OMÃ DOIS PROGRAMAS EM UM, TREKKING EM WADI SHAB E MERGULHO NO BIMMAH SINKHOLE



Imagino que a palavra “wadi” não seja lá das mais familiares. Pois para mim não era até eu começar a pesquisar sobre as belezas naturais de Omã. Então, visitar um “wadi” passou a ser um dos objetivos da viagem a esse discreto e tradicional sultanato do Oriente Médio.

Ficou curioso? Vou explicar. Wadi é um termo usado para fazer referência ao leito de um rio que corre no fundo de um penhasco, sendo que ele seca em algumas épocas do ano e forma piscinas naturais nos períodos chuvosos. É uma espécie de “vale-oásis-cânion”, típico de países desérticos, como é o caso de Omã.

Wadi Shab.

Como eu tinha apenas três dias para conhecer Omã, escolhi o Wadi Shab por uma série de fatores. Em primeiro lugar por ser um dos cânions mais bonitos que vi pelas fotos. Depois, por manter piscinas naturais de água verde-esmeralda cristalina praticamente o ano todo, por ser relativamente perto da capital Mascate e por ficar na mesma direção do cenote Bimmah Sinkhole que estava nos meus planos.

Cenote Bimmah Sinkhole.

A primeira questão era como chegar

Dirigir em Omã não é das tarefas mais fáceis. Não que o trânsito seja complicado. Longe disso. O trânsito é tranquilo e as estradas são excelentes. O problema é que Google Maps e Waze não funcionam muito bem. E, ao sair da capital, as placas de sinalização - muitas vezes em árabe - ficam difíceis de ser compreendidas.

Entendeu? Pelo menos o desenho ajuda. 

Por outro lado, o transporte público não é o forte do país, pois todo mundo tem carro.

Por isso, optei por contratar um motorista indicado pelo hotel Shangri-La Barr Al Jissah, em Mascate. Já citei ele no post anterior e deixo aqui novamente o contato - Salim Al Hassni - Whatsapp +96894476313.

Salim, nosso motorista e guia em Omã.

O trajeto de aproximadamente 150 quilômetros de Mascate a Wadi Shab (em direção a cidade de Sur) pode ser feito em pouco mais de duas horas. A estrada é linda. Ora entre montanhas rochosas, ora a beira-mar.

Vez ou outra aparecem pequenos vilarejos, camelos, bodes e burricos pelas estradas de Omã.

De repente, na estrada, a 100 quilômetros de Mascate, em pleno solo desértico, entre o mar e as montanhas, surge um oásis repleto de árvores e flores que surpreende. Uma placa indica o tão esperado Cenote Bimmah Sinkhole.

Omã tem cenários incríveis.

Um cenote em Omã? Sim. Sei que eles são uma constante no México. Quem já foi ao México certamente já visitou alguns. Mas, também há cenotes em várias outras regiões costeiras e planas do mundo. Um cenote é um tipo de piscina natural formada com água subterrânea que pode ser acessada através de uma fenda no solo ou quando o teto de uma suposta caverna desaba deixando a água à vista. Esse foi o caso do Sinkhole.

Cenote Sinkhole.

No entanto, segundo uma lenda local, a cratera teria sido feita por um meteoro. Por isso, um dos nomes do cenote é “Hawaiyat Najm” que significa “Estrela Cadente”. Mas, os geólogos afirmam que a erosão do terreno foi a causa do colapso da camada superior da caverna que deixou à mostra uma piscina natural. O cenote tem 40 metros de circunferência e 20 metros de profundidade. Espetacular! A entrada não é cobrada.

Sinkhole. Um oásis em solo desértico.

Garanto que você não vai resistir a um mergulho. Esteja preparado. Leve roupas de banho e toalha. Há banheiros no local caso você queira trocar de roupa no local. Vale uma parada de pelo menos uma hora antes de seguir caminho até Wadi Shab.

Impossível resistir pois a água é cristalina e o calor não dá trégua em Omã.

Depois desse belo mergulho, pegue novamente a estrada e uns 50 quilômetros à frente você encontrará um laguinho e a placa sinalizando a entrada para Wadi Shab. Estacione o carro ali e não esqueça de levar uma água. Você vai precisar.

Enfim Wadi Shab.

Muitos bodes virão ao seu encontro dar as boas-vindas e pedir comida. Eles são mansos. Não se assuste.

Bodes são os animais mais vistos em Omã.

Dali, atravesse até a margem oposta de barquinho para então começar a caminhada de três quilômetros até as impressionantes piscinas naturais. O trajeto do barco demora dois minutos e custa 1 OMR, algumas pessoas atravessam nadando ou mesmo caminhando com água na altura da cintura, mas tem lodo no fundo. Vá de barco. É mais divertido.

Uma pequena travessia de barco para entrar no clima, em Wadi Shab.

A partir dali, você vai levar entre 45 minutos e uma hora no trekking. Tome cuidado durante a trilha pois o terreno é bem escorregadio e por vezes no alto de escarpas perigosas.

Início do trekking em Wadi Shab.

Salim nos guiou o tempo todo pela trilha de Wadi Shab.

Pequenas quedas d'água ajudam a refrescar o sol escaldante do deserto.

Conforme você vai caminhando, o queixo vai caindo. Que lugar imponente. Levei mais de uma hora pois parei muitas vezes para fotografar, tal sua beleza.

Paredões de arenito e um riacho formam o desfiladeiro de Wadi Shab.

Um convite perfeito para um mergulho.

Lá no fundo do vale tem um lago cristalino de água esverdeada. Um convite perfeito para dar uma trégua no calor de Omã. O lago serpenteia pela fenda entre as montanhas e conforme vai avançando, as paredes se estreitam, até o ponto em que se forma uma gruta. Nade até lá. Um verdadeiro oásis. Diferente de tudo. Ímpar. De uma beleza estonteante. Você pode deixar seus pertences sem preocupação nenhuma. O país é muito seguro e há um segurança tomando conta do local.

Wadi Shab.

É ou não é espetacular?

DICA: Se tiver tempo disponível vá também ao famoso Wadi Bani Khalid com piscinas verde-esmeralda ainda maiores do que as de Wadi Shab, próximo ao deserto Wahiba Sands (ou Ash Sharqiyah). Considere a possibilidade de dormir uma noite num acampamento no deserto.

ENFIM...

Omã só deixou boas lembranças. Um país hospitaleiro, seguro, discreto, que se orgulha de suas tradições e é repleto de cenários paradisíacos. Merece entrar para sua wish list. Ah! E em termos de hotelaria está arrasando. Omã ganhou recentemente o exclusivíssimo Six Senses Zighy Bay, na Península Musandam, a duas horas de Dubai. Perfeito para uma lua de mel ou para comemorar uma data especial.

 Percebeu que não faltam motivos para você incluir Omã no seu mapa de viagens?

LEIA TAMBÉM 

TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER ANTES DE VIAJAR PARA OMÃ

O QUE VISITAR EM MASCATE

ONDE FICAR HOSPEDADO EM OMà

Compartilhe:

Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Obrigada!