OS CÂNIONS DE CAMBARÁ DO SUL


A quase mil metros de altitude a pequenina cidade gaúcha de Cambará do Sul se exibe faceira entre os Cânions Itaimbezinho e Fortaleza. A cidade em si não tem muito a oferecer. Se estende praticamente ao longo de uma rua principal. Mas, no Parque Nacional de Aparados da Serra e no Parque Nacional da Serra Geral a natureza se inspirou de verdade. Esculpiu imensos paredões que fazem a gente se sentir pequeno e suspirar de encantamento. Vez ou outra, as nascentes dos rios que correm pelo planalto rumam para os desfiladeiros e despencam sem medo na forma de cachoeiras. É um espetáculo que merece reverência.

 Cânion Itaimbezinho.

Esse tesouro nacional começou a ganhar fama depois de servir como cenário para a novela Chocolate com Pimenta, para a minissérie A Casa das Sete Mulheres e para o filme Anahy de las Missiones.

Pelo menos dois dias são necessários para conhecer um pouco da região. Escolhi o Parador Casa da Montanha para me hospedar, por ficar numa região privilegiada com vista para os vales dos Campos de Cima da Serra e pelas acomodações em barracas de luxo que seguem o conceito de “glamping” inspirado nos lodges africanos. Acertei na mosca. Melhor impossível. O hotel tem acomodações impecáveis e serviço muito atencioso.

Parador Casa da Montanha.

No primeiro dia explorei o Cânion Itaimbezinho que fica a menos de 10 quilômetros do hotel, por estrada de terra. As estradinhas internas da região não são muito boas. A velocidade dos percursos se torna lenta por esse motivo. Ao chegar na entrada do parque é preciso pagar uma pequena taxa de estacionamento (5,00 reais) e ingresso para cada visitante (10,00 reais). O Parque Nacional de Aparados da Serra tem uma boa estrutura. É controlado pelo órgão ambiental do governo ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Tem sede com banheiros, auditório e funcionários disponíveis para dar informações. 

Centro de Visitantes de Itaimbezinho

O Cânion Itaimbezinho fica no Parque Nacional de Aparados da Serra, na fronteira do Rio Grande do Sul com Santa Catarina. Sua extensão é de 5,8 quilômetros e sua altura gira ao redor de 700 metros. O cânion tem arroios e rios que formam a Cascata Véu da Noiva e a Cachoeira Andorinhas. Está entre os maiores cânions do mundo. A beleza da região é impressionante. 


Cânion Itaimbezinho, Cambará do Sul.

É possível fazer três trilhas no parque:
  • Trilha do Cotovelo. Entrada das 8-15 horas. Sem guia. Borda do planalto. Cambará do sul.
  • Trilha do Vértice. Entrada das 8-17 horas. Sem guia. Borda do planalto. Cambará do Sul.
  • Trilha do Rio do Boi. Entrada das 8-13 hs. Recomendado guia. Fundo do cânion. Praia Grande.

A Trilha do Cotovelo tem 6 quilômetros contando ida e volta. O terreno é um pouco irregular, mas a caminhada é fácil. Fiz o percurso todo em duas horas com direito a várias paradas para contemplar e tirar fotos. Lembre-se que essa trilha fica aberta até as 15:00 horas para entrada. Ao longo da trilha há vários mirantes. Ela é toda protegida por cercas e bem sinalizada.

Um dos mirantes da Trilha do Cotovelo

Paredões de pedra de 700 metros no Cânion Itaimbezinho

Impossível não parar para contemplar a beleza do Cânion Itaimbezinho

A Trilha do Vértice é mais curta. Tem menos de um quilômetro e pode ser feita em meia hora. A luz da manhã é mais bonita para ver as cachoeiras desse lado do cânion.

Trilha do Vértice, Cânion Itaimbezinho.

 As araucárias são presença constante no cânion. 

Trilha do Vértice, no Cânion Itaimbezinho, Parque Nacional de Aparados da Serra.

Já, a Trilha do Rio do Boi é feita no fundo do cânion. Seu percurso de ida e volta é de oito quilômetros. Tem grau de dificuldade alta por ser feita entre pedras e em alguns trechos por dentro d'água. A água pode chegar até a altura dos joelhos. O tempo de caminhada é de mais de 5 horas. Não fiz essa trilha por ter visitado a região em dias muito frios, no mês de maio.

No final do dia, depois de muita aventura, nada como aproveitar o hotel para relaxar. Uma jacuzzi na varanda do quarto, uma partidinha de sinuca, uma roda de chimarrão, um bom papo ao redor da lareira e um jantar sem pressa antes de dormir na barraca mais deliciosa e luxuosa do Rio Grande do Sul.

Glamping, acampamento com muito glamour, no Parador Casa da Montanha

O dia seguinte foi dedicado ao Cânion Fortaleza que fica a 23 quilômetros de Cambará do Sul, no Parque Nacional da Serra Geral. Esse parque é mais rústico, não tem muitas cercas de proteção. Eu diria até que é mais perigoso, apesar de também ser controlado pelo ICMBio. Tem apenas uma pessoa inspecionando a entrada do parque. Ele explica quais as trilhas disponíveis aos visitantes e libera o acesso. Não é cobrado ingresso. O cânion tem 7,5 quilômetros de extensão. É de uma imponência impressionante. Seus paredões cobertos de vegetação lembram muralhas. É daí que vem o nome, Fortaleza.

Fiz duas trilhas nesse cânion:
  • Trilha do Mirante e Borda do Cânion (subida de aproximadamente 2 quilômetros)
  • Trilha da Cachoeira do Tigre Preto e Pedra do Segredo (atravessa por dentro do rio)

Iniciei pela Trilha da Cachoeira do Tigre Preto. Ela é a primeira a ser indicada no parque. Não é muito longa. É maravilhosa e divertida. Depois de caminhar ao redor de 500 metros é preciso atravessar por dentro do Arroio do Segredo pulando sobre as pedras. Esse inocente riacho subitamente  despenca dando origem à Cachoeira do Tigre Preto. Espetacular. Mais uns 500 metros e dá para ver a Pedra do Segredo, um bloco de rocha de 5 metros de altura, que pesa em torno de 30 toneladas e se equilibra numa base de 50 centímetros. Quase um milagre. Por isso recebe o nome de Pedra do Segredo.

É preciso atravessar o Arroio do Segredo para chegar ao lado mais bonito do Cânion Fortaleza. 

O Cânion Fortaleza é belíssimo.  Suas paredes são cobertas por vegetação.


 Cachoeira do Tigre Preto, no Cânion Fortaleza.

Cânion Fortaleza.

A seguir, indico subir a Trilha do Mirante para ver do alto a grandiosidade da natureza. São quase dois quilômetros morro acima. É preciso ter bom preparo para subir. Não indico para pessoas idosas ou com problemas de locomoção. Nos dias mais claros dá para ver o litoral gaúcho.


Trilha do Mirante, Cânion Fortaleza.

O Brasil tem tanta beleza natural que não para de surpreender. Sugiro dois ou três dias para explorar a região com calma.

ONDE FICA

Cambará do Sul fica no nordeste do Rio Grande do Sul e faz divisa com a cidade de Praia Grande, em Santa Catarina. De Porto Alegre são 115 quilômetros até Gramado e depois mais 125 quilômetros até Cambará do Sul. Total de 240 quilômetros. Também é possível chegar por Santa Catarina, por Praia Grande que fica a 300 quilômetros de Florianópolis.

COMO EXPLORAR A REGIÃO

O ideal é alugar um carro em Porto Alegre para explorar a região confortavelmente e sem pressa. 

INDICAÇÃO DE HOTEL

Parador Casa da Montanha. Hotel espetacular. Recomendo para quem quer viver uma experiência bacana ao visitar os cânions. Serviço espetacular. Conceito de acampamento de luxo. Experiência inusitada e incrível. www.paradorcasadamontanha.com.br

INDICAÇÃO DE GUIA

Com a ajuda de um guia dá para explorar o fundo dos cânions em caminhadas de até 14 quilômetros. Indico o Max Nazário. Contato +55 54 3251-1173.

CONHEÇA TAMBÉM

Cachoeira dos Venâncios, a 17 quilômetros de Cambará do Sul para quem vai em direção a São Francisco de Paula. São 4 quedas d’água com piscinas naturais.

Cânion Monte Negro em São José dos Ausentes.

Cânion Malacara com 3,5 quilômetros de extensão e profundidade de quase 800 metros. Ainda pouco visitado. Fica no Parque Nacional da Serra Geral. Tem piscinas formadas por quedas d’água.

Cânion Churriado fica na mesma região do cânion Malacara, mas é menor. Tem 3 quilômetros e profundidade que varia entre 200 e 700 metros. É pouco visitado. Fica no Parque Nacional da Serra Geral.


 Cambará do Sul e seus cânions espetaculares. Vale a viagem. Recomendo

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Uma delícia de passeio para quem gosta de aventura. A imensidão dos cânions e cachoeiras, as lindas araucárias e o ar puro fazem jus aos Campos de Cima da Serra. O Parador Casa da Montanha acolhe com conforto e luxo na medida em perfeita harmonia com o contexto rústico. Lindo texto Claudia! <3 Bjo

    Débora A.

    ResponderExcluir
  2. Débora,

    Amei seu comentário.

    Essa região é uma delícia. Natureza ainda intocada. Quero voltar para conhecer o fundo dos cânions. Mas, não abro mão de ficar na suite do Parador Casa da Montanha. O hotel é especial. Escolha que faz a diferença.

    Mil beijos

    ResponderExcluir
  3. Há anos, penso em visitar o Itaimbezinho e arredores. Sempre surge outro passeio no meio do caminho. Teu post serve como mais um incentivo para a viagem. Adorei.

    Bjs
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana é pertinho de Porto Alegre.

      O Parador Casa da Montanha é excelente. Serviço maravilhosos. Cuidado nos mínimos detalhes. As caminhadas pela bordas dos cânions são bem tranquilas. Vai sem medo. É lindo!

      Bj

      Excluir
  4. Eu não estava em Torres...viajava! Se estivesse " em casa", estaria te perguntando: Tão pertinho...por que não me visitaste?
    Lindas fotos. Belo texto. A região agradece. Beijo

    ResponderExcluir
  5. Aldema,

    Que lugar encantador. Você mora ao lado. Pertinho mesmo. Do alto do Cânion Fortaleza dá para ver Torres.

    Mas, você anda sempre Correndo Mundo. Uma hora dessas te encontro por aí. Tenho certeza!!!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Excelente matéria, como sempre!! Fiquei com muita vontade de conhecer esse lugar!! Este blog é de leitura obrigatória antes de qualquer viagem!! Parabéns

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Feliz com seu comentário.

      Volte sempre.

      Excluir

Deixe seu comentário. Obrigada!