PROCURANDO GNOMOS EM WROCLAW

A cidade polonesa de Wroclaw, chamada de Breslávia quando pertencia a Alemanha

A cidade polonesa de Wroclaw, chamada de Breslávia quando pertencia a Alemanha, parece ter saído literalmente de um conto de fadas. Sabe porque? É que além de ser linda, construída sobre várias ilhas e conquistar no primeiro olhar com suas casinhas de boneca, tem mais de 200 gnomos escondidos pelas ruas. Essas pequeninas criaturas míticas feitas em bronze brincam de esconde-esconde com os visitantes. Nasceram como um símbolo do movimento de oposição ao comunismo, Alternativa Laranja, no final da década de 80 e estranhamente se tornaram um ícone oficial da cidade em 2001.

Os divertidos gnomos de Wroclaw.
 Os divertidos gnomos de Wroclaw.

Encontrar todos eles é tarefa árdua. Mas, é um bom modo de conhecer a cidade. Basta comprar um mapa com as indicações das pequenas criaturas e sair à caça. Para os mais tecnológicos há um aplicativo gratuito para telefone celular chamado INYOURPOCKET.COM que mostra alguns deles e sua localização. É divertido, especialmente para quem viaja com crianças. Elas ficam loucas quando acham os gnomos.

Onde tem um gnomo, tem uma criança sorrindo.
Onde tem um gnomo, tem uma criança sorrindo


Os gnomos tem ao redor de 30 centímetros.Se não prestar atenção eles podem passar despercebidos.
Os gnomos tem ao redor de 30 centímetros. 
Se não prestar atenção eles podem passar despercebidos.


WROCLAW RENASCEU DAS CINZAS

Wroclaw foi construída no século X e de lá para cá passou pelas mãos de vários dominadores: Boêmia, Áustria, Prússia e Alemanha. O centro antigo da cidade é encantador devido a essas influências do passado, tipo "colcha de retalhos".

Quando a Segunda Guerra eclodiu, a Alemanha tirou Wroclaw das frentes de batalha. A população foi transferida para outras regiões e a cidade foi transformada numa fortaleza com uma grande indústria bélica. No entanto, as tropas russas avançaram em 1945 e dominaram a cidade que foi praticamente destruída pelo Exército Vermelho. Mas, Wroclaw renasceu com força total, reconquistou sua liberdade, voltou a fazer parte da Polônia e é considerada uma das cidades mais bonitas do país. Em 2012, foi subsede do Campeonato Europeu de Futebol e em 2016 será a Capital Europeia da Cultura

Wroclaw, uma verdadeira Fênix

CONHECENDO A CIDADE

Munido de um bom mapa, a ordem é flanar pelas ruas coloridas de Wroclaw cercadas pelas águas do rio Odra e muitas áreas verdes. Quatro são os pontos principais a serem visitados: a Praça do Mercado, a Ilha de Areia e Ilha da Catedral, o Centennial Hall e o Bairro dos Judeus.

A PRAÇA DO MERCADO

A Praça do Mercado (Rynek) é o coração da Cidade Antiga. Foi construída no século XIII e é uma das maiores praças medievais da Europa. É o lugar onde tudo acontece. Em frente aos restaurantes, cervejarias e cafés que vivem lotados há concertos, exposições de arte e apresentações de rua.

Caminhe lentamente e de olhos bem atentos pelas ruas com chão de pedra para não perder nada.


Praça do Mercado, Wroclaw.

Vale lembrar que a praça foi refeita quase do zero na década de 50, depois de ter sido destruída pelos russos. A reconstituição foi tão cuidadosa que até o antigo Pelourinho de pedra usado do século XV ao século XVIII para castigar quem estivesse fora das regras, foi reproduzido.

O Pelourinho fica em frente ao edifício mais bonito da praça, a antiga Prefeitura, Town Hall, que por um milagre não foi muito danificado. Esse prédio medieval maravilhoso começou a ser construído no século XIII. Hoje é um museu de arte.

Observe o Pelourinho de pedra na praça Antiga em frente ao antigo prédio da Prefeitura

Ao lado da Praça Antiga tem outra praça menor chamada de Plac Solny. Ela é conhecida como Mercado de Flores. Tem uma banca aberta 24 horas com flores para quem quiser, a qualquer hora do dia ou da noite.

Mercado de Flores.

Do Mercado de Flores basta dar alguns passos para chegar a Igreja Santa Elizabeth, a mais alta da cidade. Suba até a torre para ter um visual maravilhoso. O ingresso custa 5 zlotys, a moeda polonesa. Na entrada da torre tem dois gnomos que vivem cercados de crianças. E, praticamente ao lado da igreja tem duas casinhas lindas, Casa do Joãozinho e da Mariazinha. Elas são unidas por um arco com uma inscrição em latim que diz "A morte é a entrada para a vida".

 Observe o prédio mais baixo no centro da foto, são as Casas de João e Maria.

Casa de João e Maria e a Torre da igreja Santa Elizabeth.

Descendo a rua da igreja, logo se encontra um pequeno pátio com alguns animais em bronze, Stare Jatki. Era o local onde antigamente os açougueiros comercializavam seus produtos. Hoje ali funcionam algumas lojinhas e um parque para crianças. Vale a pena conferir. A sensação é de ter voltado no tempo. 

Humanitarium, Stare Jatki, The Old Shambles ou A Velha Balbúrdia.

Ainda no centro, se tiver tempo vá ao Museu de Arquitetura e ao Museu Nacional.

A ILHA DA CATEDRAL

Wroclaw foi construída sobre doze ilhotas, às margens do rio Odra. Tem mais de 100 pontes. Por isso, recebe o apelido de "Veneza da Polônia" competindo com outros destinos que também entram nessa categoria. E, isso realmente a torna muito atrativa e um pouco diferente das demais cidades polonesas. Água sempre traz um astral mais leve. A menos que provoque uma inundação, como já houve na cidade em 1997, causando grandes estragos. Mas, essas são águas passadas.

Observe os canais que circundam Wroclaw. 

Para chegar a Ilha da Catedral é preciso atravessar por uma pequena ilhota chamada de Ilha de Areia ou Wyspa Piazec que é conectada com as outras partes da cidade por três pontes: Tumski, Mynski e Piaskowy. A entrada da Mynski é exatamente em frente a Universidade de Wroclaw que foi construída pelos Jesuítas entre 1728 e 1741. O prédio pode ser visitado e tem salas belíssimas. Para ter uma vista panorâmica da cidade suba na Torre da Matemática. Na entrada da Ilha de Areia vale a pena visitar a Biblioteca da universidade que fica no Monastério dos Agostinos e é considerada a maior da Polônia,  a Igreja Ortodoxa antiga Igreja de Santa Ana e a Igreja se Santa Maria.

Ponte Mynski, a porta de entrada para a Ilha de Areia.  

Igreja Ortodoxa, na Ilha de Areia.

Então, ao atravessar a Ponte Tumski ou Ponte dos Corações, famosa pelos cadeados do amor pendurados pelos casais apaixonados,  se chega a Ilha da Catedral ou Ostrow Tumski que sempre foi intimamente relacionada a vida religiosa da cidade. De 1504 a 1810 essa área era exclusivamente território da igreja católica. Hoje tem algumas lojinhas, cafés e restaurantes. Interessante observar, que atualmente a Ilha da Catedral não é mais exatamente uma ilha. Depois de sofrer inúmeras inundações, parte do rio Odra foi aterrado para minimizar os estragos que fazia com frequência. Outra curiosidade sobre a "ilha" é que as lamparinas de iluminação, ainda hoje, são acendidas manualmente todos os dias ao entardecer e apagadas pela manhã. Além de visitar a Catedral de São João Batista, vá também ao Museu da Arquidiocese, a Igreja de Santa Cruz e ao Jardim Botânico.

Ponte Tumski e ao fundo as torres da Catedral de Wroclaw

A Ponte Tumski ou Ponte dos Corações ganhou fama entre os casais poloneses.



Monumento ao Cardeal Boleslaw Kominek que lutou pela reconciliação entre Polônia e Alemanha.

CENTENNIAL PARK

Perto do Jardim Zoológico e do Jardim Japonês, um pouco fora do centro de Wroclaw, fica outro ponto interessante da cidade, o Centennial Hall. O prédio circular foi construído pelos alemães entre 1911 e 1913 para servir como um centro de exposição para as comemorações do Centenário da Batalha das Nações e a derrota de Napoleão. O arquiteto Max Berg foi escolhido entre 43 profissionais e usou aço para reforçar a estrutura da obra, uma grande inovação para a época. O prédio é imenso mas de aparência sóbria e pesada. Puro concreto. Curiosamente, em 2006, o Centennial Hall foi listado como Patrimônio Mundial da UNESCO sob o nome original alemão Hala Stulecia. O que torna esse fato inusitado é que o prédio é relativamente novo para receber esse tipo de homenagem, tem pouco mais de 100 anos. No entanto, é um marco na engenharia e sobreviveu intacto a duas guerras mundiais. Recentemente, o complexo ganhou uma fonte com shows multimídia que acontecem de maio a outubro. Esse lugar não é muito visitado pelos turistas, no entanto, por ficar dentro de uma grande área verde, nos arredores do Parque Szczynicki, é um ponto de encontro dos moradores da cidade.

Centennial Hall e suas fontes multimídia.

BAIRRO DOS JUDEUS

A comunidade judaica de Wroclaw é uma das mais antigas da Polônia. Eles se estabeleceram no século XII quando a cidade era um importante centro de comércio e contribuíram muito com o desenvolvimento da região. Eram bem integrados socialmente e chegaram a formar um grupo de 30 mil pessoas. Foi quando Hitler assumiu o poder e começou o pesadelo. Hoje, a comunidade judaica tem menos de mil pessoas em Wroclaw. O Bairro dos Judeus é florido, animado, cheio de cafés e restaurantes. Do que havia antigamente, pouco restou. Apenas uma sinagoga se salvou da fúria antissemita, a Sinagoga Cegonha Branca. Ela tem uma localização bem discreta num pátio interno. Também há dois cemitérios de judeus. 

Sinagoga de Wroclaw.

INDICAÇÃO DE RESTAURANTES

Bernard, Whisky in the Jar, Pod Papugami, Kurna Chate, Mosaique, Marina

INDICAÇÃO DE HOTEL

Hotel Boutique Granary. Pertinho da praça central. Muito charmoso e aconchegante. 


Hotel Granary.

Também gostei da localização e do capricho do Hotel Puro, no Bairro dos Judeus, muito perto da praça central. 

PARA FAZER COMPRAS

O maior shopping da cidade é o Galeria Dominikanska.

COMO CHEGAR

Wroclaw é a terceira cidade mais visitada da Polônia, ficando atrás apenas da capital Varsóvia e da simpática Cracóvia. Chegar na cidade é fácil. O aeroporto Wroclaw fica a 13 quilômetros do centro e a estação de trem Wroclaw Glówny é super simpática, limpa, nova e praticamente no centro. De Poznan a Wroclaw são 2 horas e 20 minutos e o bilhete custa 70 zlotys. Da Cracóvia para Wroclaw são 3 horas e meia de trem. 

Estação Férrea Wroclaw Glówny.

LÍNGUA

Polonês. Às vezes dá para entender uma palavra ou outra, apesar de ser muito difícil. Inglês é falado por muita gente, principalmente pelos mais jovens.

FUSO HORÁRIO

5 horas a frente do horário do Brasil.

MOEDA

Zloty - 1 zt ou PLN vale 0,93 reais (cotação de dezembro de 2015)

LEIA TAMBÉM

Varsóvia
Poznan

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Claudia,
    tomei uma decisão neste momento: irei a Wroclaw em maio. Gosto muito da Polônia e " precisava " do teu texto para visitar mais essa cidade. Excelente texto.Excelentes fotos. Bom gosto em todo o blog. Boas viagens. Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aldema,

      Wroclaw é uma graça. A praça central é um espetáculo e muito viva. Sempre movimentada. Com bons restaurantes e cafés. Amei a cidade. Fui a Varsóvia, Cracóvia, Wroclaw e Poznan. A Polônia tem um passado muito forte. É uma viagem espetacular.
      Um beijo e ótimas viagens.
      Espero encontrar com você em qualquer esquina desse mundão.

      Excluir
  2. Nossa, que fotos lindas! Fiquei boba com o contraste do azul do céu e as construçoes.
    Lindissimo! Parabens pelas postagens, um show!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei visitar o país em dias tão ensolarados. Fica tudo mais bonito. Primavera e outono são as épocas que mais gosto da Europa. Friozinho e sol. Perfeito!

      Obrigada pelo comentário. Adorei.

      Claudia

      Excluir
  3. Amei, Claudinha. Fiquei louca pra conhecer Wroclaw! Seu texto é delicioso, rico em detalhes e história. A beleza e o colorido das fotos magnetizam o nosso olhar. E os gnominhos? Que encanto de lugar! Obrigada por compartilhar com tanto carinho as suas experiências. Beijos, Rê Lourenço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rê!!!! Que maravilha ver você por aqui. Adoro escrever sobre os lugares por onde passo. Acho que assim consigo ajudar outras pessoas e organizarem seus roteiros e decidir por onde ir.
      A Polônia é um país lindo. Ainda pouco visitado pelos brasileiros.
      Beijos
      Claudia

      Excluir
  4. Certamente! Além de elucidar, seus post nos inspiram. Serei uma seguidora e compartilhadora assídua ;-)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. meu pai era polonês. desde sempre tenho vontade de conhecer a cidade natal dele. apesar da falta de dinheiro, ainda sonho em conhecer um dia a Polônia.obrigada pela sua matéria,Claudia,fiquei com os olhos marejados!bjos-silvana wojcicki

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. silvana,
      Eu amei ter conhecido a Polônia. Quando puder não deixe de ir.
      Muito obrigada pelo comentário tão sensível e lindo.
      Bj
      Claudia

      Excluir

Deixe seu comentário. Obrigada!