HALONG BAY, A BAÍA DO DRAGÃO

Por Claudia Liechavicius

Parti de Hanói rumo a Halong Bay na entrada do inverno, num dia acinzentado. O sol até tentava espiar timidamente entre as nuvens, mas não tinha muito sucesso. Depois de rodar três horas de carro, com muita expectativa, finalmente surge a esperada cortina de montanhas de dolomita e calcário. São 1969 ilhotas misteriosas que despontam de dentro do mar.


A imaginação começa logo a dar voltas por conta da lenda que diz que as ilhas surgiram quando um dragão mergulhou no golfo para impedir a entrada de inimigos no Vietnã e ao sacudir a cauda, quebrou a montanha em muitos pedaços criando rochas em formatos que dão asas à criatividade: "o galo e a galinha",  "chopstick de jade",  "o velho pescando"... O astral é realmente mágico.

Por do sol em Halong Bay, Vietnã. 

Halong Bay ocupa uma área enorme de 1.500 quilômetros quadrados no Golfo de Tonkin, nordeste do Vietnã. É formada por um labirinto de formações rochosas considerado Patrimônio Mundial da UNESCO. A baía também foi eleita uma das Sete Maravilhas da Natureza. Não é à toa que é o lugar mais visitado do país. Ir ao Vietnã é não conhecer Halong Bay é como ir à Roma e não ver o Papa. No ano passado quase 3 milhões de pessoas visitaram a região.

Vista aérea de Halong Bay.

Para explorar Halong Bay é preciso de um barco. Eles partem do pier de Tuan Chau que é bem organizado. Tem boa infra-estrutura turística. Cada empresa tem um escritório com sala de embarque, wifi (bem rudimentar mas tem) e acomodações para o tempo de espera até o momento de entrar no navio. Há barcos de todos os preços e tamanhos. Dá para alugar um só para você, para poucos casais ou um de vários andares. Tudo depende do seu estilo. Os passeios podem ser de apenas um dia, dois, três ou uma semana. Na verdade, a viagem fica muito mais confortável e ágil alugando um barco privado com guia só para você, mas o preço sobe. Fuja das embarcações antigas para não ter problemas. E, faça sua reserva com antecedência, especialmente se optar por embarcações mais luxuosas e exclusivas.

Algumas pessoas optam por fazer um tour de um dia e depois dormem num dos hotéis da região. Vale lembrar que tudo é muito simples em termos de hotelaria por ali. Os vietnamitas até optam bastante por ficar hospedados em Bai Chay ou Hon Gai. Mas, não há nada de especial.

Barcos partindo para passeio em Halong Bay. 

Optamos por uma embarcação da empresa Legend, mas tem várias empresas. O embarque foi pela manhã e o almoço servido a bordo, depois do drinque de boas vindas e apresentação aos tripulantes. A comida vietnamita é deliciosa. Sua base é o arroz. Tem um toque francês-chinês-tailandês e um pouco de pimenta.

Então, o barco começou a deslizar lentamente, sem pressa pelo labirinto montanhoso. Halong Bay pede um ritmo desacelerado. Por dois dias inteiros não consegui parar de suspirar com o capricho da mãe natureza. A gente se sente pequeno no meio daquela imponência.

Quadro de Halong Bay exposto num mercado de artesanato. 

A Baía de Halong oferece cenários incríveis. São muitas montanhas em formatos inusitados emolduradas por um mar de cor azul safira. No interior das montanhas há várias grutas e cavernas repletas de estalactites e estalagmites iluminadas por refletores coloridos. Em alguns cantinhos escondidos algumas praias pequenas de areia se formam. Nos locais mais abrigados do golfo vive a população local em vilas flutuantes já que as ilhas são inabitadas tanto devido à sua formação natural quanto para preservação ambiental. O modo como vivem é de deixar qualquer um perplexo, especialmente por se tratar de um lugar sujeito ao humor das monções e que tem uma média de 6 tufões por ano.

Hang Sung Sot ou Caverna da Admiração.

A primeira parada do barco foi numa vila flutuante. Comunidades inteiras vivem em plataformas sobre o mar formadas por casas-barco que tem até escola, horta, canil, posto de combustível. São quase 2 mil pessoas espalhadas pela baía. As famílias de pescadores adaptaram seu modo de vida às possibilidades da região. E vivem felizes da pesca e do turismo. Fui à várias dessas comunidades. Pois, como a temperatura da água estava baixa, optamos por não ir às praias de Bay Chan e Quan Lan fazer os passeios de caiaque. Vantagens de ter um barco privado. Você monta seu roteiro.

 
Vilas flutuantes de Halong Bay.

No final do dia, aula de culinária vietnamita e um jantar delicioso seguido de um relax ao luar. Para pernoitar no mar, os barcos procuram parar próximos uns dos outros para garantir a segurança. No dia seguinte, aula de Tai Chi Chuan as 6 horas para despertar seguida de café da manhã e visita a Caverna da Admiração ou Hang Sung Sot

Essa é a maior caverna da baía. Foi descoberta por exploradores franceses em 1901. Eles colocaram esse nome por ficarem admirados com sua grandiosidade. A caverna tem uma escadaria de acesso e lá dentro são vários salões com caminhos sinalizados e iluminação colorida que valoriza as estalactites e estalagmites. Uma das formações que mais chama atenção e que os guias fazem questão de mostrar com um sorriso maroto é a pedra em forma de falo, símbolo da fertilidade. Mais adiante, outras formações lembram sentinelas conversando, um tigre, um dragão e o que mais a imaginação permitir. 

Além dessa caverna há outras abertas a visitação: Dau Go (Caverna das Estacas ou Gruta das Maravilhas), Trinh Nu (Caverna Virgem), Thien Cung Grotto (Caverna do Palácio Celestial)...

 Entrada da Caverna da Admiração.


 Essa pedra em formato fálico é um dos ícones da caverna. 
Reverenciada pelos vietnamitas como símbolo de fertilidade.


 Hang Sung Sot, Caverna da Admiração em Halong Bay.

COMO CHEGAR 

Os hotéis de Hanói oferecem facilmente vans, carros privados ou ônibus para o percurso Hanói-Halong Bay. Também tem a possibilidade de voar num hidroavião da empresa Hai Au para Hanói. O avião é novíssimo, o piloto canadense é bem experiente e o visual espetacular. Indico fazer um trecho de carro, pois a estrada é interessante passando pelo meio de vilarejos e plantações de arroz e outro de hidroavião.

 Hidroavião da companhia aérea Hai Au para fazer o trajeto Halong Bay-Hanói.

MELHOR ÉPOCA PARA IR

No Vietnã chove muito o ano inteiro. No norte do país é frio no inverno, de novembro a janeiro. Julho costuma ser alta temporada para os europeus e para os vietnamitas de agosto a setembro. No entanto, esses meses costumam ter tufões. A média são 6 por ano devido às monções que vão de maio a outubro. Então, faça suas apostas e sua escolha.


Halong Bay é definitivamente um daqueles lugares mágicos onde a calma, o encantamento e o silêncio tomam conta. 
A paisagem é surreal e faz juz ao título de ser uma das Sete Maravilhas da Natureza.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Claudia
    O ingles foi a lingua usada por voce no Vietnan?
    As suas fotos, como sempre, maravilhosas!
    Abs
    Vinicius

    ResponderExcluir
  2. Oi Claudia!
    O lugar é absolutamente fantástico, como os sonhos! Mas o que me fascina e foge das, sempre, belas paisagens, é a beleza e os segredos das cavernas... entrar num mundo que conhecemos tão pouco é algo inusitado e surpreendente!
    Belas viagens!

    Beijinho <°))))<

    Bia

    ResponderExcluir
  3. Oi Regina,

    Lindo mesmo. A natureza caprichou bastante por ali. Rs.

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Vinicius,

    O idioma oficial é o vietnamita, mas com inglês dá para se achar. Sem tem alguém que arrisca umas palavrinhas em inglês, especialmente os mais jovens. Nos hotéis, o inglês é bastante falado.

    ResponderExcluir
  5. Bia,

    São muitas caverna. Lindas. Enormes. Fui apenas em uma delas, mas dá para visitar várias. Esse lugar é muito especial e apesar de bastante turístico continua bem preservado.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Oi, Cláudia. Tudo bem? :)

    Seu post foi selecionado para o #linkódromo, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Bóia – Natalie

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!