BOGOTÁ PÓS PABLO ESCOBAR


Até aqui a Colômbia nunca tinha despertado meu interesse. Um país que carrega um estigma pesado em função do histórico de guerrilhas violentas financiadas pelo narcotráfico por mais de 50 anos. Pablo Escobar foi o personagem mais forte dessa epopeia. Então, o presidente Juan Manuel Santos firmou um acordo de paz com as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), em dezembro de 2016, negociando o desarmamento do grupo guerrilheiro mais antigo da América Latina e a erradicação do cultivo das drogas ilícitas que bancavam as armas. Foi um processo longo, que levou mais de 4 anos de negociação, rendeu um Prêmio Nobel da Paz ao governante e aguçou minha vontade de conhecer o país.

Enfim, Bogotá!


Uma escala em Bogotá fazia parte do meu voo Brasil – México, com a Avianca, e eis que surgiu a chance. Foi assim que fiz um pitstop de quatro dias para ter o primeiro contato com o país. As expectativas eram baixas. Eu já tinha ouvido falar muito bem e muito mal da Colômbia. As versões de amigos que conheciam o país eram absolutamente divergentes. Talvez, por isso mesmo, tenha sido uma bela surpresa. Não idealizei nada. Deixei o barco correr, li pouca coisa antes de chegar e quer saber? Me senti muito segura. Encontrei uma capital de múltiplas facetas, com história, arte, cultura em ebulição, restaurantes incríveis e muita amabilidade. Aproveitei da melhor maneira possível o astral colorido e contagiante da capital colombiana.


Vendedor de artesanato na Praça de Usaquén, Bogotá. 

BOGOTÁ NA PRÁTICA

Bogotá é uma cidade enorme, a maior da Colômbia e a quarta maior da América do Sul. É cheia de áreas verdes, parques e praças. Prédios de tijolinhos dominam a arquitetura nos bairros residenciais. Tem ao redor de 9 milhões de habitantes. O trânsito é danado! Tem até rodízio de carros com base nos números das placas, como em São Paulo. No entanto, é fácil de se localizar na cidade pois ela se estende num altiplano próximo a Cordilheira dos Andes e a região montanhosa ajuda muito.

Se por um lado as montanhas servem como uma boa referência em termos de localização, por outro, quanto a altitude... deixa os visitantes lentos, preguiçosos e sonolentos. Afinal, a cidade está a 2.640 metros acima do nível do mar. Não é pouco. Mas, também não chega a atrapalhar a viagem como em Cuzco, por exemplo. É tranquilo.

Centro antigo de Bogotá. 

Devido a altitude e proximidade da cordilheira, Bogotá costuma ser chuvosa e ter bastante nebulosidade. Prepare-se para momentos de sol intercalados com chuva. Já, a temperatura é agradável e não varia muito ao longo do ano, mas varia muito ao longo do dia. Costuma ir de 10 a 20 graus Celsius. Os períodos mais secos são de junho a agosto e de dezembro a março. Entre abril e maio, setembro e novembro chove mais. Olha aí a dica para programar a viagem.


Tempo nublado é uma constante em Bogotá, mas as cores fortes garantem um super astral.

Para facilitar seu deslocamento em Bogotá saiba que as ruas são numeradas mais ou menos como em Nova York. As grandes avenidas ou “carreras” recebem numeração a partir da área montanhosa, correndo paralelamente a ela. Já, as ruas menores ou “calles” correm perpendicularmente. Muito fácil. 


Poucas são as ruas com nomes em Bogotá e mesmo assim, elas são numeradas.


O MELHOR DE BOGOTÁ

Em termos práticos dá para se dizer que quatro são os principais bairros a serem visitados em Bogotá: Candelária, Zona G, Usaquén e Zona Rosa com Parque de la 93, além das regiões de Zipaquirá e Chia, mais distantes do centro e onde ficam respectivamente a Catedral de Sal e o emblemático restaurante Andrés Carne de Res. 


Grafites coloridos são uma constante nas ruelas do centro de Bogotá. 

O centro histórico - também conhecido como La Candelaria - é o coração histórico e político de Bogotá. A Plaza Bolivar é o principal marco da independência do país, que teve início em 1810. A praça recebeu esse nome em homenagem a Símon Bolívar, um homem que lutou pela libertação das colônias hispânicas. Ao redor da praça fica o Palácio da Justiça, o Capitólio Nacional, o Palácio da Prefeitura (Alcadia Mayor), a Casa del Nariño (Sede do Governo), a Catedral Primada, o Museu da Independência Casa del Florero que conta sobre a libertação da Colômbia e o Escritório de Turismo de Bogotá de onde partem algumas excursões guiadas gratuitas pelas ruas do centro histórico. O policiamento é forte na região.


Plaza Bolivar.

Interior da Catedral Primada.

Museu da Independência Casa del Florero.

A alguns passos da Catedral procure pelo restaurante-doceria La Puerta Falsa, um ícone na cidade, desde 1816. Ele é o mais antigo de Bogotá e vive lotado. É muito simples e bem pequeno. Conseguir sentar numa das poucas cadeiras do restaurante é pura sorte. O forte da casa são os bolos típicos como o de milho, os pães colombianos como os“arequipes”, doces, sanduíches e o chocolate quente.


La Puerta Falsa.

Ande mais um quarteirão e visite o espetacular Museu-Igreja de Santa Clara. Esse é o único prédio que ainda existe do Real Monastério de Santa Clara de Santafé. Ele foi construído em 1625 e ficou sob a tutela da comunidade das monjas clarissas até 1863. O convento foi demolido no início do século XX e hoje, a igreja, abriga um belíssimo museu. O valor do ingresso é 3.000 COP por pessoa (ao redor de 3 reais). Não deixe de visitar. É tudo pertinho.


Observe no final da rua, à direita, a torre do Museu de Santa Clara.


Museu de Santa Clara.  


 Esse foi o único prédio que sobrou do Monastério das Monjas Clarissas.

Outro museu imperdível, também no centro, é o Museu Botero. Ele abriga uma coleção de 123 obras doadas pelo próprio artista colombiano famoso por suas gordinhas e gordinhos (que fez a doação com a condição de que não fosse cobrado ingresso de entrada) e mais 83 obras de outros artistas reconhecidos internacionalmente, como Miró, Chagall, Klimt, Dalí... 

A Casa da Moeda fica exatamente ao lado do Museu de Botero Aproveite para visitar os dois. São gratuitos.



A simpática Monalisa de Botero. 

Siga pela Carrera 7, uma rua de pedestres, e você chegará ao fantástico Museu do Ouro. São sete andares dedicados à ourivesaria pré-hispânica. O valor do ingresso é 4.000 COP por pessoa (ao redor de 4 reais). Esse museu é um dos pontos altos de Bogotá.


Máscara do Museu do Ouro. 

Adereços em ouro. 


Rua movimentada em frente ao Museu do Ouro. 

Dali, ande pelas ruelas grafitadas do centro histórico, onde a arte divide espaço com a história. A cidade costuma ser tão nublada que os grafites trazem vida e cor aos tons acinzentados habituais. Os motivos dos grafites são variados, vão de honra aos deuses até críticas ao governo.


 Grafites no centro de Bogotá.

Quando cansar sente num dos tantos cafés da cidade para uma pausa, aliás o café colombiano é tido como um dos melhores do mundo.

Também visite o Teatro Colon, o Chorro de Quevedo que é o marco da fundação da cidade em 1538 e o Santuario Nuestra Señora del Carmen.


Ao fundo, a torre do Santuario Nuestra Señora del Carmen. 

O interior do Santuario Nuestra Señora del Carmen é belíssimo.

No mais, ande sem pressa pelas ruas do centro e preste atenção aos detalhes, às cores, ao artesanato e a vida de Bogotá. Uma cidade encantadora e de pessoas extremamente receptivas.

Pelas ruas do centro histórico de Bogotá.

A vida como ela é, em Bogotá.

A seguir suba até o Monserrate e ao Cerro de Guadalupe, duas montanhas que ficam lado a lado e de onde se vê a cidade toda. É como subir ao Pão de Açúcar. Ao Monserrate dá para ir de teleférico ou funicular (ou dois custam o mesmo valor) ou caminhando pela trilha. Já, ao Cerro de Guadalupe só de carro. Se for subir a pé faça antes uma aclimatação de 1 ou 2 dias para não perder o fôlego com a altitude.


A caminho do funicular de Monserrate.

O bairro a seguir chama-se Zona G – pólo gastronômico - foi o bairro que escolhi para ficar hospedada por ser mais central e facilitar a locomoção pela cidade. Recomendo totalmente o Hotel Four Season Casa Medina. Muito bem localizado e com excelente serviço. 

Ao redor dele tem vários restaurantes, meu favorito foi o sofisticado CRITERION, de comida francesa, com pratos muito bem elaborados.  Calle 69 A N 5 75. Telefone +57 310 1377.


Four Seasons Casa Medina, um hotel para lembrar com carinho.

A Zona Rosa/Zona T é o reduto do comércio elegante de Bogotá, o bairro da moda. O point fica entre as ruas 79 e 85, onde estão os shoppings Andino, El Retiro e Atlantis Plaza, além de muitas lojas de rua. Também há vários restaurantes, bares e cafés espalhados pela Zona T (de pedestres) e nos arredores do novo Parque de la 93. 

Juan Valdez é uma das redes mais famosas de café da Colômbia e tem uma casa bem na esquina do Parque de la 93. Esse é outro lugar interessante para ficar hospedado. O Four Seasons Bogotá fica nessa região, mas ele é menos charmoso do que o Four Seasons Casa Medina.


Zona Rosa, o point do momento.

Reserve um domingo para ir ao tradicional bairro de Usaquén quando tem uma feira de rua com artesanato local das 9:00 as 17:30 horas. Antes de cair nas comprar aproveite para experimentar o brunch colombiano no Abasto. Não deixe de provar os pãezinhos chamados de "arepa". Deliciosos!


Abasto, um lugar excelente para fazer um brunch ao estilo colombiano.

Prove as "arepas". 

Depois do brunch caminhe pelo Mercado das Pulgas de Usaquén.
As bolsas Wayuu representam com força a cultura colombiana.

Programe uma ida até Zipaquirá onde fica a imperdível Catedral de Sal (clique AQUI) e no caminho de volta almoce no restaurante-balada Andrés Carne de Res, um “must go” em Chia, a 40 minutos de Bogotá. De noite, o restaurante é mais animado, mas como fica longe preferi almoçar. 

Catedral de Sal. 

O restaurante ANDRES CARNE DE RES é um lugar muito diferente e interessante. A casa tem espaço para receber até 3 mil pessoas. O cardápio tem 50 páginas, excelentes carnes e serviço muito atencioso apesar do volume de clientes. De noite tem shows de música colombiana, eles adoram salsa e rumba. A casa tem dois endereços. Um deles, o mais antigo e tradicional fica em Chia, na Calle 3 # 1 1 A – 56. Legal para almoçar quando for até a Catedral de Sal, pois fica no caminho. O outro fica em Bogotá mesmo, na Zona Rosa, na Calle 82 # 12 – 21, mas não é tão interessante, funciona mais como uma espécie de “fast food colombiana”. Dizem por lá que o primeiro dono do restaurante se chamava Andrés e colecionava peças de decoração das viagens que fazia pelo mundo. Um dia resolveu abrir um restaurante e decorar com suas lembranças de viagem. Deu tão certo que o restaurante virou atração turística. Experimente a deliciosa sopa colombiana “ajiaco” com aipim, frango e milho; as “arepas” que são pãezinhos feitos de milho; as panquecas de plátano com queso; e, claro, as carnes, que dão o nome à casa e são maravilhosas.


Andrés Carne de Res.

Programe pelo menos quatro dias para conhecer a cidade com calma. 

EM QUAL BAIRRO SE HOSPEDAR


O centro de Bogotá é um lugar cheio de história e encantador para se ver sob a luz do dia. Quando a noite cai, o frio toma conta, as ruas esvaziam e o bairro fica até perigoso. Portanto, não considero o melhor lugar para ficar hospedado, até porque é longe dos pólos de gastronomia e das zonas mais elegantes. Sugiro a Zona G ou a Zona Rosa, os bairros mais centrais. 


COMO CHEGAR EM BOGOTÁ

A Avianca é a melhor opção para chegar a Colômbia. Tem aviões novos e bom serviço de bordo. As cadeiras da classe executiva reclinam completamente, na maioria das aeronaves. Do Rio até Bogotá a duração do voo é de pouco mais de 6 horas.


Para ir do Aeroporto Internacional El Dorado até seu hotel indico que contrate um transfer antecipadamente. Além de garantir sua segurança, vai agilizar a chegada. Caso prefira tomar um táxi, saiba que há caixas eletrônicos e casas de câmbio para fazer retirada de pesos colombianos ou para fazer conversão de moeda, tanto no terminal de desembarque como no saguão do aeroporto.


MOEDA

A moeda usada no país é o Peso Colombiano. Leve Dólares para trocar por COP. É mais fácil.

1 dólar vale 2.942,00 pesos colombianos.


1 real vale 926 pesos colombianos. 

MELHOR MANEIRA DE CIRCULAR EM BOGOTÁ

Vale lembrar que tomar taxi na rua não é muito indicado em Bogotá. Além disso, a cidade não conta com bom serviço de transporte público. Não tem metrô e o trânsito é caótico. Por isso, contratei dois motoristas indicados pelo hotel que indico para vocês:
  • William Ortiz, e-mail williamorlando03@hotmail.com, telefone +57 301 366 5346 (ele fala inglês, morou nos Estados Unidos, tem wifi no carro e usa Whatsapp) 
  • Rodrigo Lozano, um engenheiro que sabe tudo sobre a história do país, muito gentil e funciona até como guia, e-mail lbernal35@yahoo.com, telefone +57 315 835 3500 para whatsapp. 
Precisei de duas pessoas com placas de carro de final diferente, pois assim como em São Paulo, Bogotá faz rodízio de veículos.

Também usei Uber e gostei muito do serviço na cidade.


Uber funciona muito bem em Bogotá. Eles chegam rapidinho em qualquer canto da cidade.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS


Leve passaporte ou carteira de identidade (prefiro sempre o passaporte) e Certificado de Vacinação contra Febre Amarela.


COLÔMBIA NO MAPA

A vizinhança é grande. A Colômbia faz fronteira com Venezuela, Equador, Peru, Panamá e com o Brasil, no estado do Amazonas. O país é privilegiado  em termos de localização. Tem praias tanto no Pacífico como no Caribe, uma grande área montanhosa e parte da Floresta Amazônica na fronteira com o Brasil. Uma tremenda diversidade.

Mapa da Colômbia.

LOCAIS MAIS VISITADOS DO PAÍS
  • Bogotá, a capital
  • A coloridíssima Cartagena, principal cartão-postal ao norte do país
  • Villa de Leyva com suas charmosas ruas de pedra aos pés dos Andes, a 3 hs de carro de Bogotá
  • Medellín, a segunda maior cidade colombiana, onde nasceu Botero 
  • Parque Arqueológico San Agustín com seus misteriosos bonecos de pedra
  • A cidade colonial de Popayan
  • Ilha de San Andrés, que na verdade fica mais perto da Nicarágua do que da Colômbia, e de lá dá para ir até a ilha Providência num voo de 20 minutos
  • Vilarejo de Guatapé onde ficam os lagos do monte El Peñol
  • Ao sul do país, região amazônica na divisa com o Brasil.

Será que tenho motivos para voltar?


LEIA TAMBÉM

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Bom dia Claudia
    Lindas fotos e ótimos detalhes
    Uma dúvida: posso levar reais ? Tem bom câmbio para nossa moeda em Bogotá ?
    Obrigado
    Abraços VS

    ResponderExcluir
  2. Bem bacana o post. Temos um colega colombiano lá no Congo. Temos viajado pouco, por conta da obra, sinto falta. Beijos.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!