SPLIT, A SEGUNDA MAIOR CIDADE DA CROÁCIA


Split é a maior cidade croata na costa do mar Adriático. E, a segunda maior do país, depois da capital Zagreb. Há muitos e muitos anos, ali existia um pequeno povoado sem grande importância até a chegada do imperador romano Diocleciano. Então, ele resolveu construir seu palácio, entre os anos 293 e 305 d.C., exatamente onde ainda hoje vive um centro antigo animado, muito bem preservado e cheio de charme.

Beira-mar de Split.

Split é uma cidade de história viva que pulsa em cada esquina. Seus tesouros se mantém incrivelmente bem preservados. Em 614, o palácio de Dioclesiano abrigou refugiados de Salona, uma cidade que ficava a 5 quilômetros de Split e foi devastada por ávaros e eslavos sobrando apenas as ruínas que ainda podem ser visitadas. Entre esses refugiados várias figuras religiosas de peso na época se fixaram na cidade de Diocleciano e tiveram forte influência no seu desenvolvimento que atingiu o auge na Idade Média quando novos muros e um forte trouxeram proteção extra e vida longa.

Split.

Mas, apesar de ter uma história tão antiga, a Croácia nos moldes em que hoje se apresenta, é um dos países mais jovens do mundo. Conseguiu sua independência da antiga Iugoslávia, apenas em 1991 depois de passar por guerras sangrentas que afastaram o turismo da região por muito tempo. Felizmente, o final dessa história foi de paz e a Croácia passou a brilhar como um dos cenários europeus mais procurados durante o verão. E, é de Split que partem barcos para algumas das ilhas mais espetaculares do Adriático como Hvar, Solta, Brac, Vis, Korcula.

Porto de Split.

Split tem uma característica muito pitoresca, seu ponto alto é o centro antigo que fica exatamente em frente ao porto e dentro dos muros do Palácio de Diocleciano. O palácio é um dos maiores e mais bem preservados do mundo romano. As construções que hoje existem ali são na maioria da Idade Média e Renascimento, mas todas convivem harmoniosamente com os elementos originais do palácio: nichos, colunatas e passagens subterrâneas. A catedral foi construída sobre o mausoléu de Diocleciano. Merecidamente, Split foi declarada pela Unesco como Patrimônio Histórico da Humanidade.

 Palácio de Diocleciano. Ao fundo, o Portão de Prata.

O complexo do Palácio de Diocleciano é todo murado e tem a forma de um retângulo de 215 x 180 metros. Dizem que foi concebido conforme a vontade do imperador, com muito luxo para a época. Uma rua central divide o complexo em duas partes: a ala sul era onde ficava o imperador e a ala norte era composta por dois blocos residenciais para os trabalhadores e guerreiros. Essa rua vai do Portão de Ferro ao Portão de Prata. Além desses portões há outros dois: o Portão de Latão e o Portão de Ouro

 Portão de Prata.

Portão de Prata se abre para uma mercado que vende alimentos e é uma entrada muito usada atualmente. Bem em frente ao portão está o Oratório de Santa Catarina construído na Idade Média.

O Portão de Ouro era a principal entrada do palácio. No século XI, ele foi fechado e transformado na Igreja de São Martinho (Sv. Martin). 

Portão de Ferro ainda está bem preservado e fica junto da Torre do Relógio, construída no século XII. A Igreja Nossa Senhora da Atalaia fica ao lado.

Torre do Relógio.

O Portão do Latão é voltado para o mar e tem aparência mais discreta. No entanto, conduz à ala mais importante do palácio. O andar superior tinha um pórtico que foi fechado para criar aposentos e abaixo havia porões subterrâneos que foram encontrados em escavações relativamente recentes e são ocupados por lojas. 

Porões subterrâneos que dão acesso ao Peristilo

Vindo do porto e atravessando o Portão de Latão, uma passagem subterrânea pelos porões conduz ao Peristilo, um pátio interno impressionante que dava acesso à área sagrada. De um lado havia os templos de Vênus e Cibele e mais adiante o de Júpiter, atualmente Batistério de São João. Do outro lado fica a catedral.  

No verão, o Peristilo é cheio de vida. As escadarias ficam repletas de gente ao cair do dia. Pequenos shows de música tradicional da Dalmácia e encenações costumam acontecer diariamente.

Peristilo, no Palácio de Diocleciano, Split.

Cantores da Dalmácia recebem o aplauso dos turistas no Vestíbulo.

O Templo de Júpiter foi construído no século VI e na Idade Média se tornou o Batistério de São João. A pia batismal tem um painel em pedra do rei Zvonimir. Os entalhes nas paredes e no teto do Batistério são muito ricos, além de ter uma estátua de São João e o túmulo do bispo João. 

Batistério de São João, antigo Templo de Júpiter.

Interessante observar que a Catedral de São Dônio foi construída sobre o mausoléu de Diocleciano e se tornou uma igreja católica no século VII quando o sarcófago com o corpo do imperador foi removido do local. O campanário foi acrescido mais tarde, ao redor do século XII. A igreja é linda. Tem um desenho octogonal e colunatas coríntias. Na base do campanário há uma grande esfinge egípcia em granito preto que se destaca no meio do branco. O portal de entrada tem painéis de madeira com cenas do Evangelho (que não podem ser fotografados).

Esfinge egípcia no Peristilo, em frente à catedral de Split.

Campanário da Catedral.

Interior da catedral de Split.

Leões guardam a entrada da catedral.

Vale a pena subir os degraus que levam ao topo do campanário para se ter uma bela vista de Split e entender melhor a configuração do Palácio de Diocleciano.

Split vista do campanário da Catedral.

Fora das muralhas, duas praças movimentam a cidade: a Praça do Povo e a Praça Brace Radic. A Praça do Povo era o centro comercial e administrativo de Split no século XV. Um prédio que permanece bem conservado desde essa época é a Prefeitura

Praça do Povo. 
À esquerda, a Prefeitura com três arcos no andar térreo e janelas góticas no andar superior.

A Praça Brace Radic guarda uma torre medieval construída pelos venezianos depois de Split ter sofrido uma grande derrota, a Torre Marina. Em frente a torre, no centro da praça uma estátua em bronze homenageia o fundador da literatura croata, Marko Marulic.

 Torre Marina e monumento a Marko Marulic.

Split é uma cidade encantadora. Caminhar por suas ruas, tomar um sorvete, assistir o por do sol no porto garantem boas lembranças de uma cidade que é um museu a céu aberto. Vale ficar na cidade por um ou dois dias. Se quiser manter a cidade como base para uma série de programas tipo bate-e-volta, então, vale calcular mais alguns dias para conhecer tudo que há pela região. E, não é pouca coisa. 

PASSEIOS INTERESSANTES A PARTIR DE SPLIT
  • Parque Nacional dos Lagos Plitvice, patrimônio da Humanidade pela Unesco. É um dos tesouros naturais da Croácia com lagos interligados por cascatas e cercados por floresta. Não consegui visitar, mas ficou a vontade. Fica entre Zagrb e Split. É um bate-e-volta de um dia inteiro. 
  • Ilha de Brac, onde fica a praia considerada como a mais bonita da Croácia. Ela avança como um braço ou uma lingueta e tem águas cristalinas e calmas dos dois lados. Fica a dois quilômetros da cidade de Bol. 
  • Ilha de Hvar. Que na realidade merece mais do que um bate-e-volta. O ideal é dormir na ilha uns dois ou três dias para poder explorar a região que é belíssima e animada demais no verão.
  • Ilha Solta. Fica praticamente ao lado da Ilha Brac. 
  • Ilha de Vis. É o ponto de partida para a Ilha de Bisevo onde fica a Gruta Azul.
  • Ilha Korcula. Considerada por muitos croatas como a mais bonita da Croácia. 

DICA

Preste atenção aos azeites croatas. Eles são considerados dos melhores do mundo. Superiores aos azeites gregos. 

Azeites croatas.

TRAJETO DUBROVNIK - SPLIT

Cheguei à Split de carro, ao entardecer, vindo de Dubrovnik. Esse trajeto tem ao redor de 220 quilômetros. A estrada é linda e as cidadezinhas brancas muradas no caminho são muito convidativas. A intenção era chegar no início da tarde, ainda com sol, mas a estrada definitivamente não deixa. Programe bastante tempo para poder conhecer tudo que der vontade no caminho e não vá pela freeway vá pelo litoral. As estradas são muito boas.

 Mali Ston, uma cidade murada que merece uma parada no trajeto entre Dubrovnik e Split.

A chegada foi mágica. O sol se pondo, a noite caindo e as luzes de Split começando a se acender. A sensação de ter sido tele-transportada para a Idade Média não poderia ser mais real. O carro não entra na cidade. Então, um funcionário do hotel veio auxiliar com as malas. A entrada, a pé, foi feita pelo Portão de Latão e dali é preciso atravessar os porões que levam ao Peristilo para chegar no hotel Vestibul, dentro das muralhas do Palácio de Diocleciano.

Por do sol no porto de Split.


 Pelas vielas de Split.

INDICAÇÃO DE HOTEL

Recomendo fortemente o Hotel Vestibul Palace. Ele é pequeno e tem o carimbo do grupo Small Luxury Hotels. Tem apenas 6 quartos de decoração moderna. O contraste entre o estilo do hotel com as paredes preservadas do palácio garante o charme. Difícil é conseguir fazer uma reserva, pois esse é o único hotel interessante dentro das muralhas do palácio e tem pouquíssimos quartos. Split é o ponto central para o embarque rumo às ilhas. Então, é concorridíssima no verão europeu. Outra opção é o Hotel Hilton Marjan, no entanto ele fica a 10 minutos de caminhada do centro histórico. 

Quarto do hotel Vestibul. Observe a parede ao fundo. É uma muralha do Palácio de Diocleciano.

O próximo post será sobre a Ilha de Hvar. Espero vocês. Até breve.

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. O Palácio de Diocleciano me pareceu espetacular...Precisamos mesmo ir para a Croácia. E esses dias bonitos deixaram as fotos mais lindas...
    Mais um lindo post!

    ResponderExcluir
  2. Emília,

    Céu azul realmente ajuda demais na viagem. A Croácia é um destino de verão, então sem sol fica ruim. Demos sorte o tempo todo. Sol constante.

    Split é incrível! Esse palácio é muito bem preservado. E, o hotel dentro dos muros do complexo vale uma reserva feita com antecedência.

    Beijo



    ResponderExcluir
  3. Poxa, que lugar impressionante, Claudia!
    ADOREI a passagem subterrânea e as surpresas encantadoras que aguardam do outro lado.... Já vi tantos folders sobre a descoberta turística da Croácia, mas nunca tinha visto um relato "real" de lá. Fica aqui a dica!

    Beijinhos

    Bia
    www.biaviagemambiental.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Bia,

    Esse lugar é incrível. Uma mistura de natureza ainda intocada com muita história. As ilhas são paradisíacas. Pode colocar na wish list sem medo. Viagem imperdível.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá Claudia!

    Adorei as descrições e "amei" as fotos que as acompanham.

    As cidades nas margem do mar Adriático tem mesmo muito encanto, charme e um lado rústico sedutor e Split é um óptimo exemplo disso mesmo.

    Beijinhos

    P.S.: Se tiver oportunidade e disponibilidade, espreite o ultimo artigo do meu blog, e aceite o convite e desafio ;-)

    ResponderExcluir
  6. Claudia, vamos nos mudar pra Croácia a abrir uma agência de turismo lá?? rsrs.
    O QUE É ESSE CÉU AZUL? Meo-Deossssss!!! Amei tudo, o post me fez mais uma vez pensar em como quero voltar lá, e olha que esse mundo é gigante né?
    Bjos!!!!

    ResponderExcluir
  7. Manu,

    A Croácia é dos deuses! Fiquei totalmente rendida à beleza do país. Já saí querendo voltar. Ai!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Turista,

    Vou agora mesmo te visitar. Obrigada.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Deu àgua na boca. Ainda mais. Que fotos! Eu e Emília PRECISAMOS fazer esse roteiro. Parabéns, um belo post.

    ResponderExcluir
  10. Arnaldo,

    Visita ilustre. Que prazer receber você aqui no blog. Casal querido. Vocês vão adorar a Croácia. É uma mistura fantástica de belas paisagens com história. E, se conjugar com Montenegro, melhor ainda.

    Beijo no casal e precisamos combinar outro jantar.

    ResponderExcluir
  11. Maravilhoso !!
    Estou encantada com estes posts sobre a Croácia !
    Beijos
    MT

    ResponderExcluir
  12. MT,

    Fiquei encantada. País interessantíssimo! Muita história reunida com boa mesa e praias idílicas.

    Beijos

    Claudia

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada!