MIYAJIMA, UMA ILHA SAGRADA


A Ilha de Miyajima fica na Baía de Hiroshima, no Mar de Seto. É considerada sagrada pelos japoneses. Seu nome original Itsuko-shima significa "onde deus reside". A ilha tem um emaranhado de templos xintoístas e budistas estrategicamente construídos entre a calma da baía e a paz da montanha. Além disso, é tida como um dos três lugares mais bonitos do Japão juntamente com a Baía de Matsushima e a praia de Amanohashidate. 

O único modo de chegar na ilha é de barco. Isso já garante o sossego e um astral mágico. Mas, ao pisar na ilha você é recepcionado por cervos muito dóceis que circulam livremente por ali. Eles são encantadores e chegam pertinho das pessoas em busca de alimento. São considerados mensageiros da paz. Nesse momento é possível entender porque a ilha é venerada no Japão e chamada de "a ilha dos deuses". 




Cervos na Ilha de Miyajima.

Miyajima fica a apenas 10 quilômetros de Hiroshima. Mesmo com a explosão da bomba atômica, os templos não foram destruídos. Os japoneses dizem que foram os deuses que a protegeram. 

O Grande Tori de Miyajima.


O acesso a ilha a partir de Hiroshima pode ser de trem descendo na estação Miyajima-guchi, de bonde elétrico descendo em Hiroden-Miyajima-guchi ou de taxi. Depois é preciso tomar um ferry que chega na ilha em 10 minutos.


 Mapa da ilha de Miyajima.

A caminhada pela ilha inicia numa área comercial e segue por uma trilha deliciosa que passa dentro do belíssimo templo xintoísta Itsuku-shima Jinja. Ele fica debruçado sobre a água, em cores vibrantes tendo o grande tori vermelho à sua frente.

Estima-se que o templo tenha sido construído inicialmente no século VI, mas sua configuração atual data de 1168.  Depois disso, outros prédios foram sendo acrescidos como o Gojunoto que é um pagode de 5 andares, o pagode de dois andares Tahoto e vários altares dedicados a Kami. O templo é vermelho e todo decorado com lanternas e barris de saquê. Funciona como um deck por onde as pessoas passam para ir em direção ao aquário. Em 1996, entrou para a lista da Unesco como Patrimônio Mundial.


Templo xintoísta Itsuku-shima Jinja e ao fundo o pagode Gojunoto de cinco andares.

O templo é protegido por guardiões.  

Ao longo dos corredores, barris de saquê representam a pureza.  

Cores fortes e lanternas são a marca do  Itsuku-shima Jinja.

 Altares de oração no templo Itsuku-shima.


Atrás do templo xintoísta fica o complexo budista Daisho in. Espetacular. Formado por 12 templos afiliados considerados muito sagrados e que tinham ligação com a família imperial.

Templo Daisho-in.

Entre pelo Portão Niomon protegido por dois guardiões que servem para espantar os mau espíritos. Logo suba uma escadaria com 600 rodas de oração que ao serem tocadas trazem boa sorte. No jardim lateral tem 500 estátuas de discípulos de Shaka Nyorai todas com expressões faciais diferentes. Incrível. Então, passe pelo sino e vá até o hall Chokugan-do e Kannon-do onde tem várias imagens Fudo (uma figura budista reincarnada) e uma grande mandala. A seguir vem um mausoléu e o principal hall de prece do complexo, o Maniden.


Ao subir as escadarias é preciso tocar as rodas de oração para atrair boa sorte.

Discípulos de Shaka Nyorai. São 500 estátuas espalhadas pelo jardim.

Hall de oração. 

Imagem de Buda entrando no Nirvana cercado por seus discípulos. 

Mil estátuas do Buda da Luz Infinita.  

Caverna Henjyokutsu. 

 Os três Budas com gestos que garantem harmonia e paz. 

No centro da ilha tem uma montanha considerada sagrada, Monte Misen. Diz a lenda que Kukai, chamado de Kobo Daishi passou cem dias meditando nessa montanha no ano de 806 e acendeu uma chama que continua viva até hoje no topo da montanha. Esse fogo foi usado para acender a chama eterna do Memorial da Paz de Hiroshima que só será apagada quando houver a certeza de que armas atômicas não serão mais usadas contra a humanidade.

Para quem tiver bastante energia é possível subir a partir desse ponto por dois quilômetros e meio por um caminho pela mata para chegar ao topo do Mt. Misen, onde está a chama de 1200 anos. Os mais comodistas vão preferir o teleférico que vai até a Estação de Shishiiwa e com mais uma caminhada de um quilômetro se chega no topo da montanha. Além disso, o visual é privilegiado lá do alto. O valor do teleférico é 1800 yens para cada trecho. Muita gente sobe nele e volta a pé. Mas, a caminhada é pesada. Na verdade, se o tempo for curto nem recomendo essa subida. Os templos do pé da montanha, o tori sobre a água, os cervos e o comércio local já enchem uma tarde de belas memórias.

Estação de Shishiiwa ,em Mt. Misen.

Teleférico de Miyajima. 

Mapa do topo do Mt. Misen. A Estação de Shishiiwa está sinalizada com um ponto vermelho. A caminhada ao topo inicia ali.

A ilha de Miyajima hoje tem ao redor de 2 mil habitantes que moram espalhados por seus 30 quilômetros quadrados. Antigamente, apenas religiosos podiam viver na ilha. Mas, agora as pessoas tem autorização da Prefeitura de Hiroshima para habitar a ilha, apesar de não haver maternidade nem cemitério por lá. Isso significa que não é permitido nascer nem morrer em Miyajima. Para quem quiser pernoitar na ilha há alguns hotéis e ryokans interessantes. Há também restaurantes e muitas lojinhas.


Não deixe de conhecer a espetacular Ilha de Miyajima. É imperdível. Se puder durma uma noite num ryokan para curtir toda a magia da montanha. 

Pela ilha sagrada de Miyajima.

LEIA TAMBÉM


Compartilhe:

Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Obrigada!