ROTEIRO DE UMA SEMANA NA PATAGÔNIA ARGENTINA


A Patagônia ocupa um território vastíssimo dividido entre o sul da Argentina e do Chile, de paisagens incríveis. É tão grande que é quase como se fosse um país dentro de dois países. A parte que cabe à Argentina - que foi o lado que visitei - ocupa uma área de mais de 900 mil quilômetros quadrados de deserto e estepe, que corresponde a um terço da área do país. É delimitada ao sul pelo Estreito de Magalhães, ao norte pelo rio Colorado, à leste pelo Oceano Atlântico e a oeste pelos Andes Patagônicos.

Mapa da Patagônia.

Para se ter uma ideia, de Bariloche ao Ushuaia são 2.200 quilômetros. Dizem que o Ushuaia é o fim do mundo... ou seria o começo de tudo? A ordem dos fatores não faz a menor diferença nessa aventura gelada rumo ao encontro de glaciares, pinguins, montanhas nevadas, lagos de água cristalina de degelo, bosques, guanacos, lobos-marinhos e o que mais tiver na Terra do Fogo.

Patagônia Argentina e suas paisagens encantadoras. 
Glaciar Perito Moreno.

DUAS BASES: USHUAIA E EL CALAFATE

Passei uma semana na Patagônia Argentina e optei por fazer duas bases:

Dica: se tiver tempo disponível faça mais uma base em El Chaltén de 3 dias para conhecer essa região que é belíssima e famosa pelos trekkings de tirar o fôlego. De El Calafate à El Chaltén são duas horas e meia de carro. Aeroporto, apenas em El Calafate.

Todos os passeios realizados durante a viagem foram personalizados pela Glaucia, da Ushuaia sob Medida, uma brasileira que mora em Ushuaia e organiza tudo com muita exclusividade e simpatia. Recomendo totalmente. Ela sabe qual a melhor empresa para cada passeio.

MEU ROTEIRO 

DIA 1. Transfer do aeroporto para o hotel Arakur, com Glaucia. A seguir fomos ao centrinho de Ushuaia para almoçar no Villagio  (especializado na merluza da Patagônia e centolla) e visitamos o Museu do Presídio, onde tudo começou. À tarde, navegação pelo Canal de Beagle com duração de duas horas e meia, saindo do porto com a empresa Canoeiro, com destino a ilha dos lobos marinhos e indo até o famoso farol Les Eclaireurs.

DICA: é possível fazer uma navegação mais longa, de cinco horas, e ir até a ilha dos pinguins, Ilha Martillo, com a empresa Piratour. Considere! Isso agiliza seu tempo.

Farol de Ushuaia.

DIA 2. Trekking a Laguna Esmeralda. Essa é a caminhada mais famosa de Ushuaia. São 5 quilômetros de ida mais 5 de volta passando por bosques, terrenos de turva alagados e por fim vem a recompensa, a Lagoa Esmeralda cercada de montanhas nevadas. Nosso guia Nicolas, da Ushuaia Safári, foi sensacional. Organizou um almoço com direito a queijos, frios, azeitonas, vinho e sopa de lentilha. O passeio foi das 10 às 16 horas. É preciso usar botas impermeáveis. Há várias lojas na cidade que alugam.

DICA: vale considerar o trekking para a Lagoa Azul que fica próxima a Laguna Esmeralda. É um trekking de 4 quilômetros, um pouco mais íngrime do que o anterior e bem menos turístico.

Laguna Esmeralda.

DIA 3. Parque Nacional da Terra do Fogo. O parque fica 12 quilômetros à oeste de Ushuaia e é um passeio clássico que vale ser feito mesmo que não seja o mais interessante. Dá para chegar ao parque de van, de carro particular, de taxi ou no Trem do Fim do Mundo que faz 8 quilômetros em uma hora, a Maria Fumaça reproduz o trajeto que os presos faziam para buscar madeira no bosque para aquecer o presídio. O trem é legal para quem viaja com crianças alem de ter um contexto histórico. Optamos por ir de van e esperar a chegada do trem. Brincar nos trilhos foi muito divertido. Depois seguimos até Baía Ensenada onde fica o Correio Postal do Fim do Mundo, fizemos uma caminhada pelo Lago Roca que faz fronteira com o Chile. E, finalizamos na Baia Lapataia. O passeio foi das 9 às 14 horas. Voltamos ao centro de Ushuaia para almoçar no La Estancia, onde pedimos um cordeiro fueguino maravilhoso. Mas, não opte pelo buffet, eis o pulo do gato.

Trilho do Trem do Fim do Mundo.

DIA 4.  Manhã livre. Aproveitamos para tomar um café no imperdível Ramos Generales. À tarde, fizemos a caminhada com os pinguins na Ilha Martelo. O trajeto até o local foi feito de ônibus com a empresa Piratour, a única autorizada a fazer esse passeio por ser em uma propriedade privada onde os pinguins resolveram morar por conta própria. Saímos às 14 horas e chegamos na Estância Harberton às 16 horas. O grupo foi dividido em dois, metade das pessoas foi a pinguineira de barco e outra metade foi ao museu oceanográfico que tem muitas ossadas de animais da fauna local, como baleias e golfinhos. Depois os grupos trocaram de atividade. Retornamos às 21 horas e jantamos no Christopher. Muito bom.

Ilha dos Pinguins.

Dia 5. Voo Ushuaia – El Calafate. Transfer para o hotel Eolo Patagônia. Final de dia livre em El Calafate.

Dia 6. Mini Trekking ao Glaciar Perito Moreno com a Destinos Australes. Esse é um passeio longo, com duração de 10 horas, mas não é cansativo. Até a entrada do Parque Nacional dos Glaciares leva-se pouco menos de duas horas de carro. A seguir, é feito um trajeto de barco até a borda da geleira de cair o queixo. Mas, o auge do programa ainda está por vir. O grupo é direcionado ao glaciar para colocar grampones nos pés e fazer uma caminhada de aproximadamente uma hora sobre o gelo. E nesse dia fomos brindados com um céu azul ensolarado que tornou a experiência indescritível. Retornamos de barco até as passarelas para ver o glaciar de frente e ficamos extasiados cada vez que algum pedaço do gelo se desprendia e rugia com força.

DICA: dá para fazer passeio de caiaque no lago em frente ao glaciar. Os caiaques tem estabilizador. Não viram com facilidade.

Glaciar Perito Moreno.

Dia 7. Ficamos tão encantados com o hotel Eolo Patagônia que não conseguimos arredar pé para ir a lugar nenhum. Fizemos caminhada na propriedade histórica, andamos de bicicleta até o lago para ver os flamingos e gansos selvagens, tomamos chá da tarde, fizemos sauna, fomos ao spa e brindamos com um bom vinho argentino a super viagem que fizemos.

Flamingos ao longe no lago do hotel Eolo e essa paisagem de tirar o fôlego.

DICA: também dá para conhecer o Glaciar Upsala num passeio conjugado com Estância Cristina. Já, para ir a Fitz Roy e ao Glaciar Viedma é mais fácil a partir de El Chaltén.

Dia 8. Retorno ao Brasil.

COMO CHEGAR E COMO SE LOCOMOVER PELA PATAGÔNIA ARGENTINA

Há quem goste de desvendar o mundo por via terrestre. Mas, no caso da Patagônia, é preciso saber que serão muitas e muitas horas de estradas para alcançar seu destino. Por isso, é mais prático abreviar as longas distâncias pelo ar.

Fiz os deslocamentos voando de Aerolineas Argentinas. Saiba que as conexões são bem chatas, com mudança de aeroporto em Buenos Aires e muito tempo de espera. Com a Emirates é ainda mais complicado.

Uma boa ideia é ficar um dia ou dois em Buenos Aires para fazer tudo com calma, caso você tenha tempo disponível. Eu tinha apenas uma semana e então fui direto:

Voo Rio de Janeiro – Buenos Aires (3h e 20m de duração), seguido de troca de aeroporto e longa espera de 6 horas durante a madrugada para então fazer Buenos Aires – Ushuaia (3 horas e meia de voo). Bem cansativo!

Depois de 4 dias segui Ushuaia – El Calafate de Aerolineas Argentinas, num voo rápido de uma hora. Esse trecho tem 900 quilômetros e algumas pessoas optam por fazer de carro ou ônibus, em 11 horas.

Recomendo que inicie seu roteiro por Ushuaia e termine por El Calafate que tem cenários muito mais grandiosos e impactantes. Finalize com um gran finale!

Os voos de retorno são ainda piores em termos de conexão, mais tempo de espera em Buenos Aires, aproximadamente 8 horas na madrugada.

Aeroportos da Patagônia.



Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Com essas fotos lindas e esse roteiro perfeito fiquei ainda com mais vontade de conhecer a Patagônia. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a viagem para quem gosta de viagem de aventura e de cenários impactantes.

      Excluir

Deixe seu comentário. Obrigada!