AS ALDEIAS MAIS BONITAS DO LUBERON, NA PROVENCE


Espalhadas pela Montagen du Luberon - uma cadeia montanhosa de calcário que passa dos mil metros de altitude - estão algumas das aldeias medievais mais pitorescas da Provence, no sul da França. A região tem grande importância ambiental e é inscrita como Reserva da Biosfera pela UNESCO. O Parque Natural do Luberon mescla terras muito produtivas, com pequenos vilarejos dourados e grandes espaços praticamente desabitados.

Antigamente, essas estradinhas escondidas nas colinas eram perigosas e os moradores sofriam com a insegurança de assaltos frequentes. Por isso, as cores das casas são discretas. Isso faz parte do passado. Agora, um rosário de belas cidadelas provençais convida a paradas inesquecíveis, entre elas vale conferir Lourmarin, Bonnieux, Apt, Roussilion, Gordes, Lacoste, Ansuis, Menerbes, Goult...

O Luberon é só um pedacinho da Provence. Mas é aquele pedacinho especial que produz damasco, cereja, pêssego, figo, azeitonas de vários tipos, uvas que produzem bons vinhos, além de queijos deliciosos, ervas aromáticas, mel, muita lavanda e por aí vai.

Vales do Luberon.

Depois de estabelecer nossa base "acertadamente" em Aix en Provence para ficar uma semana (por indicação de amigos que moram na Provence), dedicamos o primeiro dia aos vilarejos medievais do Luberon. Foram mais ou menos 40 quilômetros de Aix en Provence até Lourmarin, nossa primeira parada. Tudo é pertinho. Mas, precisa alugar carro para se locomover com facilidade. Transporte público é complicado na região.
  
Lourmarin foi paixão total. Não fiquei hospedada na cidade, mas poderia ter ficado facilmente. Apesar de bem pequena, ela tem muitos cafés, restaurantes e lojinhas. As lojinhas cheiram a lavanda e são cheias de coisas lindas. Lourmarin é toda em tons neutros, cor de trigo. Indico o restaurante L'Ormeau onde comi divinamente bem (2 place de L' Ormeau) e o simpático hotel Le Moulin de Lourmarin bem no centrinho onde entrei ao acaso, fui muito bem recebida e adorei. Visite o Chateau de Lourmarin, a Fontaine aux Trois Masques, as galerias de arte, as lojinhas provençais, a feirinha e caminhe pelas ruelas estreitas.

Ruelas cor de mel e muitas lojinhas provençais em Lourmarin. 

A alguns passos do centrinho fica o Chateau de Lourmarin.

Vinte quilômetros à frente, Bonnieux foi a parada seguinte para uma caminhada breve morro acima, para uma foto da belíssima paisagem do vale e um café. A aldeia murada de ruas estreitas é puro charme com suas casinhas medievais em tons neutros construídas no alto da montanha. A igrejinha do século XII é o ponto central. Se tiver interesse visite o Musée de la Boulangerie, na Rue de la Republique. Não vale a pena ficar hospedado na aldeia. Faça apenas uma pausa breve e siga até a próxima cidade.

Bonnieux vista da estrada. 

A igreja se destaca em Bonnieux.

A placa de Apt apareceu no caminho depois de 15 quilômetros. É tudo pertinho. Difícil mesmo é escolher onde ir. Dá vontade de circular por todas as aldeias, mas é preciso optar pelas mais interessantes e Apt não foi das que mais me cativaram apesar de sua trajetória tão antiga. A cidade foi fundada no século I e foi uma das mais importantes da região. Se destaca pela produção de compotas, frutas cristalizadas e pela cerâmica. Seu mercadinho é famoso e acontece aos sábados de manhã. 

Visite Apt aos sábados de manhã para aproveitar a famosa feira.

 Pausa para um café em Apt.

A seguir vem uma das cidades mais interessantes e fotogênicas do Luberon, Roussilion. Ela tem um colorido diferente. É ocre. Cor de fogo. Acompanha os tons do Parque Ocre du Luberon que fica a alguns passos da cidade e cuja exploração lhe deu fama e riqueza. Hoje, a utilização do pigmento ocre retirado da natureza é muito pequena, o que não diminui o charme e o apelo turístico da pequena aldeia. Ande pelas ladeiras sem pressa, tome um sorvete, visite o parque, faça o Caminho do Ocre (Sentier des Ocres) e siga em frente. A entrada para o parque custa 2,5 euros e a caminhada é curta, leva ao redor de 40 minutos para percorrer todas as trilhas. A visita é obrigatória. No entanto, evite dias chuvosos se não quiser ficar com a roupa e os sapatos tingidos de ocre. Se tiver interesse, também visite as Minas de Bruox, em Gargas, pertinho de Roussilion, onde longos túneis subterrâneos foram escavados para a extração do ocre.

A cor ocre de Roussilion é a marca da cidade.

Pelas ruelas de Roussilion as lojinhas encantam. 

 Caminhos do Ocre.

Apenas dez quilômetros separam a cidade ocre Roussilion da cidade de pedra Gordes. Quando os olhos batem pela primeira vez na silhueta bruta da cidadela é suspiro na certa. Gordes se equilibra com perfeição no topo de um morro de calcário e por isso é uma das cidades mais visitadas da Provence. O Chateau de Gordes e a Igreja Saint  Firmin dominam a paisagem e são entrelaçados por pequenas ruelas de pedra. O astral de Gordes é misterioso. Visite o Vilage des Bories, onde cabanas primitivas eram construídas nas pedras sobrepostas (como os Trulli de Alberobelo, na Puglia) e a Abadia de Notre Dame de Senanque, que data do século XII e é cercada por lavandas nos meses de junho e julho. Em Gordes indico o super hotel La Bastide de Gordes. Lindo!

 Gordes, a cidade de pedra. 

Gordes é uma cidade encantadora. 

No verão, as flores estão por todo lado em Gordes.

Vou listar para vocês essas cidades na ordem da minha preferência:

Lourmarin, Gordes e Roussilion em primeiro lugar.
Depois Bonnieux e por último Apt.

Esse foi o trajeto feito no primeiro dia na Provence: a partir de Aix en Provence até Lourmarin (40 Km), Bonnieux (20 Km), Apt (15 Km), Roussilion (70 Km), Gordes (12) e finalizamos nos campos de lavanda nos arredores de Sault (40 km). No entanto, acho que a cidade de Sault não vale muito a pena e os campos de lavanda de Valensole são mais bonitos.

Campos de lavanda nos arredores de Sault.

Os próximos posts serão sobre Valensole, Moustiers St Marie, Gorges Du Verdon, St-Remy, Les-Baux-de-Provence, Isle-sur-La-Sorgue, Fontaine de Vaucluse e Cassis.

Pelas estradas da Provence tem sempre belas surpresas.

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Vocês estão na Provence agora? Vou para aí daqui duas semanas, como vi suas fotos em Valensole fiquei preocupado em chegar depois da colheita. Sabe se este ano a florada foi mais cedo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos agora na Provence e pode ficar tranquila que ainda haverá muita lavanda e na época mais bonita.

      Excluir
  2. Oi, Cláudia. Tudo bem? :)

    Seu post foi selecionado para o #linkódromo, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia – Natalie

    ResponderExcluir
  3. Que lugar lindo!! Amei conhecer, parabéns pelo blog, ainda não tinha visto campos de lanada assim, imagino que delicia poder conhecer. Aproveitem muito <3 e compartilhem com a gente todas as fotos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lara,

      Obrigada pelo comentário. Em breve mais posts e muitas fotos. Os campos de lavanda em flor eram meu sonho antigo. São realmente lindos e perfumados. Um sonho realizado! Demais.
      Beijo.

      Excluir

Deixe seu comentário. Obrigada!