BERLIM ANO VINTE

Por Claudia Liechavicius

Semeada às margens do Rio Spree, no século XIII, Berlim logo se tornou o mais importante centro comercial da região de Brandenburgo. Quando jovem, nem imaginava a trajetória caudalosa que sua história iria ostentar. Foi a capital do Reino da Prússia, do Império Alemão, da democrática República de Weimer e da hedionda Alemanha Nazista, de Hitler. Sofreu um grande golpe com a Segunda Guerra Mundial. Ficou totalmente em ruínas ao ser invadida pelo Exército Vermelho Soviético. Mas essa, não foi a primeira vez, também já havia sido devastada na Guerra dos Trinta Anos, no século XVII, devido a Reforma Protestante. Como se isso não bastasse, em 1961, recebeu um muro de concreto que a separou em duas partes. O mundo todo ficou dividido em dois blocos junto com a Alemanha – um comunista e outro capitalista - até o dia em que um porta-voz do governo declarou pela televisão que estavam permitidas as saídas do país. A população, então, se dirigiu em massa para ver de perto as fronteiras serem finalmente abertas para a liberdade.


O Portão de Brandenburgo - cartão-postal de Berlim - é o cenário para a "Queda do Muro de Berlim", que simbolizou o fim da Guerra Fria, a derrocada do comunismo e a instauração de uma nova ordem mundial, que ao invés de coroar um poder único, inaugura um mundo colaborativo onde os problemas devem ser resolvidos com a participação de todos.


UMA NOVA BERLIM

Vinte anos já se vão desde a queda do muro de Berlim e a Fênix renasceu mais uma vez das cinzas, num redesenho arquitetônico arrojado, projetado para cobrir em ferro, vidro e aço, os espaços vazios da memória. Agora, Berlim é uma das capitais mais fascinantes da Europa. Dinâmica, mas ao mesmo tempo tranquila; urbana, mas cheia de verde. Combina na medida exata tradição com modernidade.

A primeira parada para mergulhar no esplendor que emana da cidade deve ser a Potsdamer Platz. No passado, o local foi um centro cultural efervescente que dava nome ao principal portão da cidade, o Potsdamer Tor. Durante a divisão da cidade, virou apenas um campo desolado. Do que havia ali sobraram só as instalações subterrâneas das linhas do trem. Até o bunker onde Hitler cometeu o suicídio foi posto abaixo. Hoje, recuperada, a área abriga restaurantes, bares, lojas, cinemas, estação de metrô e trem, além de ser o ícone da modernidade de Berlim, com prédios projetados por arquitetos badalados. Os principais são o Sony Center e o prédio DaimlerChrysler.

O Sony Center, na Potsdamer Platz, é o que há de mais moderno em Berlim.


Interior do Sony Center, projetado por Helmut Jahn.

Os prédios dessa região são imponentes e maravilhosos.


MEMORIAL DO HOLOCAUSTO

A cidade respira história. Ao sair andando da Potsdamer Platz em direção ao Portão de Brandenburgo não há como negar o impacto que se tem ao avistar o espaço gigantesco, de um quarteirão inteiro, cravejado por blocos de concreto em tamanhos diferentes. São quase 3 mil retângulos acinzentados que dão a sensação de um enorme cemitério num ponto nobre da cidade. Não é propriamente belo, mas cumpre seu objetivo e aguça a reflexão sobre as atrocidades do Holocausto. Ironicamente, a rua lateral ao memorial abriga as embaixadas dos países que dividiram a cidade: Estados Unidos, Inglaterra e Rússia.

O Memorial do Holocausto homenageia os judeus mortos entre 1933 e 1945. Sua construção é de 2005. Ocupa uma área de 19 mil metros quadrados. Ao fundo, as embaixadas da Inglaterra e da Rússia. O Memorial do Holocausto é muito diferente do que se espera de um monumento tradicional. De cada ângulo que se olhe, a sensação é completamente diferente. É como se fossem várias obras em uma só. E, os sentimentos acompanham essa dança.


PASSADO E FUTURO SE MESCLAM PELA UNTER DEN LINDEN

A menos de cinquenta metros do Memorial do Holocausto, na região de Unter den Linden, fica o Portão de Brandenburgo, principal cartão-postal da cidade. Foi construído em 1795, em estilo neo-clássico. Essa região e seus arredores estão entre as mais visitadas da cidade. Apesar dos estragos das guerras abriga muitos prédios históricos de Berlim como o Museu Histórico Alemão "Zeughaus", a badalada praça Gendarmenmarkt com a Catedral Deutscher Dom e a Französicher Dom, o Memorial do Holocausto, o Portão de Brandenburgo, além da modernidade da Potsdamer Platz.

A Quadriglia, monumento de Johann Gottfried coroa a magnífica estrutura do Portão de Brandenburgo.
Fachada do Zeughaus, Museu Histórico Alemão. Seu acervo conta com peças de diversas épocas que vão desde o império germânico medieval até a atualidade.


A Gendarmenmarket é uma das praças mais bonitas e animadas de Berlim. Foi criada para comportar um mercado no século XVII. Mais tarde passou a ser usada como estábulo e atualmente conta com restaurantes e uma concentração de gente do mundo todo no seu entorno. De cada lado da praça há uma igreja. Elas parecem idênticas, mas seu único traço comum são as torres. A Französischer Dom é uma igreja huguenote francesa e a Deutscher Dom é alemã protestante.


Os melhores restaurantes da cidade ficam nessa região, entre eles o Fischers Fritz, o Lutter & Wegener, o Vau, o Aigner e a Chocolateria Fassbender & Rausch.


O PARLAMENTO ALEMÃO

Reischstag, o prédio do Parlamento Alemão é um dos prédios mais simbólicos da cidade. Foi construído em 1894 como ícone do poder germânico. Um incêndio criminoso destruiu seu hall principal em 1933. Os nazistas então, usaram o incidente como desculpa para atacar os comunistas. De lá, Hitler comandava o Terceiro Reich e mirabolava suas atrocidades. Hoje, o prédio congrega o passado com o presente. O arquiteto Norman Foster transformou o local em um dos plenários mais modernos do mundo, com seu hall coroado por uma cúpula de vidro entranhada na arquitetura clássica neo-renascentista.

Entrada principal do Reichstag. O domo é aberto à visitação e há sempre filas para entrar.


Para quem não gosta de enfrentar aglomeração, uma boa saída é agendar um almoço ou jantar no restaurante Käfer Bundestag que fica no topo do Rechstag e tem uma ótima vista panorâmica da região - que é muito arborizada.


A FAMOSA ILHA DOS MUSEUS

A "Ilha dos Museus" é um dos pontos nobres da cidade. Congrega um complexo cultural de extrema importância internacional. A área situa-se entre dois braços navegáveis do Rio Spree. O visual dessa região é incrível a pé ou de barco. Como a cidade é conhecida por ter 170 museus e é inviável conhecer todos eles, pelo menos o Pergamonmuseum (que conserva um dos portões da Babilônia e o Altar de Pérgamo) e o Bodemuseum (que apresenta coleções de moedas, medalhas e arte bizantina) devem ser visitados. Além dos museus a Berliner Dom (maior catedral da cidade) também fica nessa área.

Bodemuseum, programado para compor a Ilha dos Museus.




A Berliner Dome é a maior catedral da cidade. Foi projetada por Julius Raschdorff no início do século XX.


A cidade tem realmente muitos museus. O Museu Alemão de Tecnologia é mais uma opção para quem quer experimentar o futuro.


CENTRO HISTÓRICO DE BERLIM

O distrito de Mitte e parte de Kreuzberg remontam sua origem ao século XIII quando os primeiros povoados se estabeleceram às margens do Rio Spree. Enquanto a cidade esteve dividida, Mitte pertencia a Berlim Oriental enquanto Kreuzberg ficava na parte Ocidental. É nessa área, que fica em torno da Alexanderplatz, que se localizam: a histórica prefeitura Rotes Rathaus, a Torre de TV - com 368 metros de altura, a Igreja de Santa Maria, a Fonte de Netuno e vários prédios charmosos da Nikolaiviertel.


.
Essa pequena área antiga da cidade, Nikolaiviertel, foi totalmente reconstituída. As construções são réplicas do que havia antigamente, apenas uma ou outra ainda são originais. É um lugar muito procurado por turistas e berlinenses. Algumas das casas mais antigas da cidade localizavam-se nessa região, mas infelizmente foram destruídas na II Guerra Mundial.


A Torre da TV - Fernsehturm - pode ser avistada de vários pontos da cidade. Na foto acima, a Torre e a antiga prefeitura Rotes Rathaus - em estilo renascentista e com paredes de tijolos vermelhos. Após a reunificação da cidade, o prédio voltou a abrigar o governo da cidade.


Marienkirche, a graciosa igrejinha de Santa Maria começou a ser construída em 1270, em estilo gótico, mas o domo da torre é barroco. Na praça, em frente à igreja, uma belíssima fonte neo-barroca ostenta Netuno cercado por quatro imagens que representam os maiores rios da Alemanha: Reno, Vístula, Oder e Elba. As estátuas de Karl Marx e Friedrich Engels observam a Torre da TV. Elas foram colocadas na praça em 1986.



Ainda em Nikolaiviertel, a belíssima estátua de São Jorge atacando o dragão, fica na rua Spreeufer, na entrada da Stadschloss.


O ESTÁDIO OLÍMPICO

É impressionante a imponência do Olympiastadion. Fantástica obra do arquiteto alemão Werner March, em perfeita sintonia com o estilo Hitleriano. O estádio foi construído para sediar os Jogos Olímpicos de 1936. Mas, com as guerras, ficou inativo por muito tempo. Recentemente foi restaurado para servir de palco para a Copa do Mundo de 2006. Durante as obras, uma bomba da Segunda Guerra Mundial foi encontrada embaixo da arquibancada e teve que ser desativada pela polícia. De lá para cá, muitos eventos esportivos importantes vem sendo transmitidos do Olympiastadion. O último deles foi o Campeonato Mundial de Atletismo, em agosto de 2009.

O governo nazista aproveitou para fazer propaganda do regime, durante os Jogos Olímpicos de 1936. Mas, o atleta negro Jesse Owens desafiou Hitler ao conquistar quatro medalhas de ouro e emocionar o mundo com sua vitória. 


INDO ÀS COMPRAS

Duas são as principais zonas de comércio, em Berlim. Uma delas é a badalada Friedrichstrasse, com várias lojas elegantes, dentre elas a Galeria Lafayette e outra é na região de Kurfürstendamm onde fica a segunda maior loja de departamentos da Europa, a KaDeWe, além de ser salpicada por dezenas de boutiques, cafés e restaurantes. Também é ali que se pode ver a Kaiser-Wilhelm Gedächniskirche, igreja que mantém a torre parcialmente destruída desde o bombardeio de 1943. Ela não foi reconstruída para ficar como símbolo da guerra, mas uma nova igreja moderna, com paredes de concreto reforçado e vidro azul foi erguida ao seu lado.
  A Kaiser-Wilhelm e a nova Torre do Relógio.

A escultura gigantesca em ferro, na Kurfürstendamm, simboliza a união da Alemanha Oriental com a Ocidental.


POR TRÁS DO MURO

Visitar a cidade é como entrar numa máquina do tempo. Um tempo que não é assim tão remoto – vinte anos. As histórias contadas pelos berlinenses que viveram por trás do muro são recentes. O paredão de 150 quilômetros veio abaixo no dia 9 de novembro de 1989 e as tintas do passado ainda estão frescas. Onde quer que se vá o ar emana a trajetória que a humanidade trilhou num momento sombrio que remete à Guerra Fria.
  Partes intactas do "Muro de Berlim" ainda são conservadas em vários pontos da cidade.

O rompimento da cidade em duas metades aconteceu exatamente na manhã do dia 13 de agosto de 1961. Era um domingo quando Berlim acordou partida ao meio por um muro de concreto fortemente monitorado por soldados de armas em punho. A liberdade foi brutalmente violada. Famílias inteiras foram afastadas. Quem estava de um lado não podia mais retornar ao outro. Houve pânico. Muita gente morreu. Com medo da eclosão de uma grande guerra o mundo presenciou calado à loucura dos governantes alemães.

Uma faixa formada por duas carreiras de paralelepípedos representa o local exato por onde passava o Muro de Berlim. Essa placa com a inscrição "Berliner Mauer 1961-1989" pode ser vista em vários locais da cidade, afinal o muro tinha mais de 150 Km. 

Encontrar alguém que possa contar o filme que viveu ao longo daqueles paredões provoca ao mesmo tempo pesar e deslumbramento. Os alemães não gostam muito de remexer no passado, mas, Dimitri Voulgarakis, guia turístico, nascido em Berlim relembra quando na sua adolescência percebia os binóculos dos soldados controlando seus passos pela cidade e diz que era assustador, quem tentasse pular o muro morria na hora. Esse é um relato real, mais intenso do que qualquer livro é capaz de transmitir.

Durante o ano de 2009, fotos históricas e informações ficarão expostas em murais posicionados em alguns pontos da cidade por onde passava o muro.


Para mergulhar de cabeça nos rastros da história nada melhor do que ter a ajuda de um bom guia. Muitas opções são apresentadas nos hotéis. Basta escolher. É possível rodar pela cidade de bicicleta, de ônibus, de metro, de carro ou até mesmo a pé.

Os carros expostos acima eram usados na época em que o muro dividia a cidade.


As memórias do muro são perseguidas por uma avalanche de turistas que visitam Berlim, especialmente entre os meses de maio e outubro. Um museu a céu aberto chamado de “Topografia do Terror” mostra uma exposição em fotos e textos que traçam uma linha do tempo desde a ascensão de Hitler, perseguição dos judeus indo até a divisão da cidade. Era nesse local que funcionava a Gestapo e a Schultzstaffel (SS), mas tudo que havia ali foi demolido e resta apenas uma parte do muro nesse local.

Esse pedaço do Muro de Berlim fica em frente ao museu a céu aberto "Topografia do Terror".


O Checkpoint Charlie é um dos resquícios interessantes da fatídica muralha e o único posto de controle para passagem de estrangeiros que continua intacto. O nome desta guarita de cruzamento da fronteira entre os setores americano e soviético vem da palavra que significa a letra C no alfabeto fonético internacional: Alfa, Bravo, Charlie. A poucos metros dali fica o interessante Museu do Muro - Mauermuseum - Friedrichstrasse 43-45.

Para quem espera algo mais impactante, o Checkpoint Charlie pode causar decepção. Fica no meio de uma rua de mão dupla repleta de lojinhas de souveniers e com soldados falsos.


Essa placa era um antigo aviso localizado no Checkpoint Charlie. Nela está escrito "Você está saindo do setor americano", em quatro línguas: inglês, russo, francês e alemão. Pois, ao término da II Guerra Mundial, representantes dos Estados Unidos, Inglaterra e União Soviética se reuniram nas conferências de Potsdam (Alemanha) e Ialta (URSS) para redefinir as diretrizes da “nova ordem mundial". Ali foi decidido que a Alemanha seria dividida em quatro setores, cada um controlado por um país. Ao leste ficaria a União Soviética, a noroeste a Inglaterra, a sudoeste a França e a sudeste os Estados Unidos. Assim, a cidade foi partida em quatro zonas pertencentes a quatro países, por isso a frase está escrita nessas línguas.


BONS HOTÉIS EM BERLIM

Hotel Adlon Kempinski. Considerado o melhor da cidade. Já hospedou celebridades que vão de Greta Garbo à Barack Obama ao longo de sua existência. Fica ao lado do Portão de Brandenburgo, na Unter den Linden 77 Telefone (49) 3022610. http://www.hotel-adlon.de/


The Regent Berlin. É super elegante e fica num ponto ótimo, bem em frente a Gendarmenmarket. Além disso, tem um dos melhores restaurantes da cidade, o Fischers Fritz. O endereço do hotel é Charlottenstrasse 49, Mitte. Telefone: 49 (0) 3020338 http://www.regenthotels.com/ ou http://www.theregentberlin.com/


Berlim Hilton. É muito bem localizado. Fica em frente a Gendarmenmarket. O endereço é Mohrenstrasse 30. Telefone: (49) 20230. http://www.hilton.com/
Intercontinental Berlin. Fica na parte ocidental da cidade, perto do Rio Spree e a uma quadra do zoológico. Endereço: Budapester Str. 2. Telefone: 49 (0) 30/2602-0 http://www.berlin.intercontinental.com/

INDICAÇÃO DE RESTAURANTES 


Vau Restaurant. Cozinha alemã. Delicioso e com ambiente elegante. Nos dias mais quentes algumas mesas são colocadas no pátio interno do prédio e fica muito charmoso, especialmente, na hora do almoço. Fica perto da Gendarmenmarket, Jagerstrasse 54/55, Mitte. Telefone: 49 (0) 30-2029730 http://www.vau-berlin.de/

Bocca di Bacco. Excelente restaurante italiano. Vive lotado. Fica na Friedrichstrasse 167, Mitte. Telefone (0) 30/206672828 http://www.boccadibacco.de/

Fischers Fritz. Restaurante elegante e caro. Considerado um dos melhores da cidade. Endereço: Charlottenstrasse 49, Mitte. Telefone: 49 (0) 30-20338.

Käfer – Roof Terrace Restaurant. O melhor desse restaurante é a vista privilegiada que se tem a partir da cúpula envidraçada do Parlamento Alemão, o “Bundestag”. Esse é um dos locais turísticos com as maiores filas da cidade. Fazer uma reserva para almoço, jantar ou café da manhã pode facilitar a entrada no prédio e abreviar as filas. Telefone para reservas: 49 (0) 30 22629933 http://www.bundestag.de/


Löwenbrau. É boa opção para comer como um local. Para isso, basta pedir um Wiener Schinitzel (Bife à milaneza com salada de batata) ou um Bratwurst/Currywurst (salsichão com batata frita). Fica ao lado do Zoológico.

O zoológico de Berlim fica num ponto bem central da cidade. Para quem viaja com crianças é um bom programa. 


Fassbender & Rausch. Loja espetacular de chocolates em uma das esquinas da Gendarmenmarkt. No andar superior tem um restaurante onde todos os pratos levam chocolate no seu preparo. Endereço: Charlottenstrasse 60. Telefone: (49) 3020458440. http://www.fassbender-rausch.de/

INDICAÇÃO DE GUIA TURÍSTICO EM BERLIM Dimitri Voulgarakis. Sixt Limousine Service + (49) 0176/61528223

COMO SE LOCOMOVER EM BERLIM

Berlim é uma cidade plana, portanto ótima para ser trilhada a pé. Mas, é muito espalhada e para abreviar as distâncias entre um ponto e outro há estações de metrô (U-Bahn), trens de superfície (S-Bahn) e bonde para qualquer local que se queira ir.
Para quem tem energia para pedalar pela cidade a dica é alugar uma bicicleta. Muita gente escolhe, inclusive, fazer passeios guiados "de bicicleta". Talvez essa seja a õpção mais divertida.


OUTRAS INFORMAÇÕES


Documentos necessário: Apenas passaporte com validade de no mínimo seis meses. Não é preciso visto para brasileiros.


Idioma: alemão. Mas, inglês é falado por boa parte das pessoas.


Melhor época do ano: de maio a outubro é mais agradável para circular pelas ruas, pois não é muito frio. Nos outros meses, as temperaturas caem bastante e como a cidade é plana e convida às caminhadas, o frio limita um pouco a exploração dos principais pontos de interesse.


Moeda: euro.


Fuso Horário: 5 horas à frente de Brasília.

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Parabéns fotos espetaculares!!!
    VS

    ResponderExcluir
  2. Que coincidência!!!
    Acabo de postar um texto dando a notícia da minha próxima visita a Berlim, em Março do próximo ano.
    Talvez complemente esse texto com este teu, com a tua permissão, claro...

    ResponderExcluir
  3. Como sempre mais uma super matéria de dar inveja pra quem não conhece mais esse cantinho do mundo descoberto por vc! Parabéns pela riqueza de detalhes e pelo colorido que vc deu a Berlim "a fenix renascida das cinzas" rsrs

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Pri. Gostou de Berlim? A cidade é um encanto... Quem sabe nas suas próximas férias.
    Bjjj

    ResponderExcluir
  5. Qual será sua próxima viagem para já nos prepararmos para mais um lindo texto e belíssimas fotos?
    abs
    Simões

    ResponderExcluir
  6. UAU que belo post!!

    Continuo acompanhando!!

    Bjo!

    ResponderExcluir
  7. Que honra! Obrigada pelo elogio. Quanto às fotos, comecei um curso de fotografia para conseguir ilustrar melhor minhas viagens. Isso aconteceu depois de ficar admirada com a qualidade das fotos do blog "A janela laranja".
    Valeu!!!
    Claudia

    ResponderExcluir
  8. Parabéns, filha.
    A reportagem sobre Berlin, ficou ótima.
    Beijos.
    pai e mãe.

    ResponderExcluir
  9. Oi Claudia!
    Adorei as dicas de Berlin! Estou indo pra lah em Dezembro, e jah estou achando que nao vai dar pra ver tudo de primeira!
    Quanto a Finlandia, realmente fica meio contra mao em relacao a Conpenhagen, mas se der pra encaixar, vale muito a pena!
    Abs
    Dri Miller (Londres)

    ResponderExcluir
  10. Dri
    Vou tentar dar um pulo até lá...Espero que dê tempo....Vou ler novamente todas as suas dicas que estão ótimas.
    Bj
    Claudia

    ResponderExcluir
  11. EI Cláudia!!!

    Qto tempo!! Pelo tanto que temos viajado nos últimos tempos, realmente não está sobrando muito tempo pela net, né?! rsrs

    Tava no blog da Dry Everywhere, fuçando a Finlândia e ví seu comentário lá. Também estou indo em duas semanas, vou fazer as Repúblicas do Báltico. Quem sabe a gente não se encontra?!

    Se já tiver alguma dica de Helsink, me fala!

    Bjo grande,

    Fê viaggio mondo

    ResponderExcluir
  12. Fê, quantas viagens, hein???
    Vou para Copenhague no final do mês e pretendo dar um pulo a Finlândia (que ainda não conheço). Mas, tenho uma amigona que mora lá. Então, estarei bem assessorada.
    Bj
    Claudia

    ResponderExcluir
  13. As fotos estão cada vez melhores!!!!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  14. adorei as fotos!!!
    Lindas. Seu curso valeu a pena :+)
    Amei td.
    Kiss,
    KK

    ResponderExcluir
  15. O curso tem que valer!!!!!
    Espero conseguir registrar cada vez melhor meus momentos "pelo mundo".
    Bj
    Claudia

    ResponderExcluir
  16. Claudia,
    Como sempre adorei o texto. Ver Berlim atraves dos seus olhos foi muito bacana, so senti falta do Estadio Olimpico. Bjs
    Chris Paquelet

    ResponderExcluir
  17. Chris,

    Que visita ilustre!!! Vou providenciar uma foto do Estádio Olímpico, que realmente é maravilhoso.
    Um beijo,
    Claudia

    ResponderExcluir
  18. Oi Claudia, estive a algumas semanas atras em Berlin!! Essa foi a 5 vez que visitei a cidade, que e sem duvida uma das capitais europeias que eu mais gosto, tambem fiz um post sobre a historia da cidade. Na verdade estou passando para agradecer o Link no seu Blog para o meu, tambem estou adicionando o seu ao meu Blogroll.
    (http://mauoscar.wordpress.com/2009/11/03/145-berlin/)
    Abraco

    Oscar

    ResponderExcluir
  19. Oi Oscar.
    Estou tentando adicionar seu blog no meu blogroll mas não consigo. Já tentei duas vezes e nada... Vou ver se consigo em outro computador.
    Abraço
    Claudia

    ResponderExcluir
  20. Claudia,

    Teu guia de Berlim está absolutamente animal!!!
    Tava pirando aqui e morrendo de inveja do céu limpo que vc pegou.
    Te linkei, ok?
    Se tiver algum espacinho aí pra mim tb, agradeço!

    ResponderExcluir
  21. Tiago.
    Consegui um céu invejável, não é???
    Em Londres, também!!!! Dá uma olhada nas fotos.
    Vou linkar você.
    Volte sempre!

    ResponderExcluir
  22. Lindas fotos e ótimos comentários...Acho muito interessante este aspecto de uma cidade dual de Berlim, desde a sua fundação (limites geográficos, inclusive) até os dias de hoje.
    Abr,
    Lucia Helena Torres
    Rio de Janeiro

    ResponderExcluir
  23. Olá!
    Estou programando uma viagem a Berlim e de todos os blogs que visitei até agora em busca de informações o seu foi o mais completo! Certamente vai me ajudar muito! Parabéns pelo texto cheio de informações e detalhes. A partir de agora vou "viajar pelo mundo" sempre!
    Claudia N

    ResponderExcluir
  24. Claudia N!
    Você vai amar Berlim. A história pulsa viva em cada esquina da cidade. Não deixe de ir ao restaurante VAU, maravilhoso!
    Aproveite.
    Bj
    Claudia

    ResponderExcluir
  25. Cláudia,

    encontrei o seu blog por acaso e adorei!! Senti falta de Quebec/Canadá, ela está na sua lista de futuras viagens? É um lugar verdadeiramente lindo!!!
    Continuarei seguindo...

    ResponderExcluir
  26. Marcia!
    Pois vc sabe que ainda nao fui a Quebec? Esta eh a cidade que falta da minha lista do Canada. Ja estive umas cinco vezes no Canada e quando estive em Montreal com a intencao de ir ate la teve uma nevasca enorme que as estradas ficaram fechadas e ate as linhas de trem pararam. Entao, nao fui... Que pena. Sei que devo voltar.
    Obrigada pela sua visita.
    Beijo
    Claudia

    ResponderExcluir
  27. Fui em junho/10, em plena Copa do Mundo, uma das melhores viagens que já fiz na minha vida, pretendo ir mais vezes.
    Valeu mesmo!

    ResponderExcluir
  28. Oi Luis Alberto!

    Também fiz uma viagem muito bacana à Berlim. A cidade é maravilhosa, apesar de sofrida. Aliás, acho que isso foi o que fez dessa cidade um lugar tão forte.

    ResponderExcluir
  29. Oi Claudia!
    Com certeza, são através dos acontecimentos que tiramos novas lições para o futuro, e Berlim é uma delas. Agora, por acaso, não tem nada para postar de Praga, Croácia, Bosnia e Herzegovina, já que são história mais recentes. O que acha de postar algo delas!?
    Obrigado!
    Luiz Alberto

    ResponderExcluir
  30. Luis Alberto
    Tenho um post sobre a Sérvia, Belgrado, que relata todas as mazelas das guerras recentes. Tem fotos dos prédios ainda destruídos, pois ninguém pode entrar em função do urânio. Muito triste.
    Dá uma olhada.
    Eu só escrevo sobre lugares onde fui recentemente, pois preciso de fotos atuais e tiradas por mim. Quando eu for a esses países vou escrever com certeza.
    Claudia

    ResponderExcluir
  31. Muito obrigada,Claudia, por ter feito melhor o meu domingo, seja lendo teus excelentes textos, seja sabendo de Nelson e Laura.
    Voltei, em junho,para o Brasil.Meu marido é americano do centro-oeste e dividimos nosso tempo aqui e lá.Meus filhos estao bem.Patati continua morando em Atlanta;Gugu , voltou da Índia e decidiu morar na Bahia.Eles lembram de Laura e Nelson com muito carinho.Beijos a todos

    ResponderExcluir
  32. Aldema,
    Eles ficaram muito felizes em ter notícias suas. Quando der, ligue para bater um papo com eles. Tenho certeza de que será uma enorme alegria falar com você.
    E, pelo visto, seus filhos foram pelo mesmo caminho. Eles também são do mundo.
    Um beijo
    Claudia

    ResponderExcluir
  33. Claudia,
    Chegamos ontem em Berlim. Estou relendo tua postagem sobre a cidade.Obrigada.Boas viagens.
    Aldema

    ResponderExcluir
  34. Bom pais gostei muito de ter visitado Berlin.

    www.nostud.blogspot.com

    ResponderExcluir
  35. Adoro a Alemanha!
    Parabens pelo blog muito legal...bj

    ResponderExcluir
  36. Parabéns pelo post. Tenho um blog sobre Berlim com mais um brasileiro, e também fazemos serviço de guia pela cidade. Os seus comentários são de quem realmente conheceu a cidade, foi além das fotos e viveu Berlim! :)

    ResponderExcluir
  37. Nicole,
    Que bacana! Adoro receber comentários como o seu. Realmente, vivi intensamente Berlim! Minha avó era alemã e gosto do país. Isso já é um bom começo...
    Volte sempre.
    Bj
    Claudia

    ResponderExcluir
  38. Bacana! Morei em Berlin um ano e você descreveu, basicamente, o que um turista em 4 ou 5 dias tranquilos precisa fazer. O resto é google e pronto. Que saudade de Berlin! ;)

    ResponderExcluir
  39. Fascinante! estarei lá para conferir suas dicas! parabéns!

    ResponderExcluir
  40. Muitíssimo obrigada pelas informações importantes sobre Berlim. Já fiz meu roteiro, usando suas dicas. Pretendo ir em setembro deste ano. Conheço algumas cidades da Alemanha, mas meu sonho sempre foi conhecer Berlim.
    Abraços e parabéns, Claudia
    Geisa Gonzaga

    ResponderExcluir
  41. Olá Obrigada pekas dicas...visitarei Beelin com meu filhoi de 12a em Julho.Parabébs oeka delicadeza e completaa informações.Silvia

    ResponderExcluir
  42. E Portugal??? Não pertence à Europa? Não tem direito a representação nem a uma visitinha??? Quem visitou os quatro cantos do mundo não teve coragem de visitar um país maravilhoso que até já foi caracterizado pelos brasileiros como país irmão??? É ingratidão ou apenas "falta de oportunidade". Eu sei que de facto para o brasileiro Portugal não é um país chique, não entra nas badalações até porque falamos português como vós. Mas podem crer que para os restantes cidadãos do mundo Portugal cada vez é mais procurado por um turismo de altíssima qualidade quer pela beleza do país, pela gastronomia e doçaria, pelas suas praias e hotelaria pela simpatia a convivência e o gosto de receber dos seus habitantes, sendo um país onde impera a limpeza e de elevadíssima qualidade de vida. E é de facto um país bem venerado e cobiçado turisticamente. Se um dia voltarem à Europa que tal dar uma passadinha por Sintra Património mundial da cultura, Por Lisboa a linda capital cidade das sete colinas debruçadas sobre o Tejo, E já repararam que é das poucas capitais da Europa e até do mundo que é sobranceira ao mar? Analise bem esta situação e veja como a torna numa capital mais fresca e mais arejada. O Porto cidade lindíssima com seu vale do Douro cuja navegação se tornou num destino turístico mundial de 1ª linha. E a interioridade de Portugal também é Lindíssima. E Somos de fato um país evoluído. Pode alugar e circular a vontade de automóvel com uma enorme segurança e de forma descansada porque possuímos em quilómetros o maior índice de autoestradas de elevadíssima qualidade de per capita e em relação à superfície do país. Quando e se se disposerem a visitar este país, se pretenderem um certo apoio, eu lhes darei ou encaminharei mesmo para os locais mais interessantes que não são apenas aqueles caríssimos e desinteressantes criados especialmente "para turista ver".
    Em relação ao vosso país??? Nada contra mesmo! Eu o adoro de tal forma que na minha primeira visita em 2008 a Búzios, como já ia com automóvel alugado a levantar na chegada ao aeroporto, passeando pela região dos lagos, exatamente dois dias depois de ter chegado estava a sinalizar a compra de uma casa na região atlântica de Niterói ou seja Itaipu. Casa que continuo possuindo onde passo muito tempo da minha vida..... Bem isto tudo porque me feriu não aparecer Portugal na "sua" Europa. Tudo de bom para si e visite todo o mundo que puder (não esqueça Portugal). Que eu já fiz e vou continuar a fazer o mesmo.

    ResponderExcluir
  43. Oi Anônimo!

    Já estive algumas vezes em Portugal. Mas, o blog começou a ser escrito em 2008 e desde essa data não estive mais nenhuma vez em Portugal. Só escrevo sobre viagens que acabei de fazer. Portanto, vou escrever quando tiver a chance de visitar novamente ao seu país. Gosto muito de Portugal.

    Obrigada.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!