AIT BEN HADDOU, UM TESOURO NO CORAÇÃO DO MARROCOS


É como entrar num filme. Depois de curtir cinco dias em Marrakech no incrível hotel-oásis Amanjena e dois no fantástico Kasbah Tamadot, nas Altas Montanhas Atlas, alugamos um carro para rodar 1.300 quilômetros pelo interior do Marrocos tendo Fes como destino final. Atravessar o país de carro é surreal. Cenários incríveis vão se sucedendo, personagens reais trazem vida ao contexto e belas surpresas interrompem a vastidão do caminho, como a cidade fortificada Ait Ben Haddou.

Ait Ben Haddou.

O CAMINHO DE MARRAKECH A AIT BEN HADDOU


Aos poucos fomos nos afastando do ritmo frenético de Marrakech e encarando as curvas em cotovelo das Montanhas Atlas, num trajeto lento e encantador rumo a Ait Ben Haddou. Apenas 200 quilômetros separam as duas cidades. Mas, as curvas serpenteiam tanto pela cordilheira que o trajeto não pode ser feito em menos de 4 horas e meia, vale computar nesse tempo algumas paradas para fotografar vilarejos e para bater papo com os vendedores de fósseis e minerais que estão sempre pela estrada. De repente, uma placa sinaliza o destino tão esperado.

Altas Montanhas Atlas.

Há muitos povoados nas montanhas.

Vendedores de fósseis e minerais são uma constante pelas estradas do Marrocos.

Apesar do sorriso no rosto, os marroquinos não gostam de ser fotografados.

ENFIM AIT BEN HADDOU

Mais alguns quilômetros por uma estradinha secundária de paisagem árida, em tom alaranjado, chão todo desenhado pelas rachaduras formadas com a erosão e lá no alto da colina estava o fotogênico vilarejo construído em 757. De uma força bruta fascinante.

Dez quilômetros por uma estradinha vicinal e eis que surge Ait Ben Haddou.

Chegar a essa aldeia é como entrar num filme.

Ait Ben Haddou começou pequenina para abrigar apenas uma família. No entanto, como ficava na antiga rota das caravanas que ligavam Marrakech ao Deserto do Saara, à beira do rio Ounila, não demorou muito para crescer. Virou um incrível conjunto de casas de adobe fortificadas, com área de cultivo, terraços, pátios internos, mesquita, palácio e cemitério. O túmulo do fundador Ben Haddou fica atrás do povoado, no pé da montanha.

Ait em berbere quer dizer tribo e Ben Haddou era o nome da tribo.

Merecidamente, Ait Ben Haddou é Patrimônio Mundial da Unesco desde 1987. É um belo exemplar da arquitetura marroquina. Hoje, quase não há mais moradores ali, a maioria dos habitantes vive numa aldeia do outro lado do rio com mais conforto. Menos de 50 pessoas mantém a tradição de viver como antigamente num lugar que ainda não tem eletricidade, mas tem muita história e vocação cinematográfica. Lembra da cena de Gladiador, de Ridley Scott, em que Russell Crowe é vendido como escravo? Foi gravada em Ait Ben Haddou. Além desse, muitos outros filmes já mostraram cenas desse kasbah para o mundo, entre eles o clássico Lawrence da Arábia, Príncipe da Pérsia, A Múmia, A Jóia do Nilo, Jesus de Nazaré.

Um dos poucos moradores da aldeia. 

A VISITA

Depois de estacionar o carro na parte nova da cidade, você vai andar cerca de cem metros entre lojinhas, hotéis e restaurantes até chegar às margens do rio. 

Parte nova da aldeia. 

Lojinhas de artesanato são uma constante.

Dá para atravessar pelo próprio rio que geralmente fica muito seco ou pela ponte. Então, procure uma das entradas para iniciar a visita ao interior do Ait Ben Haddou. Se alguém cobrar pague alguns dirhams e vá subindo até o topo da fortaleza. O visual vai ficando cada vez mais bonito conforme se sobe. Vá sem pressa. Pare nas lojinhas, sente nas muretas para apreciar a vista, fale com os moradores da aldeia e tire muitas fotos. 



Suba até o topo da fortaleza para ter uma ideia da vastidão do Marrocos.

Lá de cima dá para ver Ait Ben Haddou e a parte nova da cidade separadas pelo rio.

Os moradores da aldeia adoram uma conversa.

Um passeio de camelo pode fazer parte do programa.

Se quiser se hospedar dentro de Ait Ben Haddou saiba que tem um Kasbah muito simples, o Kasbah Tebi, para uma experiência berbere de raíz. A maior parte das pessoas visita rapidamente e não dorme ali. Mas, pequenos hotéis não faltam na parte nova. Dá até para decidir na hora  e pode ter certeza de que você não vai dormir ao relento. Eu optei por ficar hospedada no Kasbah Dar Ahlam, no oásis de Skoura, 70 quilômetros adiante. Super escolha. Recomendo. 

 Kasbah Dar Ahlam, em Skoura.

 LEIA TAMBÉM


 Ait Ben Haddou. Imperdível!!!

Compartilhe:

COMENTÁRIOS

  1. Uau! Nunca pensei que uma cidade no meio do deserto podia ser tão fascinante,
    Ótimas fotos também :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Marrocos é incrível. Um país cheio de belas surpresas.

      Excluir

Deixe seu comentário. Obrigada!