FRAGMENTOS DA ÍNDIA


Um misto de curiosidade com ansiedade dava o tom da minha chegada. Índia. Sonho antigo. Aeroporto Internacional Indira Gandi de Delhi se aproximando. Uma nuvem densa de poluição no ar aparecia pela janela do avião. Minha cabeça girava a toda velocidade. “Será que estou preparada para este país enorme, cheio de contrastes, denso, superpopuloso, caótico, apimentado, diferente, colorido, hindu, barulhento, sujo, guerreiro, terra de marajás e com mais de quatro mil anos de história?” Apesar de ter lido bastante e assistido alguns filmes e documentários, eu não podia prever minha reação. Os relatos que tinha lido e ouvido eram muito conflitantes. Algumas pessoas amam a Índia, outras simplesmente detestam. E eu? Precisava conferir com meus próprios sentidos.


 Forte de Agra.

Com a mala já na mão e o passaporte carimbado – depois de uma viagem de 15 horas do Rio a Dubai seguida de outro trecho de 4 horas de Dubai até Delhi - fui em busca do motorista do hotel Aman no saguão do aeroporto. Sim, Aman. Esse hotel é conhecido por oferecer um serviço que prima pela tranquilidade. A escolha por um oásis no meio do caos não poderia ter sido melhor para uma primeira incursão a enlouquecida Índia. E lá estava ele com uma plaquinha na mão. Que alívio! Carro novinho, perfumado, com toalhas geladas e água. Opa. Água. Será que posso beber sem medo? Foram tantas as advertências sobre risco de infecção intestinal. Melhor dar uma olhadinha no rótulo para garantir. Bobagem. Hora de esquecer das frescuras e encarar a vida como ela é.


No ritmo de Old Delhi.

Enquanto o carro serpenteava pelas ruas de Delhi rumo ao hotel, meu coração quase saía pela boca. Não de emoção com a chegada à Índia. Mas, pelo medo do trânsito. Teria sido criada ali a Teoria do Caos? Na traseira dos caminhões e ônibus a mensagem: “BLOW HORN”. Buzinar? É isso mesmo? Sim. Sempre. Faz parte do código de comunicação e organização do trânsito. Todos buzinam ao mesmo tempo. E isso não é visto como impropério, mas como facilitador. Faz parte do contexto. Meus ouvidos entraram em pane a princípio. Até a hora em que se acostumaram. Eu nem ouvia mais o barulho. E o trânsito andava divinamente no meio do turbilhão. Carros, caminhões, tuk-tuks, bicicletas, vacas, camelos, pedestres, carroças, porcos, riquixás, elefantes… Tudo na maior harmonia caótica que já vi. Impossível alguém de fora conseguir dirigir ali. Mas, eles se entendem. Onde cabem dois, transitam quatro sem o menor problema. E todos saem ilesos. Afinal, estamos falando da populosa Índia. Com a marca de 1 bilhão de pessoas, ficando atrás apenas da China nesse quesito. Gente pra todo lado. Um começo bizarro pelas ruas da cidade.


 A vida nas ruas de Delhi.

Uma hora depois estava chegando ao meu porto seguro. O hotel Aman é incrivelmente silencioso e de uma paz celestial no meio do caos. Perfeito para me refazer e voltar para o olho do furacão. Foi deixar a mala, comer alguma coisa e sair para sentir Delhi na pele. Com o auxílio de um guia do hotel e sempre acompanhada pelo motorista comecei a acostumar meus olhos ao cenário surreal da capital da Índia. O que não é assim tão fácil e rápido!


Hotel Aman, um oásis de tranquilidade em Delhi.

Lembre-se que a mão é inglesa. Então, além da confusão das ruas, tem esse pequeno detalhe. Dirigir… nem pensar. É impossível mesmo. As locadoras liberam aluguel de carros apenas com a condição de haver um motorista indiano. Só a distração com o inusitado já torna a possibilidade de alugar um carro absolutamente inviável. E olha que eu adoro andar com minhas próprias pernas pelo mundo afora. Na Índia não dá. Não só as vacas são sagradas, como também os elefantes e os macacos. Todos eles alçaram status divino e circulam  pela capital populosa e por todas as outras cidades, em total liberdade. Essas diferenças atacam os sentidos de qualquer visitante de primeira viagem sem pedir licença. É o trânsito mais desordenado que já vi. Parece não atender a nenhuma lógica. Mas, milagrosamente funciona e quase nem se vê acidente apesar dos meros dois centímetros que separam cada transeunte, animal ou meio de transporte.


E como tem gente na Índia...

Caminhar a pé pelas ruas é um ato quase heróico. Parece que você vai ser engolido pela multidão. É incrível. Um turbilhão de gente. Roupas coloridas. Turbantes. Saris. E o mais interessante é que parece que ninguém se incomoda com ninguém. Como pode?


Vendedores de flores nas ruas de Delhi.

E a divisão por castas? Bem, a constituição proibe a discriminação por castas. Mas, a sociedade continua considerando quatro grupos. Os brâmanes são os sacerdotes. Os xátrias são os guerreiros, eles usam turbantes na cabeça para marcar sua posição, são facilmente reconhecidos. Os vaixás são os comerciantes. E, por último vem os sudras que são designados aos trabalhos de limpeza e serviços mais simples. Quem nasceu numa determinada casta não pode mudar seu destino. Será sempre dessa casta, mas pode estudar e evoluir intelectualmente. Muitos cargos importantes de empresas indianas e do governo são ocupados por sudras. E ainda abaixo desses todos tem os párias, também chamados de dalits ou intocáveis que vem da poeira debaixo dos pés de Brahma e servem como coveiros, estão abaixo das quatro classificações acima.

Ah. E para casar também é preciso respeitar a casta. Aliás, os casamentos são arranjados pelos pais respeitando castas, regime alimentar, religião, língua e tudo mais que for relevante para a família. Atualmente, alguns casamentos modernos vem saindo dos eixos e os indianos mais tradicionais torcem o nariz para essas misturas de castas.


Mesquita Jami Masjid em Old Delhi.

A Índia é um país muito diferente de tudo a que estamos acostumados. Até quanto a alimentação. Para começo de conversa é pimenta que deixa a boca em chamas. Além disso, muitos indianos são vegetarianos por questões religiosas. Afinal, as vacas são sagradas e muito importantes. São consideradas montaria de Shiva - um dos deuses da Santíssima Trindade hindu, junto com Brahma e Vishnu. Elas fornecem o leite, um dos principais alimentos da Índia. Suas fezes são usadas para espantar mosquito quando queimadas e olha que tem mosquito para valer! Estão fora de cogitação quando o assunto é comida. Elas são muito sagradas. Muita gente também não come frango nem cordeiro. Nos restaurantes, o cardápio sempre indica dois menus: vegetariano e não-vegetariano. Se quiser uma suculenta picanha melhor esperar para quando chegar de volta ao Brasil. E, não esqueça de lavar bem as mãos antes de comer, pois o hábito local é comer com as mãos. No Bukhara, considerado um dos melhores restaurantes de Delhi, nem sequer vem talheres à mesa. 

Tantos contrastes. Pobreza e dignidade, sujeira e beleza, confusão e harmonia, caos e organização. Tantos pontos de vista conflitantes e complementares. Um país enorme, sétima maior área do planeta. Difícil de ser digerido num primeiro momento. Seu passado é onipresente. Fortes, palácios e templos seculares convivem lado a lado com o Vale do Silício e a indústria do cinema de Bollywood. Seu desenho geográfico ajuda a aumentar a diversidade: mar das Arábias, baía de Bengala, planícies que acompanham o sagrado Ganges, montanhas do Himalaia, deserto. Muitas línguas são faladas (mais de 15 oficiais, fora os tantos dialetos), muitos grupos étnicos distintos, crenças e estilos de vida, divisão por castas. Perfeito para ser degustado aos poucos. Muito lentamente…


Em Mathura, macacos adotam os templos como moradia.

Por isso escolhi apenas três cidades para começar: A histórica Delhi, a lendária Agra e a abandonada Fatehpur Sikri. Fiquei uma semana na Índia com um guia local e um motorista, os dois foram indicados pelo hotel Aman de Delhi. Nos três dias que passei em Delhi fiquei no hotel Aman. Espetacular! Depois, fui de carro até Agra. Levei praticamente um dia todo para fazer o trajeto de duzentos e poucos quilômetros, pois no caminho parei na cidade de Mathura (para ver o Vishhram Ghat e o templo de Sri Krishna) e no mausoléu de Akbar em Sikandra. Sem contar que a viagem em si já faz parte do programa. É surreal. Saí na metade da manhã e cheguei em Agra a tardinha depois de percorrer estradas lotadas de carroças, tuk-tuks, macacos, vacas, muita gente... Emoções mais fortes do que numa montanha-russa. Em Agra fiquei três dias no hotel Oberoi Amarvilas. Fantástico. Escolhi dois hotéis de luxo para conseguir ter momentos de distanciamento e assim poder assimilar melhor a essência da Índia. Além disso, queria me sentir segura e relaxar confortavelmente no final de dias tão intensos. 


Hotel Oberoi Amarvilas, Agra.

Quanto à companhia aérea optei pela Emirates, pois sai diretamente do Rio e faz apenas uma parada em Dubai antes de chegar em Delhi.

Outra escolha perfeita foi o mês de novembro. Nessa época o período de monções já se foi, as chuvas intensas já cessaram, as temperaturas estão mais amenas, não tem tanto mosquito (mas, sempre tem um pouco), o fog não é tão intenso e o sol reina sublime.


Taj Mahal, Agra.

Todos sabem que a Índia é um país que gera curiosidade e chama atenção com suas diferenças. No entanto, não é um destino para marinheiros de primeira viagem nem para quem procura férias convencionais para relaxar. É um lugar que está sujeito a um certo desconforto, mas traz recompensas fantásticas. A India precisa ser estudada para ser compreendida. Fronteiras precisam ser atravessadas para que se possa ver além da sujeira espalhada pelas ruas, dos animais fuçando no lixo, do cheiro de urina, do desprezível sistema de castas, dos miseráveis desfilando sua pobreza. É preciso mergulhar na profundidade dessa cultura ancestral, despir os preconceitos e buscar os tesouros encobertos pela lama. Sua alma é nobre. Impossível ficar indiferente frente aos sentimentos que brotam numa viagem à India. 

Namaste!

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Claudia

    Vc está linda ( maravilhosa!!) nas fotos,os hoteis são perfeitos,mas a minha opinião sobre a India mantêm-se!rsrs

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ei, menina...quanto tempo. Estou no Brasil, na segurança do Lar e cheia de afazeres. A Índia deve ser uma loucura, na minha lista, ela ainda está longe...Zâmbia e Congo são países que receberam muitos indianos, tem bastante da cultura deles por lá. Dia 15 estou indo para o Congo e no início de janeiro vamos para Cape Town...estou arrumando as malas...rsrsrsrs...beijocas!

    ResponderExcluir
  3. Fotos incríveis de um lugar alucinante! Ainda quero ir um dia, mas foi irado poder conhecer mais um pouco por aqui! Lindo trabalho!
    Bjo e paz, Michel
    www.rodandopelomundo.com

    ResponderExcluir
  4. Margarida,

    Eu sei bem!!! rsrsrs India não tem seu jeitinho!!!! Seu comentário não poderia ser outro. hahaha

    E obrigada pelo elogio.

    Um beijo

    Claudia

    ResponderExcluir
  5. Oi Taia,

    Quanto tempo mesmo. Afinal, você não para menina.

    Imagino que esteja farta dos indianos. hehehe Em Durban vi que a colônia de indianos também é enooooorme. A comida é pimenta pura, em plena África do sul.

    Cape Town deve ser uma cidade deliciosa. Não tive a chance de conhecer. Aproveitem muito.

    Bjk

    Claudia

    ResponderExcluir
  6. Oi Michel,

    Fazia tempo que não via você por aqui. India é um país cheio de contrastes, mas que por um motivo misterioso pega a gente de jeito. Fiquei completamente rendida aos encantos do país e pretendo voltar para uma segunda degustação. hehehe

    Em breve saem os outros posts e depois Butão.

    Obrigada pela visita.

    ResponderExcluir
  7. Querida Claudia:
    Conseguiste repassar muito bem todo o turbilhão de emoções que viveste neste passeio.As fotos estão lindas, como sempre e tu também.Mas a India está fora de meus planos ...
    Bjs
    MT

    ResponderExcluir
  8. MT,

    Eu sei que a Índia não agrada a todos. rs
    Há quem ame e quem nem pense na hipótese de ir. É uma viagem sofrida. Não é das mais fáceis. hehehe.
    Mas, adoro lugares exóticos e fora do padrão. Ainda vou circular por outros assim tão doidos quanto a Índia. Me divirto! rs

    Beijo

    Claudia

    ResponderExcluir
  9. Adorei o post e já estou ansiosa pelos demais. Assim como vc, gosto do exótico e nao vejo a hora de poder encarar esta loucura que e a Índia. Acredito que realmente temos que estudar muito para irmos a estes países tão pobres. E um choque de cultura muito grande. As fotos são lindas, comp sempre! Bjsssss

    ResponderExcluir
  10. Carol,

    A Índia é realmente chocante. Parece que vc está entrando num set de filmagem. É como se você olhasse uma paisagem linda através de uma janela muito suja. É preciso ajustar o foco do olhar. Por isso, começamos indo apenas uma semana. Na próxima, ficamos mais outra semana também mesclando com algum outro país interessante por perto.
    Bj

    ResponderExcluir
  11. Fantastico! Sera que um dia irei ai?! Nem eu sei...hora quero, hora nao... Mas seu texto me deixou mais pra sim do que pra nao... Lindo! Adoro como voce conta suas impressoes... Parabens!!!

    ResponderExcluir
  12. Ju,

    Essa é a reação da maioria das pessoas. Dúvida quanto a ir à India... É um país difícil mesmo. Considere com carinho e leia muito antes de escolher esse destino.

    Em breve post sobre Delhi.

    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Olá Cláudia,
    "E ainda abaixo desses todos tem os párias, também chamados de dalits ou intocáveis que vem da poeira debaixo dos pés de Buda e servem como coveiros, estão abaixo das quatro classificações acima."
    Não é dos de Buda, mas sim dos de Brama. O sistema de castas é uma doutrina hinduísta e não budista.

    Obrigado
    Isaac

    ResponderExcluir
  14. Lindos fragmentos!! Quero ver o post inteiro depois! Bjos!!!

    ResponderExcluir
  15. Isaac,

    Muito obrigada. É verdade. Escrevi e nem percebi. Estive em três países diferentes, cada um com uma religião. Fiquei ouvindo sobre tantos deuses que realmente deixei passar sem me dar conta. Agradeço sua gentileza.

    Um abraço,

    Claudia

    ResponderExcluir
  16. Fê,

    Sei que você já andou por essas terras também. Li seus posts antes de viajar. Lembrei demais de você quando cheguei lá. E, aos poucos fui me apaixonando por aquela terra em ebulição.

    Já estou escrevendo sobre Delhi. Em breve coloco o post no ar.

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Cláudia
    Adorei este post
    E já estou curioso para os próximos detalhando cada uma das cidades
    Cores maravilhosas!!!!!
    Abs
    VS

    ResponderExcluir
  18. Obrigada, VS.

    No máximo até o final da semana o post estará no ar.

    Volte para conferir e deixe sua impressão, por favor.

    Abs

    ResponderExcluir
  19. Claudia,

    Muito interessante, adorei.

    Penso que, para assimilar a India, temos que estar com o coração e a mente abertos. E também acho que a India é lugar para quem já viajou e viu muito...

    Eu - como boa pisciana sofredora das dores do mundo - ainda não estou preparada. Mas admiro quem vai. E dos que conheço que por lá estiveram, de um modo ou de outro, voltaram tocados pelo lugar.

    Beijos,
    Andressa

    ResponderExcluir
  20. Andressa,

    Realmente, a Índia é para quem já rodou um bocado por aí. Não é uma viagem "normal". É para quem gosta muito muito muito de países exóticos.

    Mas, ficando em bons hotéis dá para conseguir sobreviver bem. rs

    O mundo é tão grande, tão cheio de lugares interessantes e nem todos nos dizem alguma coisa. É preciso filtrar e ir onde o coração manda.

    Acho que o Butão vai te deixar mais curiosa.

    Um super beijo

    ResponderExcluir
  21. Claudia,

    Como sempre AMEI o texto..............já a India...........tenho minhas duvidas.

    ResponderExcluir
  22. É Chris, Índia é isso mesmo. Amor ou horror. rs
    Mas, tenta Goa. Quem sabe não vai achar interessante??!!
    Beijos
    Claudia

    ResponderExcluir
  23. Adorei as suas fotos, e todas as sensações que consegue transmitir através do seu texto descritivo.

    Mas reconheço que me sinto incapaz de enfrentar semelhante caos, apesar de todo o charme que um local culturalmente tão distante do que estou habituada, pode conter.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  24. Turista,

    Você não é a única com essa opinião sobre a Índia. rs
    Basta dar uma olhada nos comentários para perceber que a maior parte das pessoas tem restrições quanto a programar uma viagem à Índia.
    Mas, o mundo é cheio de lugares lindos.
    Beijo

    ResponderExcluir
  25. Pois, eu vi os comentários, Claudia.
    O meu marido já esteve na Índia, numa viagem a trabalho, e apesar do caos do transito e nao só, gostou bastante da experiência, justamente por ser tão o oposto daquilo a que estamos habituados.
    Beijinho

    ResponderExcluir
  26. Nosso rebanho de cabrinhas ficou no chinelo fácil!!! rsrsrs
    Muito bom o post. Vou ser sincera, nunca tive vontade de conhecer a India exatamente por ter coisas que prefiro não enfrentar (sujeira, miséria, caos, multidão). Agora descobri que o transito é um aiaiai sem fim! Que experiência, Claudia! O que mais percebi nesses últimos posts é um turbilhão de emoções. Essa última viagem mexeu mesmo com vc, não? Parabéns e aguardo os próximos posts (sempre que a internet das Américas me proporcionarem minutos on line rsrsrs)
    Beijos, Marina

    ResponderExcluir
  27. Marina,

    Emoções não faltaram nessa viagem!!!! Mas, vocês também não ficam atrás. Uma aventura de um ano não é para qualquer um...

    Difícil é ficar sem internet. No Butão fiquei completamente incomunicável. Sem telefone e com internet apenas numa sala do hotel, nas horas que ela resolvia funcionar. Era uma conexão via Mongólia. Muito doido. E, adorei ficar menos tecnológica. Às vezes é bom desconectar.

    Beijos

    ResponderExcluir
  28. Lugares de sonhos, só para variar.....Claudia, suas fotos estão absolutamente incríveis!
    Como você consegue filtrar imagens lindas assim no meio do caos?????
    Conheço um indiano que está fazendo doutorado nos EUA e disse que já está ficando doente de tanta saudade da bagunça de Nova Deli, é mole??!!

    Beijinhos e bons ventos!

    Bia
    www.biaviagemambiental.blogspot.com

    ResponderExcluir
  29. Parabéns pelo post! Você conseguiu passar muita emoção. Confesso que a India está fora dos meus planos, mas adorei ler seus relatos e espero pelos próximos.

    ResponderExcluir
  30. Parabéns pelo post! Você conseguiu passar muita emoção. Confesso que a India está fora dos meus planos, mas adorei ler seus relatos e espero pelos próximos.

    ResponderExcluir
  31. Ah, Bia!

    A bagunça de Delhi é parte do contexto. Que lugar incrível. Cheio de história, pessoas coloridas, muita pimenta, barulho constante. Um caos fantástico. rs

    Eu gostei demais da Índia. E sei que poucas pessoas tem vontade de ir até lá. Cada cabeça uma sentença! Nem adianta tentar explicar o que move cada um...

    Um beijo

    ResponderExcluir
  32. Patrícia,

    Adorei sua visita. Em breve colocarei o próximo post no ar. Sobre Delhi.

    Beijo

    Claudia

    ResponderExcluir
  33. uau fotos incriveis e detalhes mais ainda, vc escreve mto bem e conseguiu repassar o que sentiu visitando esse país tão diferente em todos os sentidos ! adorei ! quero mto conhecer. bjs

    ResponderExcluir
  34. Gabi,

    Ir à Índia é uma viagem muito marcante. Eu adorei. Espero que você também goste quando for até lá.

    Beijos

    ResponderExcluir
  35. Olá Cláudia, tudo bem? Estou devorando os seus posts da Índia. Irei passar alguns dias trabalhando e, no fim, vou dar uma escapada para Delhi e Agra. Gostaria de saber se você tem alguma sugestão de guia com veículo para fazer a viagem/ passeio de Delhi para a Agra. Estou com muita insegurança quanto a isso e quanto a escolha do hotel. Como você falou em um dos seus posts, e como eu venho lendo em outros blogs, é melhor pagar um pouco a mais e garantir uma boa estadia. Você gostou de onde você ficou? Obrigada!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!