ALBEROBELLO, NA PUGLIA, DICAS DE UM LUGAR ENCANTADOR


Mil e quatrocentos “trulli” se concentram em Alberobello, na região da Puglia, no sul da Itália. Um lugar ímpar. Diferente de tudo que se pode imaginar. De conto de fadas. Você sabe o que é "trulli"?

São essas casinhas brancas feitas de calcário, com cúpula em forma de cone e telhados de pedra decorados com símbolos religiosos, pagãos, hebraicos ou signos do zodíaco com a intenção de trazer boa sorte. Em italiano, o plural de palavras masculinas é feito com "i" ao invés de "s", por isso se diz um trullo, dois ou mais trulli.

Telhados dos "trulli" de Alberobello.

Não se sabe exatamente a origem dessas construções embora o nome esteja relacionado a antigos túmulos encontrados na área rural romana. O que importa é que eles hoje fazem parte da vida das 11 mil pessoas que vivem em Alberobello seja como moradia, hotel, restaurante ou lojinhas de souvenier.

Artesã vende seus produtos num dos tantos "trulli" de Alberobello.
Os pigmentos dos tecidos são todos naturais, retirados de frutas e verduras.

Alberobello se espalha por dois montes a uma altitude de 428 metros acima do nível do mar. A leste fica a parte mais nova da cidade e a oeste estão os “trulli” considerados Monumento Nacional Italiano desde 1910 e Patrimônio da Humanidade pela UNESCO desde 1996. Eles são construídos com o material existente na própria região. Essa parte da Itália tem solo de pedras calcárias apropriado para esse tipo de construção, além de ser muito fértil. Produz sobretudo olivas, amêndoas e uvas. No século XVI, os camponeses passaram a ser obrigados pelo conde Guercio di Puglia a construir todas as casas nesse formato e com esse material, para que fossem destruídas e reconstruídas em poucas horas no caso de haver inspeção do governo de Fernando Aragona com objetivo de cobrança de impostos. Esse hábito passou a fazer parte da arquitetura da região e moldou uma cidade singular que se tornou independente em 1797 e mantém viva sua tradição até os dias de hoje.

 A singularidade de Alberobello.

O QUE VER

Comece visitando o centro antigo. Ele é dividido em duas partes, como se fossem dois bairros: Aia Piccola e Monti. A cidade é bem pequena. O centro pode ser facilmente percorrido a pé.

Aia Piccola é uma área residencial muito charmosa, de ruas estreitas, com 400 "trulli" um ao lado do outro, todos branquinhos. Alguns deles foram transformados em hotéis. Ficar hospedado num deles é uma maneira genuína de conhecer a "Cidade dos Trulli". 


Vielas de Aia Piccola.

Do outro lado da rua fica o bairro de Monti, como o próprio nome diz essa é a parte da cidade que fica no alto do monte e tem 1.000 "trulli". É uma área mais comercial. Diariamente lojinhas e restaurantes abrem suas portas entre as escadarias para receber os turistas. Alguns "trulli" podem ser visitados por dentro. Eles mantém mobiliário antigo e decoração de época. Funcionam como museus, além de vender artesanato e produtos locais. 

Em Monti não deixe de conhecer a Igreja de Santo Antônio construída em 1927 no formato de "trulli", num terreno doado para os padres Guamelliani. Ela fica em frente a praça Antonio Lipplolis Canonico, toda arborizada e ganha cores lindas ao entardecer. É a igreja mais interessante da cidade. Foi restaurada recentemente.


Igreja de Santo Antônio.

Altar da Igreja de Santo Antônio.

Ainda em Monti visite os Trulli Siameses, nas escadarias da Via Monte Nero. Eles são particularmente interessantes e distintos dos outros pois são formados por duas casas geminadas, mas com entradas em ruas diferentes, unidas pelo mesmo telhado, no formato de uma sela. Reza a lenda que ali viviam dois irmãos que se apaixonaram pela mesma mulher. Ela havia sido prometida ao mais velho. No entanto, se casou com o mais novo. Então, a casa foi dividida entre eles e duas entradas em ruas diferentes foram feitas para evitar que se encontrassem. Curioso, não é?


Trulli Siamesi.

No mais, caminhe sem pressa pelas ruelas. Observe com atenção os detalhes. Entre nas casas. Converse com os vendedores das lojas. Eles adoram contar sobre o passado da região. Com sorte você será convidado a subir num dos terraços para ver a cidade do alto. 


Aia Piccola, Alberobello.

Depois vá até a cidade nova que se espalha ao redor da Piazza del Popolo. Na praça, os moradores locais se reúnem diariamente para aquele papo animado. Alberobello é muito tranquila. É um lugar onde a vida ainda passa sem pressa. 


Piazza del Popolo

A partir da praça basta atravessar e já se vê a Casa D’Amore que hoje é uma galeria de arte, exatamente ao lado do hotel Le Alcove (maravilhoso!) e é uma das construções mais antigas da cidade.

Também visite o Trullo Sovrano, pertinho da zona de pedestres, na Piazza Sacramento. Ele é o maior da cidade. Foi construído no século XVIII, com dois andares. Hoje abriga um museu com móveis e utensílios da época.

Trullo Sobrano.

Na avenida Vittorio Emanuelle, visite a Igreja de Cosme e Damião, os padroeiros da cidade. Ela tem arquitetura em estilo neoclássico e seu interior é aberto à visitação. No dia 26 de setembro acontece em Alberobello a Festas dos Santos Médicos com direito a queima de fogos.

Igreja de Cosme e Damião.

Se tiver interesse em conhecer com mais detalhes a cultura local visite o Museu do Território Casa Pezzola. Ele ocupa o maior complexo de "trulli" que se comunicam internamente. Fica entre a  Piazza del Popolo e Aia Piccola, numa região bem central da cidade.

LE ALCOVE, UM HOTEL INESQUECÍVEL

Se essa é uma região conhecida pela arquitetura especial dos "trulli" nada como ficar hospedado num deles. Escolhi o hotel Le Alcove ao chegar na cidade. Entrei no hotel, pedi para ver os quartos e me apaixonei perdidamente. O capricho é total e o atendimento delicadíssimo, personalizado. São apenas 6 apartamentos feitos em "trulli". Puro luxo. Cama deliciosa, chão aquecido, banheiro novo com amenities L'Occitane e tem o melhor café da manhã que se possa imaginar. Com produtos frescos e tudo preparado na hora. Recomendo totalmente!

Le Alcove.

ONDE COMER MUITO BEM

Estamos falando sobre a Itália. Um lugar muito fácil para se comer bem. Mas indico especialmente três lugares imperdíveis em Alberobello.

La Cantina. Peça os tradicionais "orichiette com carne e verduras", uma massa com formato de orelhinha, prato típico da região. O chef cozinha para poucas meses. A cozinha é aberta e você pode ver a refeição sendo preparada. Faça reserva antecipadamente. O restaurante vive lotado. Mesmo na baixa temporada. É maravilhoso! Fica na rua Vico Lippolis 8, telefone 080 4323473 ou 347 7401588.

Restaurante La Cantina.

Pizza Il Guercio di Puglia. Serve uma pizza retangular enorme de massa levíssima, pois tem um modo diferente de ser preparada. Você vai achar que uma pizza dá para duas pessoas tal o seu tamanho. Mas, peça uma inteira só para você. É de "comer de joelhos".

Trullo Dioro. Nesse restaurante peça só muitos antipastos e um bom vinho. Bom para o jantar.

COMO CHEGAR

Como passamos alguns dias em Roma optamos por alugar um carro em Roma e dirigimos 500 quilômetros até Alberobello, num trajeto de aproximadamente 6 horas com duas paradas. Também é possível descer no aeroporto de Bari que fica a 55 quilômetros ou ir de trem em 10 horas de viagem.

NOS ARREDORES

A cidade de Alberobello serviu como base para visitarmos Locorotondo e Cisternina em um dia e Monopoli e Polignano a Mare em outro. Ficamos 3 dias hospedados no hotel Le Alcove. Depois fomos para Matera, outra cidade italiana imperdível.

Leia o roteiro completo da viagem de uma semana ao sul da Itália AQUI.

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Claudia
    Adorei esta historia das construções temporárias para não pagar os impostos.
    abraços
    VS

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!