A SINGULARIDADE DE VENEZA


Veneza é uma cidade que sempre surpreende com seu ar misterioso, romântico e sedutor. Não é por acaso que atrai multidões de turistas. Parece que o tempo passa mais devagar em suas ruas ligadas por uma infinidade de pontes sobre canais onde circulam gôndolas com casais apaixonados. Além, é claro de muitas outras embarcações. Carros definitivamente não têm vez. Não existe outra cidade no mundo que se compare à Veneza. Ela é única. Mesmo que alguns digam que já perdeu parte de sua majestade, não há quem não suspire várias vezes ao dia ao se emaranhar por seus becos. Da arquitetura à gastronomia há muitos encantos para se viver em Veneza.

Centro histórico de Veneza.

Veneza é realmente ímpar. Foi construída sobre uma série de ilhotas e bancos de areia nas águas do Adriático, nordeste da Itália. Por isso mesmo, está sujeita aos caprichos da maré. Sofre com enchentes. E nem se abala. Contraria todas as probabilidades e sobrevive triunfal às eventualidades da mãe natureza.

Veneza vista do alto do Campanário e ao fundo o contorno das Dolomitas.

UM POUQUINHO DE HISTÓRIA

Tudo começou com a fuga dos habitantes da região do Veneto com medo das invasões bárbaras, no século V. Eles se estabeleceram nas 65 ilhotas que existiam por ali. Logo, precisaram se expandir e assim desenvolveram um sistema de aterro sobre as áreas alagadas. Veneza se tornou uma província bizantina independente no século X. E, cresceu muito graças a sua localização privilegiada. Passou a fazer a ligação comercial entre Ocidente e Oriente. A cidade viveu momentos de glória e poder. No entanto, quando os portugueses descobriram uma rota alternativa pela África sua força foi abalada. No final do século XVIII Napoleão conquistou Veneza. Depois, virou território austríaco. Até finalmente ser incorporada à Itália, em 1866.

O centro histórico de Veneza hoje ocupa uma área de aproximadamente 7,6 quilômetros quadrados espalhados sobre 117 ilhas muito próximas, recortadas por 150 canais e conectadas por 409 pontes. Não é pouco para andar de um lado ao outro sem carro. Para ir do hotel em que estava hospedada à Piazza San Marco eu precisava caminhar 2 quilômetros de ida e mais dois de volta. Andei muito por lá. Mas, flanar por Veneza é adorável.

É difícil conseguir se localizar em Veneza sem um mapa

Boa opção para não cansar das longas caminhadas são os táxis. Aliás, um passeio de táxi pelos canais de Veneza faz parte da viagem. Mas, prepare o bolso. Você não vai para lugar nenhum por menos de 60 euros. As gôndolas têm preços ainda mais salgadinhos. Os hotéis distantes do centro histórico têm transporte particular em horários específicos para alguns pontos da cidade. A população local costuma usar o Vaporetto, uma espécie de ônibus aquático. O problema é que ele vive abarrotado de gente.

As tradicionais gôndolas de Veneza.

CURIOSIDADE: Quando a maré sobe muito, os locais mais baixos da cidade, como a Piazza San Marco, alagam. Enchentes são comuns na cidade que já afundou 23 centímetros por conta da compressão natural do solo e da elevação do nível da água.

Água não falta em Veneza.

O QUE NÃO PODE FALTAR NUMA VISITA A VENEZA

Não necessariamente nessa ordem. Afinal, a ordem dos fatores não altera o produto.

1. PIAZZA SAN MARCO. Considerada como o centro de Veneza, ela é uma das praças mais bonitas do mundo. É imponente, grandiosa e diferente do convencional pois não tem uma árvore sequer. Mas, é repleta de pombos. De um lado tem a belíssima Basílica de San Marco e seu Campanário, que é a construção mais alta de Veneza e onde vale a pena subir para ver a cidade do alto. Do outro lado, lojas que vendem as tradicionais máscaras de Carnaval e muitos cafés. Não deixe de fazer uma pausa no Café Florian com seus salões espetaculares. Visite a praça várias vezes, com luzes diferentes e preste atenção ao relógio da Torre dell'Orologio (Torre do Relógio).



Piazza San Marco.


Torre do Relógio, na Piazza San Marco, feita no século XV. 
O mostrador traz as representações das fases da lua e os signos do zodíaco.

2. BASÍLICA DI SAN MARCO: A Basílica é famosa por refletir o poder que Veneza ostentou por tanto tempo. Ela mescla referências do Ocidente e do Oriente numa obra grandiosa. O que se vê hoje foi construído a partir do século XI. Mas, essa já é a terceira igreja construída no local. A primeira sofreu com um incêndio e a segunda foi demolida para dar lugar a outra mais imponente. Um fato interessante é que, por lei, todo navio que estivesse voltando do exterior tinha, obrigatoriamente, que trazer um presente de valor para ornamenta-la. Seu exterior é magnífico. Tem várias colunatas em mármore de diversas cores, sobre a porta principal um belíssimo mosaico de São Marco e acima do mosaico dois enormes cavalos de bronze trazidos de Constantinopla, que hoje são réplicas e os originais estão guardados no museu da basílica. Mas, o que mais me encanta na basílica são os enormes domos arredondados quando vistos do alto do campanário ou quando vistos por dentro com seus belos mosaicos. As filas para entrar na basílica costumam ser grandes. Mas, vale a pena encarar. De todo modo, se der preguiça de enfrentar a espera, observe com calma seus detalhes por fora e só isso já é capaz de causar êxtase.

Domos da Basilica di San Marco.

3. CAFÉ FLORIAN. Depois de conhecer a Basílica di San Marco, circular pela Piazza di San Marco e visitar o Palácio Ducale é hora de fazer uma pausa para um descanso no legendário Café Florian. Durante o inverno, o ideal é sentar nas elegantes salas aquecidas para fugir do frio. Nas épocas mais quentes, as mesas são colocadas do lado de fora e o astral é mágico especialmente, no cair do dia, ao som de música clássica. Há vários outros cafés, um ao lado do outro, mas o Florian é o mais tradicional.

4. PASSEIO DE GÔNDOLA. Sei que as gôndolas não poderiam ser mais turístcas! Também sei que os preços são exorbitantes e os próprios venezianos não chegam nem perto delas. Mas, têm maneira mais romântica de circular pelos pequeninos canais da cidade com sua cara-metade? Então, esqueça desses detalhes e embarque numa viagem no tempo deslizando pelos canais tranquilos de Veneza à bordo de uma gôndola. Nem que seja uma única vez na vida.

De gôndola pelos canais de Veneza

5. SCUOLA GRANDE DI SAN ROCCO. Essa escola foi fundada em 1515 em homenagem a San Rocco (São Roque), um santo que dedicou sua vida a ajudar os doentes em uma irmandade de caridade. Em 1564, o pintor renascentista Tintoretto foi contratado para decorar as paredes do prédio e trabalhou por 30 anos fazendo os afrescos no que hoje é um museu. A obra é de arrepiar. No térreo há 8 pinturas que ilustram a vida de Maria. A escadaria parece um túnel do tempo com pinturas de Scarpagnino. E, nos salões do andar superior temas bíblicos pintados por Tintoretto deixam qualquer um boquiaberto. Absolutamente imperdível. É um daqueles lugares em que você não tem vontade de ir embora e fica completamente entregue a contemplação. Pena que as obras não possam ser fotografadas. Ao lado, fica a Igreja de San Rocco também com trabalhos de Tintoretto. Valor do ingresso: 10 euros.

6. PASSEIO DE BARCO PELO GRAN CANAL. Gran Canal é a avenida mais larga e a principal de Veneza. É uma via "aquática" de 3 quilômetros cercada por construções belíssimas feitas ao longo de alguns séculos e que contam um pouco da história da cidade. A maneira mais barata e simples de percorrer esse trajeto é de Vaporetto - até porque não tem calçada e a água bate direto nas casas. Não tem como ir caminhando. No entanto, esse barco vive lotado. Se quiser fazer o passeio com menos gente por perto é preciso chamar um "táxi aquático". Porém, o preço vai nas alturas. Não sairá por menos de 60 euros. Observe o Palácio Sagredo, a igreja San Stae, a igreja San Marcuola, o Fondaco dei Turchi (atual Museu de História Natural), a igreja San Simeone Piccolo, a Riva del Vin, o Palácio Barzizza, Palácio Garzoni, igreja Santa Maria da Saúde e especialmente a Accademia (museu com maior acervo de pinturas venezianas do mundo).


Entrada do Gran Canal e na parte superior da foto, as cúpulas da igreja Santa Maria da Saúde. 

7. PONTE DO RIALTO. A ponte do Rialto foi feita em 1591 e foi a primeira a transpor o Gran Canal, que atravessa a cidade toda. Tirar um foto nas suas escadarias faz parte do roteiro da viagem, mas esteja preparado para as cotoveladas, pois a ponte é um dos principais cartões postais de Veneza. Ela fica num bairro especial, repleto de mercados e vive cheia de turistas. E já que está nessa região chamada de San Polo aproveite para caminhar entre as barracas do mercado e lojinhas de alimentação que existem há anos naquele local e já foram as mais importantes do Mediterrâneo. O ideal é ir bem cedo, antes das 8 horas da manhã quando tudo está muito fresco e os chefs da cidade fazem suas compras.

Ponte do Rialto.

8. MADONNA DELL'ORTO. Igrejas não faltam em Veneza. São muitas mesmo. Mas, a Madonna Dell'Orto é especial. Essa igrejinha gótica, construída no século XIV, escondida e distante do centro foi dedicada inicialmente ao santo padroeiro dos viajantes, São Cristovão, protetor dos barqueiros. No entanto, o padroeiro foi transferido um século depois para outro local. Nesse meio tempo, foi encontrada perto dali uma imagem da Virgem Maria com supostos poderes milagrosos e ela passou a ser a  nova padroeira da igreja. Assim, além de guardar uma santa milagrosa a igreja também guarda obras de Tintoretto, que frequentava a igreja e está ali sepultado com sua família. Vale um desvio da rota turística tradicional. A igreja é uma graça e numa área pouco explorada por turistas. 

Madonna dell'Orto.

9. TRATTORIA ALLA RIVETTA. Comer bem em Veneza é fácil. Apesar, de ser uma cidade turística e cheia de restaurantes feitos especialmente para turistas. Perguntando aos moradores da cidade onde eles mais gostavam de comer cheguei à essa tratttoria simples, animada e de excelente qualidade. Tudo que veio à mesa estava impecável. Não é um restaurante estrelado, mas ficou marcado como uma bela experiência gastronômica veneziana. O endereço é Ponte 5, Provolo. Telefone: 041 52 87 302.

Outros restaurantes que indico são:

Trattoria Da Fiore. Conhecido pelos peixes frescos, pela fritura mista e por servir siri mole em determinadas épocas do ano. (Santo Stefano 3461, San Marco.  Tel: 041 52 35 310) Esse restaurante foi uma indicação da amiga Roberta Sudbrack que também indicou a Osteria alle Testieri e o Al Covo (que não tive tempo de experimentar. Ficam para a próxima).

Il Paradiso Perduto. Não fica num ponto turístico. É fora do centro, mas vive lotado, muito lotado de gente. Decoração exótica e ambiente bem descontraído. (Cannaregio, 2540, Campo dei Mori. Tel: +39 041 720581). Vale a pena fazer uma reserva.

Osteria L'Orto dei Mori. Também fora da zona turística e excelente. Tem que fazer reserva, pois é bem pequeno e está sempre cheio. (Cannaregio, 3386, Campo dei Mori. Tel: 041 52 43677).


10. HARRY'S BAR. Impossível ir a Veneza sem dar uma passadinha no bar mais conhecido do mundo. Pequeno e sem muita pompa, o bar frequentado por Hemingway continua atraindo uma quantidade enorme de pessoas que querem provar um Bellini original. Afinal, ali foi criada a bebida que ganhou fama mundo afora. Um drinque a base de prosecco e suco de pêssego. O Bellini é a cara de Veneza. Tanto que no Reveillon garrafas de Bellini eram distribuídas gratuitamente à todos que estavam circulando pela Piazza de San Marco. 

Piazza di San Marco e Bellini. Uma combinação totalmente veneziana.

Bellini por toda parte. A cara de Veneza.

E, já que estamos no mês de fevereiro, em plena época de carnaval no Brasil, não podemos deixar de lado a tradicional festa de carnaval veneziana que acontece exatamente no mesmo período. A festa vem de longa data, mas caiu em decadência e foi ressuscitada em 1980 com todo seu glamour e pompa. Mascarados enchem a cidade paramentados com roupas rendadas elegantes e perucas à moda do século XVIII. Lembram os dias de Casanova e personagens da Commedia dell'Arte. 

Roupas do carnaval de Veneza.

Máscaras do carnaval veneziano.

INDICAÇÃO DE HOTEL: Fiquei hospedada no Hotel Dei Dogi (Boscolo Luxury Hotel). Excelente. Quartos amplos, banheiro moderno, super café da manhã. Porém, distante dos principais pontos turísticos. Como fiquei quase uma semana na cidade foi excelente para conhecer uma parte de Veneza que ainda não conhecia, experimentar novos restaurantes e circular bastante com o barco do hotel. No entanto, para quem tem a intenção de ficar poucos dias não recomendo. Melhor escolher um hotel mais central. 

Para quem quer curtir Veneza num clima romântico e em grande estilo recomendo o Hotel Aman Canal Grande Venice que fica pertinho da Ponte do Rialto. Fantástico. O inconveniente é o preço. Salgadíssimo. 

Veneza é isso. Uma cidade ímpar. Capaz de seduzir, aquietar e desorientar como nenhuma outra. Apesar de já ter perdido parte de sua majestade, se mantém altiva e capaz de encantar a todos. Como dissse o escritor Henry James:
 "uma visita a Veneza é o início de um eterno caso de amor". 


Cenas de Veneza.

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Noooossa, que maravilha essa vida hein! Viajar é tudo de bom. To indo pra Suíça agora, viver lá, o que torna mais fácil fazer viagens pela Europa. Tenho que ler esse blog de cabo a rabo pra retirar muitas dicas de viagem. Esse é meu blog: http://firangueestrangeira.blogspot.com.br/ se você quiser acompanhar. Beijo! E boa sorte nas andanças pelo mundo.

    ResponderExcluir
  2. Gabriela,

    Sou louca pela Suiça. Se eu tivesse que escolher onde morar na Europa ficaria entre a Inglaterra e a Suiça. Viajar pela Europa fica muito fácil estando exatamente no meio de tudo.

    Desejo que essa seja uma época maravilhosa da sua vida.

    Vou acompanhar, sim.

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Mais uma maravilha de lugar, Claudia!
    Certamente, este Café Florian será figurinha fácil num futuro passeio meu à Veneza.... Simplesmente ADORO esses cafés, e com música clássica então, nem se fale!
    Bons ventos por aí!!!

    Bjks

    Bia
    www.biaviagemambiental.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Claudia
    Una altra volta me ho viajato insieme a te nelle tue historie!
    parabens e Grazie
    VS

    ResponderExcluir
  5. Oi Bia,

    Os cafés da Piazza San Marco são todos interessantes, mas esse é o mais tradicional. No inverno é bom entrar para dar aquela esquentadinha no corpo e no verão simplesmente para curtir um dolce far niente ao som de música clássica.

    Também não pode faltar o Harry's Bar e o famoso Bellini.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Claudia

    Por mais anos,décadas, séculos que passem Veneza será sempre uma cidade única no mundo...
    Fui pela primeira vez no Carnaval e depois disso muitas outras vezes, quase sempre no Inverno...adoro! :-)

    As fotos ficaram lindas... :-)

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Claudia, como sempre, ótimas dicas e relatos, recheado de fotos lindas! Fui em Veneza em 2009, mas meu marido não foi, então, este ano, pretendo voltar em Setembro com ele. Pretendo ficar hospedada também, pois da outra vez foi bate-volta. Vou pegar dicas atualizadas aqui :)
    Ah, aproveito para te pedir uma coisinha, por favor: vi que desde que mudei meu blog para o wordpress, o link para o meu blog está aparecendo desatualizado no seu blogroll (última atualização: há mais de 4 meses). Se não for pedir muito, será que você pode atualizar o endereço do site: www.viciosdeviagem.com. Recebo muitas visitas através do seu blog e não gostaria de perdê-las...Obrigada pela ajuda , sempre! Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Cláudia,
    Eu me apaixonei a primeira vista por Veneza e sonho um dia poder voltar.
    Foi lindo e emocionante. Passeei de gôndola, me perdi pelas ruelas, tomei vinho.
    Mt bom!
    Suas fotos estao lindas, como sempre.
    Bjsss

    ResponderExcluir
  9. Margarida,

    Você está pertinho de Veneza. Perfeito para dar um pulinho durante um feriado. Adoro essa cidade. Sempre fico maravilhada ao andar pelas ruas e canais. Vi foto sua recente em Veneza no facebook.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Carol,

    Vou atualizar agora mesmo.

    E o que vc está achando da mudança. Todo mundo me fala para migrar, mas já fiz um teste com wordpress e fiquei toda perdida. Vale a pena mesmo?

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Ana Paula,

    Eu também amo Veneza. Há quem não goste muito. Cada um tem lá suas preferências.

    Obrigada pela visita.

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Esta cidade é um encanto, belissima. Está na minha lista de viagens a não perder.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Cláudia, ate agora, to mais perdida que cego em tiroteio com este wp Hahaha estes dias que aprendi mexer em algumas coisinhas, mas ainda apanho muuuuito. Sinceramente, ainda nem sei te falar se vale tao a pena ainda rsrs beijos e obrigada por atualizar.

    ResponderExcluir
  14. Cristina,

    Não deixe mesmo de conhecer.

    Bjs

    ResponderExcluir
  15. Carol,

    Bom saber que o wordpress é mesmo difícil. Odeio levar surra do computador. hahaha. Tenho medo de migrar e depois me arrepender.

    Atualizei o link e deixei um comentário. Mas, fiquei em dúvida se o comentário havia entrado na sua caixa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Ma-ra-vi-lho-sas as fotos!!!Vou pra Itália em setembro mas Veneza infelizmente não está no roteiro.....uma desculpa pra voltar ao país,ne? =)

    beijos

    ResponderExcluir
  17. Ai que delicia Claudia!!!!! Eu AMO Veneza, acho que voltaria lá certamente toda vez q fosse para Europa. Parece um constante cenário daqueles filmes de romance :o)
    Posso te pedir uma coisinha tb? To com o msm problema da Carol com meu blog aqui na sua barra lateral. Vc poderia pls atualizar pra mim o endereço http://manudooutroladodomundo.com.br/?
    Obrigada querida!!!

    Bjoss

    ResponderExcluir
  18. Oi Manu,

    Vou lá agora mesmo arrumar o link.

    Veneza é um encanto. Adoro. Cidade apaixonante mesmo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. As fotos estão espetaculares. Não que nas outras matérias não estejam, mas aqui, realmente estão majestosas. eu e Emília passamos um aniversário dela encantador e inesquecível em Veneza. Foi bom 'rever' Veneza agora por suas lentes e letras.

    Fiz um apontamento sobre seu blog lá no meu post sobre o Atacama.

    Grande abraço ao casal (precisamos nos reunir de novo)

    ResponderExcluir
  20. OI Arnaldo!

    Fotos boas em Veneza são mais fáceis do que em qualquer outro lugar. rs. Que cenário incrível. Quase cenográfico.

    Quer dizer que você já está com o texto do Chile pronto. Que velocidade. Estou tão atrasada com meus posts. Ainda nem consegui escrever sobre a Turquia.

    Vou passar lá no seu blog agora mesmo para dar uma olhada.

    Quando voltarmos da China vamos combinar um jantar.

    Até breve. Beijo no casal.

    ResponderExcluir
  21. Veneza é muito linda, pretendemos voltar, uma hora dessas. Também fizemos uma visita rápida a Murano, Burano e Torcello...mágico. Dia 11 de abril, estaremos viajando. Daqui a pouco é hora de arrumar as malas. Beijos! Estou amando acompanhar sua atual viagem, pelo instagram.

    ResponderExcluir
  22. Taia,

    Vocês também não param. Isso é muito bom. Aproveitem bastante.

    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Ano passado fiquei mais recolhida, por causa do estágio final da doença do meu pai. Ele descansou, há pouco mais de dois meses. Continuemos...porque a vida, não para. Beijos!

    ResponderExcluir
  24. Taia,

    Sinto muito pela perda do seu pai. Perder uma pessoa querida é sempre muito difícil. E a vida segue. A dor vai diminuindo aos poucos dando espaço para lembranças lindas.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  25. Olá, adorei tudo que vc escreveu, ano que vem estou indo para Itália e a primeira cidade que irei conhecer será Veneza, penso que vou estranhar muito não ver árvores... Pois é a primeira
    coisa que procuro quando chego em lugares novos, mas sei que vou amar mesmos assim....

    ResponderExcluir
  26. Verdade. Não tem árvores em Veneza. É uma cidade muito diferente. Mas, é encantadora.

    ResponderExcluir
  27. Qual o mínimo de dias são recomendáveis para ROMA , FLORENÇA e VENEZA ?

    ResponderExcluir
  28. Qual o mínimo de dias recomendáveis para ROMA, FLORENÇA e VENEZA?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Izabel,

      O mínimo em Roma são 3 dias, mas se puder 5 é o ideal.
      Florença e Veneza 2 ou 3.

      Mas, tudo depende do seu tempo e interesse. Já fiquei uma semana direto em Veneza e aproveitei muito. Também já fiz bate-e-volta e foi ótimo. Em viagem, tudo depende do seu interesse.

      Espero que você aproveite muito. A Itália é uma delícia!!!!

      Bj

      Excluir

Deixe seu comentário. Obrigada!