CHAPADA DAS MESAS, MUITO PRAZER!


É fato que sempre haverá um cantinho a ser descoberto na imensidão do Brasil. Pois entre pedras e água (morna!), a natureza privilegiada é o ingrediente que exalta o protagonismo da Chapada das Mesas, no sul do Maranhão, e desperta olhares curiosos para esse tesouro em estado bruto repleto de atrativos, ainda a serem desvendados. São inúmeras quedas d’água, nascentes, platôs, montanhas, paredões de pedra entre cânions, cavernas, rios e corredeiras. Muitos deles em áreas particulares, alguns sem sinalização. Realmente intocados. Um destino que tem tudo para figurar no topo da lista dos aventureiros de plantão.

Rapel na cachoeira de Santa Bárbara.

UMA SENHORA CHAPADA

Se “antiguidade é posto”, as formações geológicas em arenito do Parque Nacional da Chapada das Mesas saem na frente. Têm idade superior a 60 milhões de anos, mesmo que o parque tenha sido criado em 2005, com o propósito de preservar 160 mil hectares de Cerrado, um ecossistema natural de grande importância ecológica, numa área maior do que a cidade de São Paulo.

A região tem como principal característica morros em formato de platôs, esculpidos pela ação do vento e da chuva, que lembram grandes mesas de pedra. Daí o nome: Chapada das Mesas. Como se isso não fosse o suficiente para arrancar suspiros, aproximadamente 100 cachoeiras de água com temperatura inacreditável de tão morna correm entre as mesetas (é possível que haja muitas outras cachoeiras ainda não catalogadas). Um santuário que merece ser reverenciado com caminhadas, mergulhos, rapel, rafting e inúmeros momentos de contemplação.

Mergulho na nascente Encanto Azul.

O município de Carolina é a principal porta de entrada para a Chapada das Mesas, juntamente com Riachão, Estreito e mais outros nove. O centro histórico de Carolina é uma graça. Tem 522 casas tombadas pelo IPHAN/MA. 

Sua localização é privilegiada em termos de natureza. É cercada por 22 rios perenes tendo como destaques as Cachoeiras do Complexo da Pedra Caída, do Itapecuru, do rio Farinha, da Prata, de São Romão, Morro das Figuras, Morro do Chapéu, praia do Tocantins, Portal da Chapada... E isso é só o começo.

Cachoeira da Prata.

A pequena cidade fica às margens do rio Tocantins, a 220 quilômetros da cidade de Imperatriz onde está o aeroporto mais próximo. Tem população de pouco menos de 25 mil habitantes, sendo que um terço das pessoas vivem na zona rural.

É PARA LÁ QUE EU VOU

Depois de muito pesquisar e conversar com amigos que moram no Maranhão, escolhi o Rancho das Estrelas para ser meu porto seguro. A 12 quilômetros do centrinho de Carolina, o sítio de Neuton Coelho e da sua esposa Dilza, foi transformado há 4 anos numa pousada deliciosa.

Pousada Rancho das Estrelas.

O Rancho das Estrelas conta com 18 acomodações divididas entre quartos e chalés rústicos, confortáveis, construídos em madeira, cuidados com carinho e totalmente conectados com a cultura local. Os apartamentos têm redes deliciosas, bom wi-fi, ar condicionado, minibar e alguns chalés tem ofurô na varanda. Crianças são muito bem-vindas e tem um parquinho lindo esperando por elas.

Chalé com ofurô, na pousada Rancho das Estrelas.

A hospitalidade é ponto alto. Neuton, Dilza e equipe estão sempre atentos aos detalhes e fazem de tudo para tornar a experiência acolhedora e inesquecível. Impossível não se sentir em casa.

O sítio é grande, fica às margens de um riacho, onde muitos animais selvagens vivem livremente. Duas araras vermelhas escolheram morar no Rancho das Estrelas e são as primeiras a chegar diariamente para o café da manhã, que aliás é um sonho. Sucos de frutas da região, açaí colhido no próprio quintal, pães e bolos quentinhos e uma infinidade de quitutes que deixam qualquer um sem saber para que lado olhar.

Lembrar daquela mesa florida e caprichadíssima sem ficar com água na boca é impensável.

Banquete do café da manhã do Rancho das Estrelas.

Compartilho abaixo duas receitas que vão me acompanhar pela vida e são marca registrada do Rancho das Estrelas: Mangulão e Pão de Batata.

MANGULÃO DE QUEIJO DO MARANHÃO

3 ovos, 1 copo de óleo, 2 copos de leite, 3 copos de polvilho doce, 1 copo não muito cheio de queijo, 1 colher de fermento

Bata tudo no liquidificador e leve ao forno para assar numa forma circular com furo no meio. Fácil e sensacional! Parece um pão de queijo gigante.

Agora vamos a receita do PÃO DE BATATA

1 batata grande cozida, 1 xícara de açúcar, 1 xícara de óleo, 1 xícara de leite, 10 g de fermento para pão, 4 xícaras de farinha trigo com fermento

Bata os ingredientes no liquidificador, menos a farinha de trigo. Acrescente o trigo aos poucos e não precisa sovar. Coloque numa forma untada e deixe crescer por 40 minutos. Leve ao forno, em fogo baixo. Obs: o forno não deve estar pré-aquecido.

Pão de batata servido quentinho diariamente no Rancho das Estrelas.

Só de escrever já fiquei com vontade de voltar correndo para o Rancho das Estrelas.

RANCHO AVENTURAS

Depois desse banquete é hora de sair para os tantos cantinhos lindos dessa região espetacular do Maranhão com a agência Rancho Aventuras criada pelo próprio Neuton, proprietário da pousada. Essa combinação de pousada com agência é perfeita. Ele conhece a região como a palma da mão e sabe todos os atalhos. Trabalhou muitos anos fazendo instalação de antenas parabólicas e sistema de telefonia no Maranhão e conhece cada morador. Sabe o nome de todos, pergunta pela família e estimula a economia local ao marcar almoço na casa de um, lanche na casa de outro, um papo descontraído aqui e outro acolá. Isso faz total diferença para quem quer realmente descobrir os verdadeiros tesouros do Maranhão, as pessoas que tornam tudo ainda mais bonito. Além disso, seu pai era vaqueiro a 100 quilômetros de Carolina e teve um comércio onde vendia rapadura, farinha e produtos do sertão.

Neuton fez um roteiro totalmente adaptado ao nosso estilo: contato estreito com moradores locais, cachoeiras fora do turismo de massa, desbravar sem pressa o interior do Maranhão. Ficamos 5 dias em Carolina e vou contar pra vocês que foi uma viagem maravilhosa!!! O mesmo disseram Whindersson Nunes e Mel Fronckowiak ao escolherem a pousada Rancho das Estrelas e a agência Rancho Aventuras. Fica a dica!

  
Neuton, nosso guia e o carro com o qual nos conduziu pela Chapada das Mesas.

Vale lembrar que na Chapada das Mesas tem menos de 20 guias regionais credenciados sendo Neuton o único guia com registro nacional. Ele é o cara.

DESDE O COMEÇO

Neuton nos encontrou no hotel Ibis, em Imperatriz, onde passamos a noite já que o voo chegou às 2 horas da madrugada vindo de São Luís do Maranhão. O hotel Ibis é novinho e tem excelente custo-benefício. Recomendo.

De Imperatriz a Carolina foram 3 horas de carro (220 km), com direito a uma parada para comer bolo de milho e pamonha, e já entrar no clima. Neuton foi nos contatando histórias sobre a região e de tão curiosa que fiquei pedi a ele que nos levasse até Jaime Queiroz para um papo. Um personagem importante.

O privilégio de bater um papo com Jaime Queiroz.

O Complexo da Pedra Caída, a 30 quilômetros de Carolina, foi por onde o turismo começou no final da década de 70 quando a propriedade pertencia ao avô de Jaime Queiroz.

Segundo ele conta: “até 1966 não tinha nem estrada para chegar na fazenda”. Seu avô ia de barco pelo rio Tocantins por 30 quilômetros, a partir de Carolina, até as terras onde criava gado. A região era muito desvalorizada por ter acesso difícil, solo arenoso e cânions perigosos para a segurança dos animais que criava. Havia risco de queda do gado nos abismos. Quando seu avô faleceu, o patrimônio ficou para os herdeiros.

Nos anos 70, ainda muito jovem, ele passou a administrar a propriedade, exatamente quando iniciava o turismo local, que segundo ele era fraco e mal organizado. Chegavam grupos de amigos, com a intenção de se divertir, deixavam lixo, pichavam as pedras e não tinham o menor cuidado com o meio ambiente.

Em 2006 ele resolveu se mudar para Brasília e vendeu o Complexo da Pedra Caída para o famoso Pipes, Pedro Iran Pires Espírito Santo, outro nome importante na cidade de Carolina, proprietário de muitas terras no Maranhão.

COMPLEXO DA PEDRA CAÍDA

A principal estrela desse parque é o Santuário Ecológico de Pedra Caída, um local místico, que foi usado para rituais indígenas até alguns anos atrás, quando Pipes assumiu o controle. Depois de trilhar 600 metros por passarelas e escadarias de madeira, no meio da mata nativa, chega-se a um cânion com paredões de 46 metros de altura. A caminhada pelo canal de água que se forma - como se fosse uma piscina natural entre os paredões de arenito - até chegar onde a cachoeira despenca por um buraco na pedra, é de uma energia espetacular. Realmente grandioso e impactante.

Santuário da Pedra Caída.

Outra cachoeira belíssima do Complexo da Pedra Caída é a Caverna. Depois de percorrer 6 km de carro por estrada de terra, tem um trajeto de 400 metros bem tranquilo a ser feito a pé até a caverna que deve ser atravessada (100 metros) para ter acesso à cachoeira, com queda d’água de 15 metros. O valor é de 50 reais por pessoa.

Cachoeira da Caverna.

No dia seguinte estivemos nas cachoeiras do Garrote, Porteira, Merim, Poço das Estrelas, Poço Sonrisal e Poço da Juventude que ficam a 10 quilômetros da sede do complexo, uma ao lado da outra. Entramos por uma estrada secundária, com porteira trancada. O carro estaciona praticamente em frente à essas quedas d’água. Caminha-se pouquíssimo e as cachoeiras são vazias, belíssimas e de água morna. Neuton ainda preparou um café e pendurou redes nas árvores, dentro da água, na cachoeira Merim Uma experiência incrível.

Cachoeira Merim.

O almoço foi na Chácara do Seu Bina, um tambaqui fresquíssimo, assado na brasa, com arroz, feijão, salada, ovos fritos e farofa. Comer cultura e fazer parte da vida dos moradores locais é daqueles momentos marcantes em uma viagem.

Fechamos o dia com chave de ouro na Cachoeira do Capelão. Ela tem uma queda d’água de 15 metros dentro de um cânion. É belíssima. Infelizmente, as pedras estão muito pichadas e vandalizadas, pois esse é um dos passeios oferecidos em grupo por Pipes. Precisa haver um trabalho de educação e conscientização com os turistas que visitam o local. 

Cachoeira Capelão.

Agora vamos aos fatos, se por um lado Pipes trouxe ordem à exploração desordenada, por outro, estimula um turismo local de massa. Partem grandes grupos de turistas de hora em hora da sede do complexo para o Santuário, Caverna e Capelão, e para o Garrote. Os passeios de jardineira duram duas horas e custam entre 30 e 50 reais por pessoa.

Cachoeira do Garrote.

Como fiz as visitas privativas com o Rancho Aventuras, paguei 70 reais pela entrada do carro, mais o valor de 30 a 50 reais para cada passeio que fiz no complexo. Escolhi a dedo um horário em que não houvesse ninguém, pois a magia desse lugar pede sossego para uma longa reverência.

E já que estamos falando sobre o Complexo da Pedra Caída, administrado por Pipes, vale dizer que ele fez um hotel popular na entrada do parque onde construiu uma piscina de cimento com tobogãs, apesar das tantas cachoeiras da região - mais de 25 - e dos 400 igarapés.

Além disso, ele fez a Tirolesa do Pânico (1.200 metros, 70 reais por pessoa), a Tirolesa do Desespero (1400 metros, 90 reais por pessoa) e uma pirâmide no alto da chapada que pode ser acessada por um teleférico (60 reais por pessoa) ou a pé por uma trilha de 860 metros, pelo valor de 30 reais por pessoa. A pirâmide é administrada atualmente com delicadeza pela terapeuta holística Mathie Silva. Mathie é um dos tesouros do parque.

Pirâmide do Complexo da Pedra Caída.

AVENTURA EM SÃO ROMÃO E PRATA

Vivemos experiências especiais na Chapada das Mesas. Difícil dizer o que foi mais impactante. Foram cinco dias repletos de aventuras. Para chegar até a Cachoeira da Prata rodamos 15 quilômetros de asfalto seguidos por 30 quilômetros de estrada de terra (necessário carro 4x4 e motorista habilidoso) passando por pequenos povoados e parando para conhecer algumas famílias. Seu Pedro Carneiro nos recebeu com bom humor. Mostrou sua casa toda, tirou um dedo de prosa e ainda ofereceu um trago de cachaça. Compramos um pedaço de rapadura e seguimos viagem.

  
A simpatia de Seu Pedro Carneiro.

Poucos quilômetros à frente, já de capacete e colete, atravessamos um braço do rio de canoa e outro pela corredeira agitada da cachoeira da Prata, passando por três quedas d’água bem imponentes. Neuton nos deu segurança amarrando uma corda de um lado ao outro do rio, de onde seguimos por uma ponte pênsil. Os reflexos do sol deixam a água em tom metalizado, daí vem o nome cachoeira da Prata.

Cachoeira da Prata.

Almoçamos por lá mesmo, no restaurante do filho do Seu Pedro Carneiro antes de seguir por mais 20 quilômetros em estrada de terra até a espetacular cachoeira São Romão. Para entrar em cada uma delas o valor do ingresso é de 30 reais.

São Romão tem 26 metros de queda d’água. É uma das cachoeiras mais volumosas da Chapada das Mesas. Nick, o mascote, um cãozinho labrador amarelo, nos recebeu cheio de intimidade com a cachoeira. Acompanhou o passeio de caiaque pelo rio e fez a trilha até a entrada da caverna onde vivem centenas de andorinhas, numa gruta imensa, coberta de musgo e com spray de água constante. Dali para a frente, deu uns latidos, abanou o rabo e voltou. A força da água é grande. O instinto dá as ordens. Mais uma vez pulei na corredeira e deixei a correnteza me levar até a praia onde Nick esperava feliz. O dia foi cheio de aventuras. Na volta, uma paradinha para provar os biscoitos de polvilho da região, numa casa de família, mais um dedo de prosa e uma paradinha Morro das Figuras para soltar a imaginação com o formato das rochas e observar as pinturas rupestres nos paredões. Chegamos na pousada Rancho das Estrelas ao anoitecer. Um jantar nos esperava acompanhado pelo saxofonista Lucas Fernandes.

Cachoeira São Romão.

RAPEL NO RIACHÃO

Cedinho a arara taramelou e pulei da cama me preparando para a grande aventura da Chapada das Mesas. Um rapel de 76 metros na Cachoeira de Santa Bárbara, me esperava. Foram 147 quilômetros de estrada, com direito a uma paradinha para conhecer uma fruta que ainda não tinha entrado na minha vida, o bacuri. Por sinal, delicioso! Compramos meia dúzia e seguimos caminho até o Complexo do Poço Azul, no município de Riachão. A maior parte desse trajeto é feito por estrada asfaltada, apenas 15 quilômetros em estrada de terra.

Rapel na Cachoeira de Santa Bárbara.

Esse complexo é muito bem organizado. Tem várias quedas d’água e poços de água de um azul inacreditável, além de boa estrutura para o rapel. Ao completar 59 anos, eu queria marcar a data como uma experiência interessante. Encarei o rapel da Cachoeira Santa Bárbara, conhecida por abrigar uma formação rochosa que lembra muito a imagem da santa. 

Me senti segura e bem orientada pela equipe. Agendei o rapel no dia anterior (150 reais) e assim que cheguei os equipamentos já estavam organizados me aguardando. A descida durou ao redor de 15 minutos e um barco me esperava, pois o rapel finaliza na água. Obrigada Santa Bárbara. A experiência vai me acompanhar como símbolo de força nesse novo ciclo.

Gruta de Santa Bárbara.

O complexo do Poço Azul é perfeito para quem quer relaxar. Inclui além da cachoeira de Santa Bárbara, muitas outras como a Santa Paula, Seu Zica, cachoeira dos Namorados e o espetacular Poço Azul com 5 metros de profundidade, águas cristalinas e temperatura muito agradável.

Poço Azul.

Que lugar sensacional! Dá para passar um dia inteiro indo de uma cachoeira para outra, mas por ter hotel e restaurante no complexo, é sempre cheio. Comemos o melhor tambaqui da viagem no restaurante do Poço Azul. A pousada é ampla, bem cuidada e tem vários bangalôs separados uns dos outros.

Tambaqui maravilhoso no restaurante do Poço Azul.

Andando mais 8 quilômetros por estrada de terra chega-se ao Encanto Azul. Um encanto! Um poço de cor inacreditavelmente azul, com visibilidade espetacular e trechos que chegam a 6 metros de profundidade. A temperatura é deliciosa, especialmente quando bate o sol, das 11 às 14 horas. A única coisa que me incomodou foi o cheiro forte dos morcegos. 

Na entrada do poço tem um rapaz oferendo boias-espaguete e óculos de mergulho. Vale a experiência.

Encanto Azul.

PINTURAS RUPESTRES DE TASSO FRAGOSO

O pequenino município de Tasso Fragoso abriga o maior número de sítios arqueológicos do Maranhão. Há cavernas e paredões com gravuras rupestres, além de terem sido encontrados no local pedaços de cerâmica, machadinhas e outros utensílios. A riqueza da região é enorme, mas o acesso ainda é restrito.

E NÃO PARA POR AÍ

Estive apenas por cinco dias na Chapada das Mesas. Certamente vivenciei alguns dos pontos mais impactantes como o Santuário Ecológico de Pedra Caída, as Cachoeiras Capelão e Caverna, caiaque na São Romão, travessia na corredeira da Prata, Poço Azul, rapel na Santa Bárbara, Encanto Azul, pôr do sol em Carolina às margens do rio Tocantins e um dos melhores cafés da manhã da vida no Rancho das Estrelas.

Se tivesse ficado um mês, certamente teria centenas de lugares para visitar e não teria visto tudo. Faltou subir no Morro do Chapéu, ir até Tasso Fragoso, conhecer as cachoeiras gêmeas de Itapecuru, o balneário Queda D’Água onde a barragem de uma antiga hidrelétrica se transformou numa piscina, mergulhar na cachoeira do Dodô, passear de barco pelo rio Tocantins, ver o sol se pôr no Portal da Chapada, acompanhar os rituais da Mathie na pirâmide de vidro e por aí vai.

QUANDO IR

De maio a outubro é a época mais seca, as cores das águas estarão mais bonitas. De novembro a abril haverá maior probabilidade de chuva. Mas, nada que inviabilize a viagem.

COMO CHEGAR

Voei até Imperatriz, onde fiquei hospedada no hotel Ibis e de lá fui de carro com o Neuton, até Carolina diretamente para o Rancho das Estrelas, 220 quilômetros de estrada muito boa, em 3 horas.

ONDE COMER EM IMPERATRIZ

Cabanas do Sol

Peixaria da Tia (à beira-rio) 

ONDE FICAR

Recomendo muito o Rancho das Estrelas, em Carolina.

Porque Dilza e Neuton são anfitriões maravilhosos.

COMO SE LOCOMOVER

Neuton, o proprietário do Rancho das Estrelas, criou a agência Rancho Aventuras e desenha os roteiros apropriados para cada hóspede. Ele é um dos poucos guias nacionais credenciados no Maranhão. Excelente.

ENFIM

A Chapada das Mesas é de exuberância sem fim. É um destino que pede calma e gentileza. Seu ecossistema delicado formado por mesas de arenito esculpidas pela ação do vento e por uma infinidade de nascentes, não se adequa ao turismo de massa. Um espetáculo que merece contemplação. A Chapada das Mesas é para quem ama a natureza em seu estado mais bruto e preza pela serenidade. Um verdadeiro bálsamo para o corpo e para a alma.

A Chapada das Mesas é surpreendente!

LEIA TAMBÉM

DELTA DO PARNAÍBA EM PROSA E VERSO

Booking.com

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Fantástico.
    Vale a pena conhecer e viver.
    Uma região especial para quem quer descansar sossegadamente ...

    ResponderExcluir
  2. Acabei de ler seu post e achei interessante comentar, belo post.
    Banco Renner Telefone

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!