BONITO É LINDO!


Bonito, no Mato Grosso do Sul, era um lugar que vivia entrando em pauta, mas por um motivo ou outro nunca acontecia. Até que finalmente chegou a vez dessa aventura. E bota aventura nisso. Por lá ninguém fica parado. Afinal, muitas das belezas de Bonito ficam escondidas debaixo da terra ou da água. Então, para chegar às grutas, cavernas, abismos, cachoeiras e nascentes de água cristalina é preciso fazer rapel, mergulho, cavalgadas, longas caminhadas em terrenos irregulares e se deixar levar pela correnteza dos rios. Durante os passeios, a fauna pode até assustar um pouquinho com seus inocentes jacarés e sucuris. Mas, não se impressione com esse detalhe. O equilíbrio ecológico da região é perfeito. 

Flutuação no Rio da Prata.

UM POLO TURÍSTICO RECENTE

Bonito seria até hoje uma pequena e pacata cidade do interior do Mato Grosso do Sul não fosse o peão de uma fazenda ter encontrado um buraco no chão por onde se via ao longe, o reflexo de um lago. Numa propriedade particular, ele acabava de descobrir o Abismo Anhumas, uma das maiores atrações da região.

Aos poucos, o turismo começou a despontar, graças ao tal buraco somado com a diversidade da fauna, com a enorme quantidade de cavernas e com a beleza dos rios cristalinos. Em, 1992, Glória Maria gravou um Globo Repórter sobre a região. O programa espalhou o segredo pelos quatro cantos do mundo e transformou Bonito num polo de ecoturismo. A partir daí, as fazendas privadas começaram a se organizar para mostrar seus tesouros escondidos e lucrar com isso.

Não é em qualquer lugar que se vê bandos de araras vermelhas voando soltas na natureza.

COMO CHEGAR

Até bem pouco tempo chegar em Bonito não era tarefa fácil. Era preciso voar até Campo Grande e de lá fazer mais quatro horas de carro. Agora, a Azul tem voos regulares de Campinas para Bonito. Então fiz um voo Rio - Campinas de 50 minutos e conexão quase imediata Campinas - Bonito de 2 horas. O aeroporto de Bonito é pequeno e bem simpático. 

Quando o avião se aproxima tudo que se vê são campos e mais campos com árvores baixas e arbustos espalhados. Tudo verdinho recortado por estradas de terra vermelha, na Serra da Bodoquena. Do aeroporto até a cidade são apenas 15 minutos.

 Vista aérea na chegada a Bonito.

EM BONITO

A cidade encanta de cara. Pequenina, limpa, simpática, simples, bonitinha, segura e cheia de vida. Tem praticamente uma rua principal, a Coronel Pilad Rebuá, onde ficam as lojas, bares, restaurantes, cafés e agências de turismo, e várias transversais com chão de terra. A praça principal tem um chafariz com dois peixes enormes e ao fundo, uma pequena igreja. Ao entardecer muita gente senta por ali enquanto outros caminham pela rua principal em busca de um restaurante, café, bar ou sorveteria.

Os moradores da cidade são muito receptivos, gentis e respeitosos. Tratam todos com um sorriso no rosto. Os carros param para os pedestres atravessarem, as pessoas esperam enquanto um animal está atravessando uma estrada, ninguém deixa lixo na rua e não há mendigos nem pedintes nas ruas. 

Praça da Liberdade, Bonito

Flores nos canteiros da rua principal.

 Muitas lojinhas e agências de turismo.

PLANEJAR ANTECIPADAMENTE SEUS PASSEIOS É IMPORTANTE

O dia em Bonito começa cedo. Quase todos os passeios são distantes da cidade e precisam ser marcados com antecedência numa das tantas agências de turismo da cidade. Gostei muito da Ygarapé Tour que foi indicada pela operadora paulista Ambiental com quem aluguei carro com motorista e contratei um excelente guia durante todo o período em que fiquei na cidade.

Muita gente prefere alugar carro com GPS para se locomover e essa é uma excelente opção. Outros optam por vans que transportam grupos. Não viaje sem uma boa programação antecipada.

YGARAPÉ TOUR: Rua Coronel Pilad Rebuá, 1853, Centro, telefones (67) 3255.1733 / (67) 9213.7371, e-mail ygarape@ygarape.com.br, www.ygarapé.com.br

INDICAÇÃO DE GUIA DE TURISMO: Martins, telefones (67) 9626.4402 / (67) 3255.2454, e-mail martinspescador@hotmail.com

Martins, um guia experiente que conhece a região como poucos.

UMA BELA AVENTURA NO ABISMO ANHUMAS

Começar a desbravar Bonito pela atração mais famosa é ótima pedida. A 24 quilômetros de Bonito fica o inacreditável Abismo Anhumas, uma caverna calcárea absolutamente mágica. O acesso é bem difícil. A única forma de entrar e sair da caverna é de rapel. E, não é um rapelzinho qualquer, não. São 72 metros de descida. Bem, essa parte é mole, leva apenas 5 minutos.

Mas, depois tem a subida. Aí o negócio complica e pode levar de 30 minutos a uma hora ou mais. Tanto que é preciso fazer um treinamento no dia que antecede ao rapel da caverna para que a pessoa se familiarize com os equipamentos e aprenda os procedimentos de subida e descida. No entanto, essa experiência inicial não dá a dimensão exata do que será o rapel no abismo, uma vez que a área de treinamento tem altura de menos de 10 metros. Portanto, deve-se multiplicar esse trecho por oito e levar em conta a tensão da subida, o medo do desconhecido, o desconforto dos equipamentos que são ajustados no local, o frio e a escuridão da caverna.

Observe a diferença entre o treinamento e a descida real no Abismo Anhumas.

IMPORTANTE: Preste atenção às vestimentas adequadas para fazer o rapel. Use calça comprida de tecido grosso tipo moleton para que as cordas do equipamento não machuquem. Jeans não é legal e bermudas também não. As meias devem ser altas, opte por tênis ou botinhas de trekking e camiseta de malha de mangas longas de preferência, pois a medida que se desce tem a possibilidade de raspar braços e pernas na parede da caverna que é áspera. Além disso, lá embaixo faz frio e você tem apenas uma plataforma para ficar um longo tempo enquanto espera sua vez de retornar. A espera pode ser de mais de quatro horas. Leve um casaco e alimentos leves, como frutas, barras de cereais e sanduíches. Chocolate é bom para dar energia na hora de subir. Também leve água.

Fenda no trecho inicial do Abismo Anhumas.

Iniciados os preparativos para a descida, é hora de confiar nos monitores que gentilmente se encarregam de tudo. Eles mostram familiaridade com a rotina e transmitem segurança. Mesmo assim, seu coração vai bater aos pulos e a cabeça não vai parar de questionar: "Será que consigo?", "Porque me meti nisso?", "Vou desistir!" "Agora que já estou aqui vou encarar.", "Seja o que Deus quiser." Afinal, 90% das pessoas que descem no Abismo Anhumas estão fazendo rapel pela primeira vez.

Equipamento ajustado e começa a descida por uma fenda mínima, de um metro quadrado ou até menos do que isso. Nem dá para ver o fundo da caverna direito. Ao olhar para baixo o medo bate. Mas, o equipamento usado respeita os padrões internacionais de segurança. E a cada metro que se desce o queixo vai caindo com a beleza da caverna.

A magia do interior da caverna compensa todo esforço do rapel.

Setenta e dois metros depois, chega-se a um deck flutuante construído sobre um lago azul, transparente, cristalino que tem 80 metros de profundidade. Quem poderia supor que no fundo daquele pequeno buraco houvesse um mundo paralelo, praticamente escondido. Um cenário fantástico!

 Deck de madeira que serve como ponto de chegada e onde são preparadas as subidas no Abismo Anhumas.

A transparência do lago é tão grande que dá para visualizar enormes formações de calcáreo que chegam a atingir 20 metros de altura. É impressionante. De tirar o fôlego. Um vale de cones submersos. Dá vontade de pular na água. Mas, a água é muito fria, a temperatura gira ao redor dos 17 graus centígrados. Roupas grossas de borracha são necessárias para mergulhar. Os guias providenciam tudo e conduzem o grupo pelas águas geladas e escuras, com uma poderosa lanterna. É uma viagem a outro planeta.

Mergulho autônomo no lago do Abismo Anhumas. 

Há duas possibilidades para se explorar o lago: fazer mergulho de superfície com snorkel e  colete para flutuação (já incluído no preço da descida) ou mergulho com tubo de até 18 metros (deve ser pago separadamente). Para fazer o mergulho de profundidade é preciso apresentar a "carteirinha de mergulho" de escolas reconhecidas oficialmente.

O valor  do rapel no Abismo Anhumas é de 633 reais incluindo a descida, snorkel pelo lago com equipamento e roupas incluídas e passeio de bote para ver os desenhos formados pelas estalactites e estalagmites.

Para fazer o mergulho paga-se mais 891 reais. Esse é o passeio mais caro de Bonito porque requer uma tremenda infraestrutura. Imagine levar tubos de mergulho via rapel. Bem complexa a operação. Por isso, são agendadas apenas 16 pessoas por dia no Abismo Anhumas. Fique esperto se quiser garantir sua descida.

Passeio de bote no lago do Abismo Anhumas

 A caverna é formada por cortinas, cones, estalactites e estalagmites. 

RESUMINDO: A descida leva 5 minutos. Para fazer a flutuação no lago são mais 30 minutos. Para o passeio de bote, mais 30 minutos. Quem for mergulhar precisa de mais uma hora. Depois disso, as pessoas sobem de duas em duas. O tempo de subida pode ser rapidinho para quem tem bom condicionamento físico e pega o macete do rapel  (30 minutos) ou pode levar uma hora para algumas pessoas. Faça a conta. São 16 pessoas por dia, subindo de dois em dois. Se tudo der certo são 4 horas para a subida de todos. Se alguém se enrolar, você pode ter que esperar muito tempo. Tente ser o primeiro a descer e o primeiro a subir. Algumas pessoas travam por medo e precisam ser puxadas. Outras sofrem com as cordas apertadas do equipamento. Esteja preparado para as adversidades. Se tiver medo de altura ou se estiver acima do peso evite o Abismo Anhumas. A subida é para os fortes. Quem avisa amigo é! 

Para conhecer o Abismo Anhumas programe um dia inteiro. Mas, se sobrar um tempinho, praticamente ao lado do Abismo Anhumas fica a Gruta do Lago Azul. Aproveite para conhecer. A visita à Gruta Azul é rápida, leva pouco mais de uma hora.

Se ainda sobrar um tempinho antes de escurecer faça uma caminhada e curta o por do sol. Ou aproveite para conhecer o Aquário no centro de Bonito. 

Caminhada pelos arredores de Bonito para relaxar do rapel.

Em Bonito, depois do por do sol a ordem é jantar cedo e se preparar para a próxima aventura.

A IMPRESSIONANTE GRUTA DO LAGO AZUL 

A Gruta do Lago Azul é um dos passeios mais concorridos de Bonito. Basta olhar as fotos para entender o motivo. 

Gruta do Lago Azul.

Depois de uma caminhada de 300 metros por uma trilha, que leva cerca de meia hora porque o guia vai parando para explicar sobre as características geológicas da região, chega-se a entrada da gruta.

Entrada da Gruta do Lago Azul. 

Lentamente, pelo chão escorregadio, é preciso descer uns 60 metros por uma escadaria bem rudimentar de 294 degraus e então o queixo cai. Lá no fundo tem um lago azul de cor surreal. Parece tingido. O tom da água é mágico. A cor é decorrente da incidência do sol e fica ainda mais turquesa de dezembro a fevereiro pela manhã. A gruta foi tombada como patrimônio histórico, em 1978, pelo IPHAN, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Estima-se que a profundidade do lago seja de 90 metros e que haja um rio subterrâneo alimentando-o. No fundo do lago, os guias apontam para o fóssil de uma preguiça gigante e de um tigre-de-sabre que dizem ter mais de 11 mil anos. Os desenhos formados pelas estalactites e estalagmites no interior da gruta chamam atenção.

Estalactites no interior da Gruta do Lago Azul.

Para andar pela Gruta do Lago Azul o uso de capacete é obrigatório

CAMINHADA E CACHOEIRAS NA ESTÂNCIA MIMOSA

A Estância Mimosa fica a 24 quilômetros de Bonito. É uma propriedade privada, muito bem cuidada, de 270 hectares, de uma família tradicional do Mato Grosso do Sul. Ao chegar, é importante alugar uma botinha de neoprene por 4 reais para entrar nas cachoeiras e piscinas naturais. Elas evitam escorregões nas pedras cheias de limo. A fazenda fornece coletes salva-vidas gratuitamente. Feito isso, começa a caminhada num percurso de aproximadamente 4 quilômetros pela mata ciliar do rio Mimoso.

Pelo caminho muitas piscinas naturais e oito cachoeiras convidam para um mergulho. Portanto, leve roupas de banho para não se arrepender. Debaixo da última cachoeira, a Cachoeira do Sinhozinho, em alguns períodos do ano há milhares de andorinhas migratórias. Não se assuste, não são morcegos.

Além das cachoeiras também é possível fazer cavalgada na fazenda.

 Cachoeiras da Estância Mimosa, Bonito.

O passeio para a Estância Mimosa costuma ser de dia inteiro. Mas, para os mais animados, dá para fazer a caminhada, mergulhar nas cachoeiras, almoçar por ali mesmo e programar outro passeio para a tarde. Sugiro conjugar com a Nascente Azul que fica bem perto.

O restaurante da Estância Mimosa tem pratos típicos da região feitos em fogão a lenha.  

UM MERGULHO NA NASCENTE AZUL 

Esse passeio é espetacular. Inicia com uma caminhada por uma trilha tranquila de dois quilômetros. No caminho tem uma área linda com tufas, que são formações como pequenas piscinas em degraus que surgem pelo alto teor de calcário da região.

 Trilha de acesso a Nascente Azul.

Tufas da Nascente Azul.

Nesse ponto são fornecidas roupas para mergulho, sapatos para usar na água, coletes para flutuação e snorkel. O uso dos coletes é obrigatório. Quanto ao snorkel, o ideal é levar o seu. Certamente ficará mais ajustado ao rosto e evitará a entrada de água.

A água é totalmente cristalina na Nascente Azul.

 Observe o tom azul escuro da nascente

A flutuação não é muito longa. O percurso é de apenas 300 ou 400 metros. A visibilidade da água é surpreendente e a quantidade de peixes é enorme. Parece um aquário. O que mais encanta é exatamente o "olho d'água" que nomeia o local. A nascente tem cor azul escura, é bem profunda e muitos peixes enormes se escondem ali.  Maravilhoso.

 Nascente Azul.

Para quem estiver com crianças e quiser passar o dia, o local conta com a Praia da Capela onde se pode nadar, fazer tirolesa, jogar futebol, descansar em redes e brincar no parquinho. O valor do ingresso para a Nascente Azul é 136 reais para adultos na baixa temporada.

PROJETO JIBOIA

Geralmente, depois de um dia de muitas aventuras costuma sobrar um tempinho à noite. Dá para aproveitar e conhecer o Projeto Jiboia. Uma palestra interessante, das 19 às 21 horas, é comandada pelo bem humorado Henrique Naufal que conta sua trajetória de vida, tenta mostrar que as cobras não são assustadoras como parecem, fala sobre os hábitos desses animais e sua experiência com as jiboias que mantém no local.

No final, todas as pessoas são convidadas a colocar a jiboia no pescoço para uma foto. Algumas entram em pânico só de pensar. É engraçado. Outras mais relaxadas fazem caras e bocas. O ingresso custa R$ 35,00 reais por pessoa e ajuda a manter o criatório.

Foto no final da palestra do Projeto Jiboia.

O IMPERDÍVEL BURACO DAS ARARAS 

Esse é um passeio mais distante. São 56 quilômetros de estrada que valem a pena ser trilhados. 

O Buraco das Araras é uma depressão de 100 metros com paredes avermelhadas. É cercado por uma faixa de vegetação do cerrado que serve de abrigo para centenas de araras vermelhas. No fundo do buraco tem um lago de água esverdeada habitado por jacarés-do-papo-amarelo.

Essa formação resultou do desmoronamento de rochas. O buraco tem aproximadamente 500 metros de circunferência que podem ser percorridos a pé por uma trilha. No percurso há dois pontos para observação das araras.

Buraco das Araras.

Visitei o Buraco das Araras em dois horários diferentes. Ao amanhecer e no final do dia. Ao entardecer é bem mais interessante porque elas fazem revoadas aos pares para entrar no abrigo. São muitas araras voando e gritando. Uma cena inesquecível. Os casais vivem juntos a vida toda. Na primavera constroem seus ninhos nas fissuras dos paredões avermelhados ou nos troncos ocos das árvores. Costumam colocar de 1 a 4 ovos. Geralmente, um ou dois filhotes chegam a fase adulta. O tempo de incubação dos ovos é de 30 dias. No verão, os filhotes já começam a voar e acompanham seus pais. 

Ver o voo de uma arara livre na natureza é emocionante. 

As fendas e fissuras dos paredões servem para abrigar os ninhos das araras.

O termo "pau de arara" se adapta perfeitamente ao Buraco das Araras. 
São centenas de araras fazendo algazarra empoleiradas nos galhos das árvores. 

Revoada de araras vermelhas no Buraco das Araras.

Muito perto do Buraco das Araras fica o Recanto Ecológico Rio da Prata. Então, aproveite para fazer os dois passeios no mesmo dia.

FLUTUAÇÃO NO RIO DA PRATA 

Esse passeio talvez seja o mais concorrido de Bonito. Na verdade fica em Jardim, a 50 quilômetros de Bonito. É uma combinação de trilha e flutuação. É para quem tem bom condicionamento físico. A caminhada inicial pela mata é de 2 quilômetros seguida de flutuação pelos rios Olho D'Água e Rio da Prata de mais 2 quilômetros. O retorno é feito em uma camionete. Dizem que o Rio da Prata tem a maior concentração de peixes da região. Vou ainda mais longe. Também tem a maior concentração de sucuris e jacarés. Mas, não se assuste, eles não atacam. Preferem comer peixes do que pessoas com roupas emborrachadas. 

O passeio leva ao redor de duas horas. Roupas de neoprene, máscara e snorkel são fornecidos no local. Se quiser fotografar leve uma câmera aquática ou alugue uma. Ao final do passeio, com aquela fome, dá para almoçar lá mesmo. O restaurante é rústico e serve comidas tradicionais da região feitas em fogão à lenha. 

Flutuação no Rio da Prata. 

GRUTA DE SÃO MIGUEL

A Gruta de São Miguel fica numa propriedade particular muito bonita. Ao chegar, geralmente há um tempo de espera. Dá para caminhar pela propriedade onde há muitas araras vermelhas soltas em busca das sementes de girassol que os proprietários espalham pelo chão. Lindas. 

 Propriedade privada onde fica a Gruta São Miguel.

Araras selvagens comendo sementes de girassol na Gruta São Miguel. 

Observe que elas sempre andam em pares. 

A seguir, grupos de 9 pessoas vão sendo chamadas para começar os preparativos. Cada um recebe um capacete, o uso é obrigatório. O guia dá uma pequena explanação sobre a condição geológica da gruta.  Dizem ser uma das cavidades secas mais antigas do planeta. E, finalmente inicia a caminhada por uma ponte pênsil de 200 metros seguida por mais 150 metros por uma trilha na mata.

Ponte suspensa que dá acesso à Gruta São Miguel.  

As raízes das árvores cobrem a parte externa da gruta lembrando os templos do Cambodia.

Dentro da caverna é escuro. Conforme o guia vai iluminando o caminho, as imagens que surgem nas paredes da gruta dão asas à imaginação. São estalactites e estalagmites bem interessantes formadas pela deposição de minerais. Algumas lembram corais do fundo do mar, outras parecem cortinas, colunas gregas e até mesmo órgãos de igreja.

 Cada grupo anda acompanhado por um guia na Gruta São Miguel.

A coruja, moradora da gruta, nem se incomoda com a visita dos turistas. 

A FLUTUAÇÃO NO AQUÁRIO NATURAL BAÍA BONITA

Outra flutuação interessante é no Aquário Natural Baía Bonita. Esse passeio é um dos mais novos e dura ao redor de duas horas. Inicia com uma caminhada de uns 15 minutos por uma trilha na mata. No trajeto macacos e cutias vem dar as boas vindas. A flutuação tem quase um quilômetro. No trecho inicial há muitos peixes e siris gigantescos. Mas, a partir de um certo momento, plantas aquáticas tomam conta do rio e a quantidade de peixes diminui bastante. O retorno é novamente pela mata repleta de animais. Nesse passeio a máquina fotográfica tem que ficar guardada no armário e eles não alugam câmeras aquáticas.

A trilha do Aquário Natural é cheia de macaquinhos.

RAPEL E CACHOEIRAS NA BOCA DA ONÇA

Essa é outra aventura bacana para quem gosta de rapel. Mas, aqui o rapel é só de descida. São 90 metros de rapel com o visual do cânion Rio Salobra. Na volta, uma bela escadaria de quase mil degraus. Precisa de bom condicionamento para dar conta. Bem, mas lá embaixo a recompensa é garantida. Uma trilha de 4 quilômetros que passa por várias cachoeiras. A Boca da Onça é a maior cachoeira do Mato Grosso do Sul com 157 metros. Para chegar na Boca da Onça é preciso percorrer uma estrada de 65 quilômetros. 

OS PASSEIOS MAIS CONCORRIDOS
  • Rio da Prata
  • Gruta do Lago Azul
  • Abismo Anhumas
  • Boca da Onça
  • Rio do Peixe
  • Aquário Natural
Se quiser garantir vaga nesse lugares faça um agendamento com boa antecedência.

No entanto, opções não faltam. Dê uma olhada no resumão abaixo com todos os passeios e preços.


PREÇOS DOS PASSEIOS EM BAIXA TEMPORADA PARA ADULTOS (2015)

RAPEL
  • Abismo Anhumas - R$ 760,00 (rapel de descida e subida + snorkel + passeio de bote)
  • Boca da Onça - R$ 399,00 (rapel só para descida)

GRUTA
  • Gruta do Lago Azul - R$ 45,00 
  • Gruta São Miguel - R$ 45,00
  • Gruta São Mateus - R$ 45,00
  • Buraco das Araras - R$ 58,00

FLUTUAÇÃO
  • Nascente Azul - R$ 172,00
  • Nascente Rio Sucuri - R$ 156,00
  • Lagoa Misteriosa - R$130,00
  • Aquário Natural Baia Bonita - R$ 170,00
  • Barra do Sucuri - R$ 125,00
  • Recanto Ecológico Rio da Prata - R$ 184,00
  • Parque Ecológico do Rio Formoso - R$ 85,00
  • Bonito Aventura - R$ 125,00

CACHOEIRA
  • Estância Mimosa - R$ 85,00  (cavalgada R$ 60,00, almoço R$42,00)
  • Boca da Onça com almoço - R$ 167,00
  • Rio do Peixe com almoço - R$ 150,00
  • Ceita Corê com almoço - R$ 145,00
  • Parque das Cachoeiras - R$ 89,00 (almoço 35,00)

AVENTURA
  • Bote Rio Formoso - R$ 99,00
  • Quadriciclo Rotta Zagaia - R$ 125,00 individual R$ 170,00 duplo
  • Quadriciclo Trilha Boiadeira - R$ 125,00 individual R$ 170,00 duplo
  • Lobo Guará Bike Adventura - R$ 98,00
  • Ybirá Pe Arvorismo - R$ 99,00
  • Cabanas Arvorismo - R$ 85,00

NO CENTRO DA CIDADE DE BONITO
  • Projeto Jiboia - R$ 35,00 - (Talk show de um criador de jiboias)
  • Taboa Fábrica de Encantos - R$ 35,00 (Fábrica de Cachaças)
  • Aquário de Bonito - R$ 25,00 

PANTANAL 
  • Fazenda San Francisco - R$ 178,00 - 162 km
  • Passo do Lontra - R$ 175,00 - 230 km

BALNEÁRIOS
  • Balneário do Sol - R$ 40,00
  • Balneário Ilha Bonita - R$ 50,00
  • Praia da Figueira - R$ 38,00
  • Balneário Municipal - R$ 25,00
  • Eco Park Porto da Ilha - R$ 35,00 

AGÊNCIAS DE TURISMO

As pessoas que me acompanham sabem que quase nunca uso agências de turismo. Resolvo tudo com muita independência e não gosto da interferência de terceiros. Mas, em Bonito, como quase todas as atrações são em propriedades privadas, eles se organizaram de um modo em que é preciso fazer uma programação prévia com uma agência local. E tudo funciona com muita organização. Os preços são iguais em todas as agências e elas se comunicam entre si para disponibilizar vagas para os passeios.

Usei a Ambiental  Turismo de São Paulo e a  Ygarapé Tour, como já disse anteriormente.

Outras indicações locais são:
BoniturCrisvalturBonito Way.

As agências ficam na rua principal praticamente uma ao lado da outra.

Solicite a agência para fazer dois ou três passeios ao dia. Caso contrário, eles sugerem apenas um e a viagem não rende. Escolha passeios em locais próximos para agilizar o dia.

Bonitour, uma das tantas agências de turismo no centro de Bonito.

INDICAÇÃO DE RESTAURANTES

Casa do João. É o mais interessante da cidade. Rústico e delicioso. Sua especialidade são os peixes de água doce. A grande estrela é a Traira sem espinha. Tem que experimentar. Fica atrás da Praça da Liberdade, na rua Nelson Felicio esquina com 24 de Fevereiro. Abre para almoço e jantar. Telefone: (67) 3255.1212

Traira sem espinha, o prato tradicional da Casa do João. 

Castellabate. É especializado em carnes exóticas. O principal atrativo do restaurante é a carne de jacaré produzida com autorização do IBAMA. Fica na rua Pilad Rebuá 2168. Telefone: (67) 3255.1713

Taboa Bar. Esse é o lugar mais animado de Bonito. Tem música ao vivo e fica lotado. Ao lado fica a boutique Taboa que vende as garrafas de cachaça mais bonitinhas da cidade. Fica na rua Pilad Rebuá 1837. Telefone: (67) 3255.3598

Sal e Pepe. Esse restaurante é bem interessante tem sashimi e sushi com os peixes locais de água doce. Também serve dourado e puraputanga assados.

Café Mas Quá. Muito simpático. Fica dentro de uma boutique, também na rua principal.

PS: FUJA do Restaurante Aquário. Horrível em todos os sentidos. Comida péssima e atendimento idem. Como fica aberto a tarde toda, os hotéis indicam.


MELHOR ÉPOCA PARA IR 

Bonito tem uma época chuvosa e uma época seca.

A estação chuvosa vai de dezembro a março e coincide com o verão. As temperaturas podem chegar a 35 graus centígrados. Nessa época as cachoeiras estão mais cheias, as matas mais verdes, mas há menos peixes nos rios e a água é mais turva. Os passeios podem ser desmarcados por causa da chuva. Portanto, não é a época ideal apesar de ser considerada alta temporada em função das férias escolares e carnaval.

A estação seca vai de maio a agosto e coincide com o inverno. À noite, a temperatura pode chegar em 15 graus. Friozinho para um lugar que tem como um dos principais atrativos, flutuações nos rios da região. Julho também é considerado mês de alta temporada.

Portanto, o ideal é ir em abril, maio, outubro ou novembro.


IMPORTANTE

Os passeios tem limite diário de visitantes e os horários são reservados apenas pelas agências de turismo da cidade.

Em caso de chuvas fortes os passeios podem ser cancelados.

Nas flutuações não é permitido o uso de filtro solar para não poluir os rios.

No Rio da Prata é possível alugar câmera fotográfica aquática.

Leve roupas de banho para as flutuações e para nadar nas cachoeiras.

Leve tênis ou botinha de trekking e roupas confortáveis para as caminhadas.

Não beba a água dos rios. Ela tem magnésio e pode provocar diarreia.


HOTÉIS EM BONITO

Fiquei hospedada no hotel Águas de Bonito que havia sido muito bem recomendado por alguns amigos. No entanto, não achei a melhor opção. Os quartos são até simpáticos. Mas, nada de excepcional. O serviço é fraco. Toalhas e travesseiros com cheiro ruim. Isolamento acústico fraco, o som dos quartos ao lado passa integralmente, você quase começa a bater papo com o vizinho enquanto escova os dentes tal a interferência. O chuveiro é quase um conta-gotas. Não tem wifi nos quartos e nas dependências do hotel o sinal cai constantemente. O wifi funciona bem apenas na recepção. O café da manhã é muito fraco. Fica a mais ou menos 10 quarteirões do centro de Bonito e não tem um transporte para levar os hóspedes do hotel para o centro. Para sair é preciso ir de taxi ou caminhar esse trecho a pé. Quando o sol está forte ou quando está chovendo (peguei as duas situações) fica um pouco complicado. Enfim, não ficaria nele novamente e não recomendo.

Quarto do hotel Águas de Bonito. 

Outro hotel bastante indicado é o Zagaia. Visitei para conhecer. Na verdade, a propriedade onde fica o hotel é linda. Enorme, com um gramado gigantesco. Parece um hotel-fazenda. No entanto, os quartos são super velhos e feiosos. Também não escolheria para ficar. 

Hotel Zagaia.

Os hotéis que mais me agradaram foram o Wetiga e o Hotel da Praça. O Wetiga é um dos mais novos da cidade. Mas, também é um pouco afastado do centro e tem quartos com decoração bem simples. Já, o hotel da Praça fica na rua principal, pertinho de tudo. Também é bem simples. Gostei pela localização. Para quem não está com carro alugado, o ideal é ficar perto do centro para poder dar uma caminhada de noite. 




Bonito é um daqueles lugares que fazem você entrar em outra dimensão. Entrar literalmente, pois não é uma viagem só de contemplação e sim de interação. Ao descer de rapel no Abismo Anhumas é como fazer uma viagem ao centro da terra. Flutuar em rios de águas absolutamente cristalinas, graças ao calcário, é como mergulhar num gigantesco aquário. Atravessar as quedas d'água de uma cachoeira e dar de cara com uma gruta repleta de andorinhas é estarrecedor. Ver araras voando livres em bandos é emocionante. Um lugar cheio de cantinhos misteriosos onde a natureza caprichou de verdade. Não deixe de visitar. Um dos lugares mais bonitos do Brasil. Aliás, Bonito não é só bonito, é lindo!

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Visto de Portugal, essas Terras são maravilhosas. O Brasil é um espetáculo! Parabéns pelo seu belíssimo blogue.
    Os meus cumprimento,
    Manuel Tomaz

    ResponderExcluir
  2. Lindo post e fotos maravilhosas ...como sempre !!Bjs MT

    ResponderExcluir
  3. Marinna Zatta Rodrigues4 de maio de 2015 10:14

    Ameiiii ler sobre Bonito e relembrar todas as aventuras desse passeio maravilhoso!!! As dicas estão super valiosas e as fotos estão lindass!!! Bateu uma saudade enorme de lá! Beijãooo

    ResponderExcluir
  4. Que delicia de viagem, Claudia!
    Há muito tempo não via um post completo assim sobre Bonito. Bem bacana! Um dia quero conhecer...
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Que lugar maravilhoso! Não conhecia esta pequena mas espectacular terra. Obrigado por partilhar.

    Cumprimentos.
    Luís

    www.behindtheobjective.com

    ResponderExcluir
  6. Claudinha, a mesma coisa acontece comigo até hoje: sempre quis ir até Bonito, mas por um motivo ou outro o lugar vai sempre ficando pra depois. Menina aquela subida com os detalhes que vc deu "é para os fortes" me acabou, sou super fraca de braço, vou pensar bem antes de estragar o passeio da galera. Amei tudo, as fotos, o colorido, fiquei feliz em saber que há cantinhos no Brasil com gente educada, e deu vontade de ir logo! Espero muito em breve!! Um beijo querida!!

    ResponderExcluir
  7. Bonito é simplesmente lindo!! Que saudades de lá.

    ResponderExcluir
  8. Amei seu post! Muito bem detalhado. Estava procurando algo assim.

    ResponderExcluir
  9. Olá, gostei muito das dicas!
    Entre o passeio para a Boca da Onça e Estância Mimosa, qual recomendaria?
    Você acha o Abismo Anhumas realmente imperdível?
    Desde já agradeço,
    Karen.

    ResponderExcluir
  10. Karen,

    Recomendo que faça os dois: Boca da Onça e Estância Mimosa.

    Abismo Anhumas é para quem tem bom preparo físico e encara desafios radicais sem frescura. Caso contrário, nem pensar.

    Boa viagem.

    Bj

    ResponderExcluir
  11. Ola sou de jardim e esse passeio do buraco das araras e recanto ecológico rio da prata figa em jardim não jardins

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Mário.
      Já está ajustado.
      Valeu! :)

      Excluir

Deixe seu comentário. Obrigada!