SÃO JOÃO DEL REI NA TRILHA DOS INCONFIDENTES


O estado de Minas Gerais é repleto de belas cidades coloniais. São João del Rei é uma delas. Fundada no final do século XVII, guarda em seus caminhos, rastros importantes da história do Brasil. Foi um grande centro de mineração, terra natal do líder da Inconfidente Mineira, Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, e do ex-presidente Tancredo Neves. Atualmente pertence ao Circuito Turístico Trilha dos Inconfidentes. Pois, dos vinte e três inconfidentes, nove moravam na Comarca do Rio das Mortes que tinha como sede São João del Rei.

Maria Fumaça que conecta Tiradentes a São João del Rei.

A cidade foi uma das que mais se desenvolveu na região. Engana-se quem pensa que vai encontrar uma cidade pequenina, como Tiradentes. Não vai! Ruas movimentadas e muito comércio se espalham ao redor do belo patrimônio que São João del Rei preserva com carinho. E é exatamente ali, no centro histórico, às margens do Córrego do Lenheiro, que a Maria Fumaça que vem de Tiradentes chega fazendo alarido e espalhando seu vapor. Ao desembarcar da locomotiva é só sair caminhando pelas ruelas em busca das igrejas, sobrados históricos e museus que contam uma fatia importante da história do Brasil Colônia. Nem precisa de taxi. A Estação de Trem não poderia ser melhor localizada.

Mapa de São João del Rei.

O centro histórico é relativamente pequeno. Se espalha pelas duas margens do Córrego do Lenheiro. Em três horas percorri, sem pressa, os principais pontos de interesse. Comece pela Igreja de São Francisco de Assis. Ela é belíssima e um dos principais marcos da arte colonial brasileira. O projeto teve a participação do Aleijadinho e de Francisco Cerqueira. Sua importância é tamanha que foi tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

Igreja de São Francisco de Assis e as palmeiras imperiais plantadas por Dom Pedro II.

Nos arredores da igreja preste atenção ao casario colonial da rua Padre José Maria. O sobrado branco de janelas azuis e ocre foi onde viveu a inconfidente e poetisa Barbara Eliodora (na foto abaixo). Atualmente, a casa abriga a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e não tem nada de especial para se ver por dentro, apenas uma loja de artesanato bem fraca. O que vale mesmo é a fachada e sua importância histórica. 

Casa de Barbara Eliodora à esquerda, ao lado o casarão do Barão de São João del Rei e a seguir o Passinho da Rua da Prata

Ao lado da casa de Barbara Eliodora fica a residência do Barão de São João del Rei que hospedou o imperador Dom Pedro II em 1881, mas não está aberta a visitação, aliás parece estar temporariamente fechada. A seguir, observe a pequena capela chamada de Passo.

Casa do Barão de São João del Rei

CURIOSIDADE: Os Passos da Paixão de Cristo são pequenas capelas de origem medieval. Foram construídas na cidade, pela Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos, no século XVIII. Simbolizam os episódios ocorridos no caminho de Jesus Cristo ao calvário. Eles só ficam abertos ao público nas celebrações da Via Sacra e procissões durante a Quaresma. O Passo da Rua da Prata representa a sentença de Pôncio Pilatos e começou a ser construído em 1781.

 Passinho da Rua da Prata.

Andando mais alguns metros por essa rua, chega-se ao Memorial Tancredo Neves. É um museu moderno com bons recursos digitais. Tem grande acervo de fotos, documentos, cartas e jornais sobre a vida do ex-presidente do Brasil. Há também uma sala que reproduz o mobiliário original do escritório do político no Solar dos Neves, que fica do outro lado do córrego.

Memorial Tancredo Neves

Então, atravesse a Ponte do Rosário, construída em 1800 e vá em busca da rua das Casas Tortas. Oficialmente, ela se chama Rua Santo Antônio. Uma graça. Repleta de casas antigas geminadas, com as janelas coloridas. Conversando com o morador de uma das casas, ele disse que na época da construção, as pessoas não sabiam como fazer casas que acompanhassem corretamente a inclinação das ladeiras e o resultado era aquele. Quer saber? Charme puro.

Rua das Casas Tortas.

Siga pela avenida Getúlio Vargas e você vai passar pela Igreja Nossa Senhora do Rosário, uma igreja bem simples, mas considerada a mais antiga da cidade. Foi construída pelas Irmandades Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, grupos religiosos sem muitos recursos.

 Igreja Nossa Senhora do Rosário.

O Solar dos Neves e o Museu Regional de São João del Rei ficam nesse largo, em frente a igreja.

Solar dos Neves.

Continuando a caminhada há mais três igrejas que merecem atenção. A primeira é a Catedral de Nossa Senhora do Pilar. Foi construída em 1721 pela Irmandade do Santíssimo Sacramento para substituir a antiga capela que havia sido destruída por um incêndio. Mais tarde passou por reformas e ganhou a fachada atual. É uma das igrejas mais importantes de Minas Gerais.

Catedral de Nossa Senhora do Pilar.

Atrás dela, subindo uma ladeira se chega a Igreja de Nossa Senhora das Mercês. Foi a que mais gostei na cidade. Ela tem cores vibrantes e fica no alto de uma escadaria, acima do Pelourinho, numa rua histórica. Linda! Originalmente foi construída em 1751 e reformada em 1853. Tive o privilégio de assistir a uma missa de sábado, com a igreja repleta de gente.

Pelourinho

 Igreja de Nossa Senhora das Mercês.

E, no final da avenida Getúlio Vargas está a Igreja Nossa Senhora do Carmo. Ela tem um estilo diferente das outras. É mais moderna, ricamente elaborada em estilo rococó. Tem um portão de ferro que demarca a área do cemitério, do lado de fora da igreja.

 Igreja Nossa Senhora do Carmo.

Depois dessa caminhada deliciosa faça uma pausa para um café antes de embarcar novamente na Maria Fumaça para retornar a Tiradentes. São João del Rei é muito graciosa e merece uma visita.

Teatro Municipal de São João del Rei.

PRINCIPAIS PONTOS DE INTERESSE

Igreja de São Francisco de Assis
Memorial Tancredo Neves
Rua das Casas Tortas
Igreja Nossa Senhora do Rosário
Solar dos Neves
Museu Regional
Catedral de Nossa Senhora do Pilar
Igreja de Nossa Senhora das Mercês
Pelourinho
Igreja Nossa Senhora do Carmo
Teatro Municipal
Passeio de Maria Fumaça

DISTÂNCIA TIRADENTES - SÃO JOÃO DEL REI

De trem são 13 quilômetros feitos em 30 minutos.

De carro há dois caminhos. Se for pela estrada de terra que margeia a Serra de São José são apenas 10 quilômetros, se for pela estrada asfaltada são 17 quilômetros. Mas, leva praticamente o mesmo tempo pelas duas.

Serra de São José.

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Que delicia de post. Embora tenha ido duas vezes até BH, ainda não consegui tirar as cidades históricas de minha super lista de lugares imperdíveis. Tenho pensado muito nelas e ler um post delicia desses só faz com que subam na pirâmide de urgências. BjO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paula,

      Eu adoro Minas Gerais e essas cidades históricas lindas. Volto sempre com o maior prazer. Um final de semana é perfeito para ir a Tiradentes, Bichinho e São João del Rei.

      Beijo

      Excluir
  2. São João del Rei foi a terra natal de minha avó, que, junto com seus irmãos, cresceu em alguns destes casarios históricos e brincaram muito por estas ruas com o amiguinho Tancredo Neves.

    ResponderExcluir
  3. Minha filhota estudou no Conservatório de Música de São João Del Rei, essa é outra cidade que costumávamos visitar sempre. Adorável.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!