VALE A PENA CONHECER O CARIBE BRASILEIRO?


Convidei as irmãs Fabiana e Débora Lemos que estiveram recentemente em Maragogi, uma das praias mais cobiçadas do nordeste brasileiro, para contar para a gente um pouquinho sobre esse paraíso azul. Fabiana é jornalista e Débora é fotógrafa. As duas são gaúchas, apaixonadas por viagens e tenho certeza de que vão nos deixar com vontade de fazer as malas e pegar o primeiro voo para Alagoas. Com vocês Fabiana e Débora. 

"Eu conheço várias praias do Nordeste, mas nenhuma tem a água tão cristalina assim". Essa frase é bem comum entre os turistas que visitam o litoral norte de Alagoas. As praias fazem parte da Costa dos Corais, a maior Área de Proteção Ambiental (APA) da Marinha brasileira. Além das paisagens paradisíacas e da água "morninha", Alagoas tem a segunda maior barreira de corais do mundo, com 130km de extensão. Não é à toa que Maragogi ganhou o apelido de "Caribe brasileiro". 


Maragogi é um município pequeno, quase na divisa com Pernambuco, com nove praias de areias brancas e mar calmo que vêm chamando a atenção dos turistas nos últimos anos. Com a alta do dólar e o real desvalorizado pelo mundo, parece que os brasileiros resolveram olhar para dentro do próprio país e aproveitar as paisagens naturais.

Piscinas naturais.

Aliás, o que chama a atenção em Maragogi é justamente a natureza. Não espere um lugar com restaurantes luxuosos, lojas bonitas e atrações culturais. A riqueza do município mora no próprio mar. 

Se quiser dar uma caminhada pela beira da praia, considere uma opção não muito tradicional: caminhar da beira para dentro do mar. Os bancos de areia deixam a água bem rasinha, a ponto de andar metros, até quilômetros, e seguir com o nível da água nos joelhos. Aí acontece um fenômeno curioso: quanto mais longe da costa, mais turquesa o mar fica.

A cor da água é a grande estrela de Maragogi e Japaratinga.

OLHA UM PEIXINHO AÍ!

É depois desses bancos de areia que aparecem piscinas naturais, onde a vida marinha se concentra e pode ser observada em um mergulho de snorkel. Em Maragogi, as piscinas ficam a mais ou menos seis quilômetros da costa. Para chegar lá, o passeio pode ser de catamarã ou lancha. Leve câmera subaquática ou capa à prova d'água para não perder a oportunidade de fazer uma selfie com os peixinhos! Se você não tiver nenhuma dessas opções, procure um dos fotógrafos profissionais que ficam nas piscinas.

Peixinhos coloridos são presença garantida.

As piscinas naturais só se formam quando a maré está baixa. Para aproveitar, peça informações aos marinheiros que ficam na beira do mar. O passeio dura cerca de duas horas e é feito em dias e horários que variam de acordo com a tábua de marés. A visita só é permitida com a maré máxima de 0,6 m e no período das 6h às 17h. Os marinheiros dizem que o segredo é fazer o passeio em um dia com nível entre 0,1 e 0,3 em época de lua cheia ou nova: é quando a água fica mais transparente. Evite dias nublados  e lembre-se que a tábua é uma previsão - não é possível ter certeza dos números. É importante também reservar vaga nas embarcações, porque há um limite de visitantes de acordo com as normas vigentes.

O cenário se transforma na maré baixa.

Na maré alta boas caminhadas com água abaixo dos joelhos.

Em Maragogi, o grande volume de turistas acaba estragando os corais e afastando os peixes. Por isso, alguns marinheiros partem para as piscinas da praia vizinha Japaratinga, sem ao menos mencionar o nome pouco conhecido. Por ser menos visitada, Japaratinga é bem mais conservada. Há mais vida marinha, corais e menos concorrência na água para nadar com os peixes. Alguns arriscam dizer que as piscinas de Japaratinga ganham não só de Maragogi, mas são melhores até que Porto de Galinhas e outros lugares famosos.

Cuidado com o ouriço do mar.

JAPARATINGA, UM PARAÍSO POUCO CONHECIDO

A vizinha de Maragogi tem uma beleza natural quase intocada. Uma praia com poucas pessoas, onde só se ouve a brisa no mar calmo cercado por lindas fazendas de coqueiros. Fora da praia, não há muito o que se ver além de lojinhas de artesanato local. O município foi uma colônia de pescadores e tem menos de 10 mil habitantes. A maioria das pousadas fica na mesma rua, que costeia o mar. Muitos dos donos de pousadas são estrangeiros e é comum ver turistas alemães, americanos, uruguaios e argentinos.

Coqueirais de Japaratinga.

CONHECENDO AS PRAIAS... DE BUGGY!

Nada melhor do que visitar cada pedacinho do litoral com o vento no rosto. Quem pega o buggy em Maragogi vai até a divisa com Pernambuco e pode parar nas praias para tirar fotos ou tomar banho. O percurso é quase todo pela beira do mar. Durante o verão, os buggys são proibidos de transitar pela areia, então, não tem tanta graça. Prefira fazer o passeio em baixa temporada.

O vento no rosto alivia o calor do sol, mas cuidado com os cabelos soltos! Se não quiser passar horas tentando desembaraçar, vá de trança ou coque. Nada de chapéu que não seja firme na cabeça! Com toda a certeza, eles voarão. E não esqueça o filtro solar: as duas horas de passeio são suficientes para uma bela "tostada" na pele. 

Buggy é o meio de transporte oficial de Maragogi.

O QUE COMER

Um dos quitutes mais famosos por lá é o Bolo de Goma. Na verdade, de bolo não tem nada. É um biscoito à base de manteiga e leite de coco, vendido em bares e à beira da rodovia entre Maragogi e Japaratinga. Vale a pena experimentar - principalmente os recheados com chocolate.

Outros pratos típicos do nordeste já se espalharam pelo Brasil, mas são hábito no café da manhã dos hotéis alagoanos. Tapioca, cuscuz e suco de caju são só alguns exemplos.

Se quiser um pouco de agito à noite, vá aos bares à beira da praia de Maragogi, alguns têm música ao vivo. Outra boa opção é ficar no próprio hotel. Geralmente tem pratos à la carte.

Para almoçar, experimente o restaurante Vida Nova, bem na praça de Japaratinga. O prato de camarão é uma delícia e serve três pessoas por R$ 60. Para comer algo mais comum, como filé, arroz, feijão, saladas e batatinhas, a refeição custa inacreditáveis R$ 13 para duas pessoas. O restaurante não é bonito, mas é muito limpo e serve uns dos melhores pratos da cidade.

Os restaurantes em Maragogi tem bons preços.

ONDE FICAR

Salinas do Maragogi é um dos melhores resorts da região. Ficou em primeiro lugar no "Melhores Resorts All Inclusive do Brasil" e em terceiro no "Melhores Hotéis para a Família do Brasil".

Pousada Humaitá, em Japaratinga - um charme de lugar. Quartos cheirosos, uma decoração rústica e, ao mesmo tempo moderninha, atendimento excelente e café da manhã com muita variedade. A piscina não recebe tanto sol durante a tarde, então a água não chega a ficar morninha. Com o mar logo à frente da pousada... piscina pra quê?

Pousada Humaitá.


COMO CHEGAR

Maragogi e Japaratinga ficam no meio do caminho entre Maceió (AL) e Recife (PE). 

DE AVIÃO: os aeroportos mais próximos das duas praias são os das capitais de Alagoas e Pernambuco. A partir de qualquer um dos dois, são cerca de 130km de viagem.

DE ÔNIBUS: tem ônibus todos os dias de Maceió para Recife pelo litoral. A viagem dura quatro horas de uma capital à outra. Para Maragogi, que fica bem no meio do trajeto, são cerca de 2h30 de viagem. Os ônibus saem das rodoviárias às 4h15 e às 11h. A passagem custa R$ 24,30.

DE CARRO: vale a pena alugar um carro para transitar entre as praias a qualquer hora. A diária custa a partir de R$ 50. No caminho do aeroporto para o hotel, evite sair entre 16h e 19h, quando o trânsito é intenso.

Quem mora em Maceió aproveita o fim de semana para visitar essas praias porque muitas na capital são impróprias para banho por causa do esgoto direto no mar. Por causa desses visitantes, o movimento nas rodovias fica mais intenso na sexta-feira à noite e sábado pela manhã, no sentido da capital para as praias, e ao contrário, no domingo à noite. Evite esses turnos ou vá contra o fluxo dos carros de Maceió, porque os engarrafamentos chegam a se estender por quilômetros.
Vale lembrar que o dia começa a escurecer às 17h no nordeste e as rodovias não são bem sinalizadas. Parece que os alagoanos gostam de quebra-molas: muitos nos pegam de surpresa sem nenhuma placa ou pintura no chão. Também falta sinalização quanto ao lugar, então, não deixe de ligar GPS!

Pela janela, foto panorâmica de Maragogi.

QUANTO CUSTA?
  • Passeio às piscinas naturais: em média R$ 75 por pessoa em Maragogi e a partir de R$ 50 em Japaratinga
  • Fotos profissionais nas piscinas: a partir de R$ 50 um pacote com várias fotos
  • Aluguel de snorkel: a partir de R$ 10
  • Passeio de buggy: em média R$ 250 em Maragogi e a partir de R$ 150 em Japaratinga (até 4 pessoas por buggy para o passeio de duas horas)
  • Refeição: em média R$ 60 para duas pessoas em Maragogi e a partir de R$ 13 em Japaratinga 
  • Água de coco: em média R$ 3

O QUE LEVAR
  • Roupas de banho e roupas leves para o calor
  • Óculos escuros, filtro solar, chapéu... tudo o que proteja do sol
  • Câmera à prova d'água e snorkel (se não quiser alugar)
  • Carteira impermeável com dinheiro vivo para usar em quiosques na praia e nas piscinas naturais
  • GPS ou celular com aplicativo de mapas para não se perder nas estradinhas sem sinalização


Roupas leves para o calor de Maragogi.

INDICAÇÕES
  • Para o passeio nas piscinas de Japaratinga, Emanuel (para lancha ou catamarã) - (82) 8885-8293
  • Para passeio de buggy em Maragogi, Leno (82) 99307-9375


O melhor dessas praias é que o sol aparece por lá quase todos os dias. Os próprios alagoanos brincam que, para eles, as quatro estações são verão, quentura, calor e mormaço. É um bom convite para visitar o mar em qualquer época do ano, principalmente na baixa temporada, quando as praias ficam vazias e os passeios são mais baratos. Mas, fique atento: de abril a agosto, a probabilidade de chuvas é maior. 


Então, respondendo à pergunta do título... vale MUITO passar alguns dias em Alagoas se você quiser relaxar e curtir praias lindas.

Compartilhe:

Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Obrigada!