante - e tudo com a garantia do registro em órgão oficial - Ministério do Turismo da Turquia – TURSAB.
    Mais do que planejar seu roteiro e escolher serviços, garanto sua comodidade,segurança, tranquilidade e conforto com assistência full time, desde o seu primeiro contato até o seu retorno ao Brasil.
    Este é um trabalho que realizo com muito carinho e com o melhor sentimento pelos viajantes do meu Brasil.
    Entre em contato comigo, sem compromisso, que podemos conversar por Skype – para que me conheçam ou se preferirem, por email:
    email: simone@kleostourism.com
    Skype: skaraatli

    ResponderExcluir
  16. Olá Claudia estamos planejando fazer Istambul e goreme somos 2 senhoras da terceira idade e estamos tendo dificuldades de encontrar pacotes soente com istambul e goreme e facil montar um pacote em istambul pra goreme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neide,

      Vou te dar o contato do meu guia. Está no post, mas vou colocar aqui novamente.

      "A Capadócia me foi muito bem apresentada pelo guia Emre Ardik. Super gentil, muito disponível e aberto às mudanças de planos. Para facilitar a vida, ele fala português, espanhol e inglês. O e-mail dele é emreguide@hotmail.com ""

      Espero que ele te ajude no que precisar.

      Boa viagem.

      Excluir
    2. Neide

      Se precisar que eu intermedie o contato é só me falar.

      Bj

      Claudia

      Excluir

Deixe seu comentário. Obrigada!