ZURIQUE EXALA HARMONIA NAS CORES DO VERÃO

 
Por Claudia Liechavicius 

Que contraste, sair da guerreira Sérvia e cair na pacífica Suiça. Dois países com nomes pequenos, iniciados pela letra “s”, que compartilham territórios europeus, mas não tem nada em comum. Depois de ver os estragos que a discórdia provocou em Belgrado e experimentar uma aura de harmonia em Zurique, fico totalmente convencida de que a bandeira da paz é o melhor caminho para a civilidade.

A tranquilidade impera na bucólica cidade de Zurique. 

Zurique é uma senhora madura, colorida e alegre, especialmente sob o sol forte do verão. É a maior cidade da Suíça, no entanto mantém o charme de outrora. Tem jeitinho de cidade pequena. Ao sair da estação ferroviária nem é preciso um mapa para se localizar em suas ruas, pois o rio Limmat e o lago Zurique se encarregam de guiar o visitante. Considerada uma das melhores cidades para se viver no mundo, segundo o ranking da Mercer, em 2008, além de ser a principal porta de entrada do país. É impressionante sua organização. Do próprio aeroporto, basta tomar um trem pontualíssimo para se chegar ao coração da cidade – estação Hauptbahnhoft - em menos de dez minutos.

 
No verão, a vida acontece ao ar livre às margens do rio Limmat e do lago Zurique.

Para ter certeza de que se está na estação central de Zurique - a Hauptbahnhoft – basta olhar para o teto e procurar o Anjo da Guarda, obra de arte enorme e colorida, assinada por Niki de Saint-Phalle, que flutua no ar suspensa por cabos de aço.

Como o país se manteve neutro nas grandes guerras que assolaram a Europa, Zurique conseguiu se consagrar como um dos principais centros financeiros do mundo. Mas, mesmo com essa reputação, a cidade não ostenta um estilo empertigado. Nos dias ensolarados, o lago vira o ponto de encontro da galera. Muita gente pedala suas bicicletas por ali ou senta num dos tantos restaurantes para comer e aproveitar as cores do verão. Tomar banho de sol na beira do lago é um hábito esquisito e frequente. Muitas mulheres fazem “top less” e chamam a atenção de quem passa à beira do lago.



Basta o sol aparecer para os suiços saírem as ruas em busca de um pouco de melanina. Na foto acima, o top less acontece naturalmente num pier de frente para o rio.


A rua Bahnhofstrasse é a área chique para se fazer umas compras, especialmente, relógios e chocolates. Mas, para quem prefere caminhar e conhecer a cidade tudo é pertinho. A igreja de Fraumünster com seus belíssimos vitrais, a St. Peterskirche com o maior relógio de torre da Europa, de quase nove metros de diâmetro. Do outro lado da ponte Münsterbrücke fica a Catedral de Grossmünster, em estilo românico. Além disso, embrenhando-se pelas ruelas de pedestres, as fachadas dos prédios são incríveis, cheias de desenhos coloridos e com arquitetura super romântica. A cidade é perfeita para uma viagem a dois.

 
A igreja de St. Peter tem o maior relógio da Europa.




A Catedral de Grossmünsteer - situada na margem leste do rio Limmat - ressalta na paisagem pela imponência de suas duas torres simétricas.

Os bondes podem auxiliar o visitante a percorrer a cidade.

As fachadas dos prédios merecem atenção. São lindas e coloridas.

Andar pelas ruazinhas internas pode trazer boas surpresas. A arquitetura é muito original.

Indicação de restaurante: O Swiss Chuchi é típico da região e serve fondue, raclete, além de uma batata rösti gratinada com queijo, que não dá para deixar de pedir. Fica na rua Rosengasse 10, na Hirschenplatz. O telefone é 41 44 266 9696. 

Empréstimo de bicicletas: Nos meses mais quentes do ano, de abril a outubro, um bicicletário à beira do lago oferece bicicletas sem custo para ajudar o visitante a conhecer a cidade. Basta deixar o valor de vinte francos suiços e sair pedalando. Ao retornar, seu dinheiro é devolvido. Isso é que é mordomia!


Pedalar pela cidade é divertido e faz parte dos hábitos locais no verão.


Para conseguir uma bicicleta basta deixar um pequeno valor de depósito que será devolvido na entrega.

Informações úteis

Moeda: Franco suíço, CHF

Fuso Horário: 4 horas à frente do horário do Brasil

Documentos: apenas passaporte, não é preciso visto para quem ficar até 90 dias no país.

Meio de transporte mais prático: trem

Idioma da cidade: alemão, além de inglês, italiano e francês.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. É sempre bom viajar pelo mundo pelo seu blog, sinto como se estivesse conhecendo um pouquinho de cada lugar que você passou! A riqueza de detalhes me encanta!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Pri venha sempre dar um rolé pelo blog. Bj. Claudia

    ResponderExcluir
  3. Claudia

    Adorei o post e as fotos de Zurique!Aliás eu adoro a Suiça e todas as suas cidades,vilas e aldeias!Tudo é um encanto...

    Bjs
    Ps:coloquei o link para o seu Blog lá no meu!

    ResponderExcluir
  4. meu sonho....um dia se Deus quiser..realizarei.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Só isso? Não tem o Zoológico? Não tem o PolyBahn (trenzinho da faculdade onde o Einstein estudou)? Não tem mais o Grossmunster onde o Lenine se escondeu durante a revolução russa e escreveu seus manifestos? Não tem mais? Não tem mais o museu de arte a 500 metros do centro? Não tem mais o observatório da rua Urânia? Não tem mais o museu dos brinquedos?
    E o museu do Design? Já era? Não tem mais a biblioteca Central?
    Nem a biblioteca Central? Não tem mais o UTLIEBERG e seu hotel no alto da montanha? E o trezinho descendo pelo meio do mato? Gosto TANTO desse lugar que vou lá mês que vem pela sétima vêz!

    ResponderExcluir
  6. Poxa, Anônimo!!!

    Mas que mau humor, hein? Não estou muito acostumada a receber pessoas assim por aqui. Geralmente, recebo visitas tão gentis. Mas, vou desconsiderar. Sugiro que você faça um blog para detalhar Zurique. Afinal, acho que você não entendeu que esse post tem outro foco, outro espírito. Ele fala exatamente sobre a paz!
    Desejo um dia iluminado para você.
    Muita paz e muita luz!!!
    Claudia

    ResponderExcluir
  7. Você citou a Sérvia e a Suiça... você conhece a história da "Mileva Einstein"? Há muitos sites Norte Americanos que sustentam que, talvez, o "Einstein" que criou a teoria da Relatividade e as outras 3 teorias, não foi bem o tal de "Albert".

    Um dia eu gostaria de ir ao cemitério onde ela foi enterrada, levar flores para ela. Difícil não acreditar(pelas enormes e absurdas coincidências?, que ela não foi a verdadeira criadora das teorias que computam a ele.

    Cristina.

    ResponderExcluir
  8. Cláudia...Dei risada aqui com o mal humor da pessoa aí em cima. Ai, ai...Amo seu blog, querida, estou pegando muitas dicas para minha viagem à Europa! Zurich está no roteiro! Beijinhos!

    ResponderExcluir
  9. Kelly,

    O blog é aberto à todos. Às vezes chegam uns azedos por aqui. Mas, isso não me chateia. Só me diverte!.

    Um beijo e faça uma viagem de sonhos!!!!

    ResponderExcluir
  10. Olá!! Estou pensando em ir em set de 2016 com meu marido e meus 2 filhos,de 11 e 9 anos. Que dicas vc me dá, para passeios com eles? Vale a pena fazer algum bate e volta para alguma cidade perto?

    ResponderExcluir
  11. Olá!! Estou pensando em ir em set de 2016 com meu marido e meus 2 filhos,de 11 e 9 anos. Que dicas vc me dá, para passeios com eles? Vale a pena fazer algum bate e volta para alguma cidade perto?

    ResponderExcluir
  12. Eu sinto uma Saudade tão grande como daqui de Braga-Portugal até Zurich sem volta...Obrigada pelo que me deu, bom e mau mas, Voltava!!!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!